"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Um desafio e tanto para os historiadores...


Ontem foi a posse da nova Ministra no Supremo Tribunal Federal (STF).  Estavam presentes à solenidade o ex-Presidente da República, (que todo mundo aposta que será preso em breve); o atual Presidente da República, (que parte significativa da população  acusa de traidor); um cristo na parede (pregado e sangrando) e mais um cantor popular que choramingava no violão "Ouviram do Ipiranga as margens plácidas"... 
Segundo uma autoridade de "alta patente" que esteve lá durante aquele ato, a fila para cumprimentar as excelências, lembrava as filas da Disney.
Lamento profundamente não estar mais vivo daqui a uns cinquenta anos, só para poder assistir aos malabarismos que os arquivistas, os historiadores e outros trapaceiros precisarão fazer para tornar compreensíveis, ao populacho, à plebe e aos patriotas de então, esses momentos inéditos de exotismo, frenesi e de transcendência. Sem falar que as fotos, se forem conservadas até lá, remeterão qualquer um ao Fantasma da Ópera, às lendas da Transilvânia e, aos mais informados, à Les streghes, de Paganini...

Um comentário:

  1. é solteirona essa aí. Não sei por que me lembrei agora da Maga Patalógika.
    Rogério.

    ResponderExcluir