"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Troteando... troteando...

Cada vez que acontece um trote universitário por aí, ouve-se a mesma reclamação de que estamos de volta à barbárie ou de que nossos universitários são o supra sumo da estupidez humana. Puro moralismo e desconhecimento histórico. As imbecilidades praticadas nesses supostos rituais de passagem são tão antigas quanto a espécie e até já foram piores. As primeiras universidades do mundo (Bolonha, Córdoba, Paris, etc.,) já o praticavam e as de Portugal, aquelas que tinham até masmorras em seus porões, também. Bastou virem uns idiotas daqueles para as colônias para institucionalizá-los por aqui. Sabemos que já fizeram os calouros beberem urina, lamberem lixo, rastejarem no asfalto incandescente... Que já deram coices no crânio de muitos, que vários morreram afogados, que outros entraram em coma alcoólica, que uns tiveram que fazer strip-tease, outros ficarem em posição fetal sobre excrementos etc., etc.,. Na semana passada, os "veteranos" de uma universidade de Minas obrigaram seus "calouros" a simularem sexo oral... E tudo para "comemorar" o ingresso na universidade, como se isso fosse a última maravilha do mundo. Sinceramente, às vezes fico embasbacado com a longevidade das universidades. Me parece mais do que evidente que é chegado o momento de dar um tempo, um basta! Ufa! Chega de academia! Chega de aulas! Chega de reuniões! Chega desse lero-lero onanista sobre postulados, regras de três, teoremas... Que a formação volte a ser nos locais de produção. 98% prática, 2% blábláblá... Ou pelo menos que o tal vestibular passe a ser visto como realmente é, uma perversa excrescência do ensino. 
E quanto a essa brincadeira de trouxas, que apareça alguém com culhões e com autoridade para pisoteá-la até as raízes... Aliás, também é incompreensível essa dificuldade nacional de diferenciar autoridade de autoritarismo. Daí essa tendência à delicatessem e à frouxidão que é nossa marca registrada...
Do contrário, pelo movimento ziguezagueante da tropa e da carruagem, em breve não faltarão "trotes" onde os calouros serão sodomizados, terão que sodomizar-se entre eles ou, até obrigados a sodomizarem os veteranos... (Ilustração: El Roto)

2 comentários:

  1. Rogério Rodrigues23 de abril de 2013 07:29

    Venho agradecer-lhe mais uma vez. Muito legal esse texto.

    ResponderExcluir
  2. A parte final desse texto (sodomia) me fez lembrar do filme 120 dias de Sodoma do Pasolini. Taí um tabu que você já deve ter abordado, mas que poderia voltar a analisar: as mulheres e o sexo anal...

    ResponderExcluir