"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

sexta-feira, 29 de maio de 2015

Roma não é mais a de Julio Cesar… e nem o metrô"...



















3 comentários:

  1. MÔNICA PRADO TORRES29 de maio de 2015 09:06

    Nossa, um belo vídeo para me acalmar nessa manhã turbulenta... Sete horas da manhã e eu me deparo com um cinturão de sindicalistas na porta da Empresa proibindo a passagem dos empregados... Nesse mês meu banco de horas estourou, e hoje é o último dia para diminuir as horas negativas que vão para desconto... Estou há 13 anos sob perseguição, assédio e pressão dentro da Empresa... Já perdi as contas de quantas vezes fui no sindicato, e eles nem me receberam, detalhe - sempre fui sindicalizada, ou seja, todo mês sou descontada direto no contracheque para a categoria, e na hora em que preciso sou ignorada... Enchi o saco dessa gente que usa o sindicato apenas como escada para cargos políticos... Parei na frente da corrente humana, pedi licença para entrar na Empresa, e fui ignorada... Nessa hora eu acordei, o sangue ferveu, e furei a barricada... Lá no fundo, um conhecido, do sindicato, gritava sobre o que estavam pleiteando, e minha vontade foi de voltar e vomitar para todos o que acontecia comigo dentro da Empresa e ninguém se manifestava, mas deixei para lá, de nada adiantaria... Abri passagem para mais algumas pessoas, e subi... De certa forma fico triste em não ter mais esperança e não acreditar em mais nada, mas sei que não posso tirar a ilusão e esperança dos outros, principalmente dos mais jovens...
    E eu reclamando do metrô daqui do Rio... Se bem, com certeza, aí é mais civilizado apesar de cheio...

    ResponderExcluir
  2. MÔNICA PRADO TORRES29 de maio de 2015 12:56

    Concordo Ezio!!! Eu mesma, apesar de andar de vez em quando, odeio o metrô... Aliás, não sendo hipócrita, odeio transportes coletivos, principalmente os do Rio de Janeiro... A ideia de andar embaixo da terra não me agrada nem um pouco... Sofro de claustrofobia, e simplesmente entro em pânico quando o vagão enche, e as pessoas tiram minha visão e meu ar, talvez por eu ter 1,53m, e ficar com o nariz nas costas ou no peito dos outros... Parece supérfluo, mas esse foi o fator que mais me prendeu em Brasília - deslocamento - eu ia de carro para o trabalho todos os dias, e sempre tinha onde estacionar... Fala sério, depois de um dia inteiro de trabalho, nada melhor do que voltar de carro para o lar, ainda mais quando se mora perto, isso se chama "qualidade de vida"... Eu levava no máximo quinze minutos no trajeto... Bons tempos...

    ResponderExcluir
  3. MÔNICA PRADO TORRES29 de maio de 2015 13:18

    O tango... Dizem que a dança é a expressão do corpo tocada pela alma, eu diria que o tango é a expressão da alma interpretada pelo corpo... É arrojado, sensual, sublime, apaixonante... É... Todas as vezes que assisto uma apresentação me lembro do meu passado em um palco... Eu não era a primeira bailarina, mas era a mais expressiva e mais apreciada... Como sou intensa em tudo o que faço, assim eu também era na dança... Adorava os clássicos menos românticos e a dança espanhola... Esquecia as coreografias, improvisava, e deleitava-me na música... Sempre intensa...

    ResponderExcluir