"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

sábado, 22 de abril de 2017

Porque hoje é sábado...

Hoje é sábado... Dia em que a velharada faz um esforço dobrado para sair de casa, seguir os conselhos dos proctologistas e dos cardiologistas misteriosamente empenhados cada vez mais em apostar na senectude: caminhar! Agitar o esqueleto! Descer escadas! Beber água! Respirar! Socializar-se!.. Eu mesmo, saio por aí em disparada, mas sempre em ziguezague numa tentativa de evitar encontros com esse pessoal da terceira-idade. Mas não tem sido fácil. Parece que está tudo dominado! Como dizia o porteiro do prédio vizinho: é a gerontocracia aposentada. Como a solidão desses velhos é incalculável, saem mais para 'bater-papo' com alguém do que para exercitar-se. Para eles, dizer 'bom-dia' ou 'boa-tarde' a alguém numa manhã ensolarada de abril, já é uma maravilha. Uns vinte passos antes de nos encontrar-mos, percebo que já vão pigarreando e limpando a garganta... e lá vem o BOM DIA!!! BOA TARDE!!! BOA CAMINHADA!!! Uns até dizem: ALELUIA!!! E se eles identificarem algum tipo de afeto em sua resposta ou em seu olhar, então estacionam, colocam as duas mãos sobre os rins e começam a falar sobre meteorologia, sobre a lava-jato, sobre o Trump ou até mesmo sobre o cadarço de teu tênis, se ele estiver mal amarrado. Um deles, exatamente nesta manhã, chegou a relatar-me a história completa de seu tataravô, vindo de Romênia para a América em 1830 e que  teria fundado uma sapataria às margens do Rio Amazonas, onde os cadarços eram feitos de cipós. Outras vezes, quando ouvem o canto de um João de barro, estacionam e com muito cuidado com o labirinto e com a força da gravidade, olham para a copa das árvores tentando localizar suas tocas. Se se deparam com um formigueiro, ficam lá, como catatônicos, horas a fio, assistindo a malandragem das formigas que vão em fila indiana levando as folhas roubadas de alguma roseira para o fundo da terra. Se você passar por ali neste momento... o risco de teu dia estar comprometido é imenso: eles começam a descrever-te uma por uma as características das 20 mil espécies que existem no Brasil... E se você, por um descontrole qualquer, os chamar de velhos malucos, os mandar se foder ou, se fazendo menção de partir, disser que tem mais o que fazer, eles ainda te ameaçarão com advogados da família e com o Estatuto do idoso...

Um comentário:

  1. http://veja.abril.com.br/blog/veja-gente/eu-odeio-envelhecer-diz-arnold-schwarzenegger-a-veja/

    ResponderExcluir