"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

quinta-feira, 7 de julho de 2016

Nosso "agente laranja"- Ou mais uma idéia de jerico...


"Yo no estoy al servicio de nadie (ni siquiera del pueblo, y menos de sus dirigentes...)"
Rabiscado nos muros de Paris, 1968


Os que são de minha geração devem lembrar-se, e muito bem, de como o mundo reagiu envergonhado e indignado quando, de 1962 a 1971, os soldados norte-americanos, em guerra com o Vietnã, lançaram sobre aquele país e aquele povo mais de 50 milhões de litros de herbicidas e de desfolhantes (agente laranja) com a objetivo de destruir as lavouras e as matas onde se escondiam os soldados vietcongues. 
Independente dos estragos da guerra, essa prática absurda e cretina teve consequências ainda não saneadas no meio ambiente e na saúde da população vietnamita, tais como câncer, problemas respiratórios, psicológicos, de pele e até mesmo congênitos.
Trago essa memória apelativa apenas para mencionar o projeto delirante e irresponsável (de certa forma parecido com aquele) que está em curso aqui no país, projeto que para combater o mosquito Aedes aegypti pretende, usando aeronaves, polvilhar inseticida sobre "alguns  pontos críticos" da "pátria". 
A população, burra e tapada, mas nem tanto, quer saber de quem foi essa idéia de jerico, porque tem certeza de que posta em prática, ela poderá vir a ser mais danosa e muito pior para a saúde em geral do que os estragos provocados pela dengue, a chikungunya e a zika juntas. Imaginem o que acontecerá com a fauna e com a flora!? - dizia-me, boquiaberta, uma maluca que anda descalça pela cidade, com sua tese doutoral sob o braço, com um chapéu panamenho esverdeado e com óculos escuros. Imagine o que acontecerá com as fontes e com os rios, com os grilos e com as abelhas! Com os que tem problemas de pele, problemas respiratórios, oftalmológicos e outras patologias alérgicas. Terão que sair temporariamente do país? 
E o pior: pelo que se sabe,  - completou - é que o inseticida que (se o Ministério da Saúde autorizar) será lançado de aeronaves sobre a população, é o conhecido por todos pelo nome de malathion. Veja como até o nome é suspeito! Sim, malathion é aquela porcaria com que aqueles carros fumacê dirigidos por babacas passam sob nossas janelas esfumaçando tudo, menos os criadouros de mosquitos. Inclusive, segundo a confraria da OMS (Organização Mundial de Saúde) já há evidencias suficientes para saber que esse veneno causa câncer em diversas espécies. 
Não seria mais racional e saudável fazer um pacto de não agressão com os mosquitos? Ou, em último caso, investir em esgotos? Dar um destino mais objetivo e mais humanista aos nossos restos e aos nossos dejetos? 
Enfim, se esse projeto não for abortado a tempo, - concluiu ela - será um escândalo tão absurdo que até os mosquitos rirão e se compadecerão de nossa burrice... Porque, no vietnã.., pelo menos, estavam em guerra, mas aqui, vivemos numa democracia melancólica e num tédio de cemitérios...

Para ouvir a música clicar no canto esquerdo da faixa



Nenhum comentário:

Postar um comentário