"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Depois de oitenta anos de tagarelices, de blábláblás & de lero-leros....


5 comentários:

  1. E o que é melhor? Ter a consciência de que nada se sabe, ou permanecer na ignorância sem nada saber? Sim, porque a grande massa da população permanece na ignorância, apenas alimentando as necessidades básicas do corpo físico, e vivem sorrindo com: futebol, carnaval, praia, pandeiro, bailes funks, showmícios sertanejos, puteiros, purrinha, truco, churrasco (geralmente de frango e linguiça) e tudo regado com uma boa dose de álcool... E no dia seguinte retornam para a escravidão cervil de seus "trabalhos", recebendo o insuficiente para abstecer a dispensa da família, mas mesmo assim duvido que eles abram mão do futebol, da cachaça, da praia... E a vida para eles é bela...

    ResponderExcluir
  2. UM BREVE RECADINHO PARA OS QUE ESTÃO ME MONITORANDO...

    Não existe nada mais chato nesse mundo do que alguém ficar te monitorando, analisando, e depois dizer como você deve ou não proceder, seus erros, defeitos, manias, etc etc etc..
    Puta que o pariu, que porra essa, que todos têm que ter o mesmo comportamento, a mesma forma de pensar, a mesma forma de agir, o meu jeito de se vestir, a mesma aptidão sexual... Porra, vai para o caralho! Quem sabe o que é bom para mim, sou eu... Quem come sou eu... Quem veste sou eu... Quem vem para essa porra todos os dias sou eu... Quem fode sou eu... E quem está nessa merda sou eu... Só eu sei o que é viver desse jeito... Então vai todo mundo tomar no cú, e me deixem em paz, porra! Já não basta alijar a minha liberdade e me manter em isolamento? Caralho, eu não sou um boneco, muito menos um robô. E eu tenho uma enorme curiosidade de saber quem é você que está o tempo inteiro me analisando e/ou manipulando? Que raio de caralho de profissão é essa? Que tipo de vida você leva? O que faz você pensar que é melhor, ou que sabe mais que os outros? Psicólogo? Psiquiatra? Militar? Oficial de Inteligência? Filósofo? Policial? O que você é? Você é feliz? Como você vive? Gosta de si mesmo, ou precisa da desgraça alheia para se sentir melhor? Gosta de monitorar pessoas porque? Já sei, é um pesquisador do comportamento humano? Se for, ta fudido... Se você não conhece a si mesmo, como acha que pode conhecer outrem? Bem, se estivesse bem resolvido financeiramente, jamais estaria se submetendo a esse tipo de trabalho, a não ser que você seja um psicopata... Aliás, é o que mais existe no universo humano, alguns declarados e outros enrustidos, procurando nos outros uma forma de justificar suas próprias atitudes... Parabéns, seu doente mental!!! Aliás, todos nós somos insanos, uns mais e outros menos, e você deve estar no limite da total insanidade para trabalhar nesse tipo de coisa... Se eu fosse livre eu estaria fazendo uma porrada de coisas, menos me preocupando em monitorar a vida alheia... Que coisa, hein....

    ResponderExcluir
  3. OUTRO BREVE RECADINHO PARA OS QUE ESTÃO ME MONITORANDO...

    Há dezessete anos vocês me submeteram às suas técnicas covardes de perseguição e tortura psicológica com o objetivo de que eu ficasse desestabilizada até que eu viesse a cometer o suicídio. Eu diria que vocês até podem conseguir com que as pessoas acreditem que eu seja: bipolar, tripolar, quadripolar, hipocondríaca, neurótica, esquizofrênica, depressiva, misantropa, e mais essa porrada de “diagnósticos” que vocês vêm espalhando por aí, e criando “situações” para parecerem reais.
    Durante esses últimos anos eu conheci muita gente mau caráter que em troca de alguns benefícios aceitaram participar dessa “operação”, inclusive profissionais da área da saúde mental que receberam propina para me desestabilizar ou propagar um falso diagnóstico. O problema é que exceto os psicopatas ninguém consegue mentir ou omitir fatos com tanta maestria que não deixem rastros materiais ou expressivos.
    Então digo aos navegantes que apesar do tratamento desumano, com todas as perdas e prejuízos, do isolamento social, da anulação profissional e do cerceamento do meu direito de ir e vir, eu continuo tão ou mais lúcida que todos vocês que foram manipulados e/ou comprados, e submeteram-se a esse processo; porque durante os meus quarenta e sete anos de vida eu nunca aceitei nenhum suborno, ou me submeti a nenhum processo que viesse a prejudicar terceiros. Nunca participei de “grupos” que pudessem alijar a minha liberdade de pensar e agir, ou que corrompessem meus valores, os quais não saberia dizer se são certos ou errados para essa sociedade, mas são os meus princípios, e que por uma questão ética, moral e humana, eu continuo a seguir...
    Não ligo quando riem de mim, porque para mim vocês que estão engajados nessa operação são NADA, ou talvez sejam os verdadeiros doentes mentais que necessitam da desgraça alheia para se sentirem alguém... E como atualmente o país vive uma situação de paz, sem guerra física, creio que haja a necessidade de se criar “bodes expiatórios” para que suas existências sejam justificadas...
    Espero que tudo que os “cooperadores” ganharam durante esses últimos anos para manterem o meu monitoramento/isolamento compense o peso de suas consciências, porque a justiça não está apenas nas mãos dos homens, mas no decorrer da vida...

    MÔNICA PRADO TORRES

    ResponderExcluir
  4. Já dizia um irônico sábio francês do século XV:"l´essentiel est être bête e contant".

    ResponderExcluir
  5. Seria o saber o causador da "infelicidade" ou "descontentamento"? Se assim o fosse, todos os filósofos seriam infelizes, ou pessimistas, a não ser que fossem idealizadores como o personagem do Dr. Pangloss... Alguém recentemente questionou: - "Seria nosso saber um saber maculoso?"

    ResponderExcluir