"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

terça-feira, 21 de maio de 2013

Todos os homens nascem escravos...



(I) - Todos os homens nascem livres e... blábláblá, diz a faixa que arrastam por aí numa manifestação. Haverá maior mentira do que essa? Pelo contrário, todos os homens nascem dependentes e escravos. Uns, a custa de dinheiro, poder e astúcia, livram-se parcialmente das correntes e do cordão umbilical, outros, os arrastam pela vida a fora e para sempre... 
E por falar em correntes, continua aqui na França a discussão pueril/demencial do mariage pour tous! Que retrocesso civilizatório!, quando a babaquice do mariage já deveria ter sido banida há décadas!, seja ela entre macho e fêmea, entre bigodudos, entre um hommo sapiens e um equino ou entre duas princesinhas do mar... Onde estaria estruturada essa necessidade homo de exigir do Estado autorização para casar e para adotar crianças? Alguma urgência secreta de reparação? Seja o que for, com certeza, será algo que tem muito mais a ver com os labirintos da pré genitalidade que com os cânones da república...
(II) - A propósito, todas as manhãs que desço pela rue Canebière, assisto a mesma e discreta cena: um grego, vendedor de malas arrastando umas para lá, outras para cá. As mais coloridas coloca no alto, as mais vulneráveis sobre uma mesa. As de couro ficam quase no meio da rua, as mais baratas empilhadas. As de estilo antigo ficam dependuradas na parede, umas mais infantilizadas junto à caixa registradora, etc. Mas, o que é mais interessante nessa história, é que sua filhinha, de uns sete ou oito meses está sempre lá, em seu berço, com uma chupeta na boca, no meio daquela bagunça toda acompanhando os movimentos daquele, digamos, brutamonte. Ninguém esquece por aqui, muito menos os comerciantes e os mercenários, o que escreveu Montesquieu: “le commerce est l’objet de Marseille”. Daqui a uns vinte e tantos anos, quando aquela criança já tiver recebido seu titulo de dentista, advogada, professora ou de qualquer outra coisa, ninguém (nem ela própria) entenderá por que trata sua profissão e seus clientes como se fosse uma simples vendedora de malas...
(III) - Dois velhos árabes sentados há mais de duas horas aqui ao sol de um café na Cours Belsunce, com aquele ar de sabedoria de deserto, especulavam: Não será o Irã, nem Israel, nem os gringos e muito menos o gorduchinho coreano que fará o mundo virar cinzas, mas a depressão e a demência... Se o mundo ainda funciona – concordavam – (os aviões voam, as padarias fazem seu pão, os mercados abrem todas as manhãs e etc) é graças a uma minoria que ainda está imune, pois o grande e carimbado rebanho, só cumpre comandos e só faz o que se lhe ordena... O primeiro concordou com um leve movimento de cabeça e completou: logo, muito em breve, todo o gênero humano estará lelé da cuca, gagá e despirocado, e não saberá mais diferenciar os sinais da hecatombe dos do bonheur. As padarias, os cafés, os aeroportos, as estações de trem e os navios... tudo estará a deriva... As mulheres, que vivem bem mais do que os homens, estarão por aí, velhinhas, cheias de colares e de badulaques, tagarelando horas a fio e tentando inutilmente concluir se a maré está para peixe ou não... Nessa hora os dois explodiram numa gargalhada típica dos mouros ateus... e um deles concluiu: até que outro germe ou outra semente caia por aí, em algum pântano, o sol a faça germinar e tudo recomece até chegar ao estagio babaca de agora...

Nenhum comentário:

Postar um comentário