"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

ESCADARIA PARA O PARAÍSO...

É mais do que sabido que a história (e mesmo a atualidade) do mundo e dos povos é um rosário de chacinas, de delírios e de guerras entre fanáticos, na maioria das vezes sob o pretexto dos códigos de uma religião ou em nome de uma divindade imaginária.

A polêmica que a escultura de Eugenio Merino exposta na Feira de Arte Contemporânea de Madri (foto) está causando é uma dessas miseráveis manifestações.

Considerada uma blasfêmia, a obra intitulada Escadaria para o paraíso, retrata três homens em posição de reza, um sobre o outro: um padre católico sobre as costas de um muçulmano e sobre os ombros do padre, um rabino, sendo que cada um deles leva nas mãos o livro sagrado (a Bíblia, o Torá e o Corão) da religião do outro. Um trabalho excelente! Tanto é que foi vendido de imediato. Independente das verdadeiras intenções do artista o que importa é que ele está, de certa maneira, lembrando, à sua maneira, o que já disse Milorad Pavitch: “Só se pode ser um grande cientista ou um grande violinista quando se é apoiado por uma das grandes internacionais do nosso mundo. Internacional judáica, islâmica ou católica. Eu, como não pertenço a nenhuma, não estou em lugar nenhum. Entre meus dedos, todos os peixes escorregaram, há muito tempo”.

Veja o video:
http://www.youtube.com/watch?v=J6x0tUN_n6U


2 comentários:

  1. Não conhecia a escultura e a polêmica; achei maravilhosa, realmente a arte é a linguagem maior!

    ResponderExcluir