"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Feliz e próspero ano novo, babaca! De preferência com as tripas entulhadas de Endosulfan e de outros Metamidofóis...

Para ouvir a música clicar no canto esquerdo da faixa



Ne maudis pas les ténébres, allume ta chandelle!
Citado por Thomas Szasz
(Second pèchè)
 Saiba que enquanto você fica aí com essa pose de babaca mandando bilhetinhos de Feliz e próspero Ano novo a outros babacas como você, um exército de comerciantes, de agricultores e de feirantes canalhas esta pulverizando sobre os alimentos que você servirá e comerá na mítica Noite de Reveillon doses cavalares de pesticidas que já são proibidos há décadas pelo mundo a fora. E que se não te matarem de imediato, pelo menos te garantirão muitas e boas agonias no porvir...
E a mídia? De vez em quando, depois de passar horas a fio exibindo as mansões e as garagens de artistazinhos e de piranhazinhas de merda, a mídia dedica uma ou duas matérias sobre o uso vil e suicida dos metamidofóis e de outros venenos na nossa agricultura, principalmente nos tomates, nas alfaces, nas cenouras e nos pimentões que os vegetarianos (em estado meio zen e meio cataléptico) comem como se através deles fossem atingir a eternidade...
E lá vão os repórteres cumprir a pauta, a mesma pauta que assisto sendo cumprida há meio século: vão ao Paraguay entrevistar comerciantes analfabetos (de onde supostamente viriam clandestinamente os tais venenos). Vão ao interior do Brasil entrevistar agricultores tão ignorantes e tão analfabetos que eles próprios comem a merda envenenada que produzem. Ligam para a embaixada da China, vão às feiras, aos mercados, às clinicas de oncologia, aos asilos... vão examinar a merenda que é dada nas escolas ...
Depois passam horas na ante-sala do Ministro da Saúde (com câmeras, computadores, dicionários, bulas, equipamentos para transplantes), para obter esclarecimentos: Fingem querer saber por quê é que em alguns estados ainda se despejam anualmente 136 litros de veneno por habitante??? O ministro e os burocratas do Ministério simulam espanto e chamam os técnicos da Anvisa, os tais doutores que passaram 8 anos em Londres estudando os efeitos do veneno sobre o fígado e os rins; os gênios do Meio Ambiente; os sábios da FIOCRUZ, um ou outro chefão do agronegócio, os professores da USP, os padres que certa vez já denunciaram que até as hóstias estavam com doses elevadas de veneno... Com todo mundo lá, discutem, "filosofam" sobre a salvação do mundo, se abraçam, trocam piscadelas e promessas, marcam encontros, se cutucam com os joelhos por debaixo da mesa. Bebem um café e comem uns biscoitos (ambos produzidos na clandestinidade), concordam que tudo isso é um horror anti-cristão e uma babaquice vergonhosa, que não adianta ficar tagarelando sobre saúde, sobre a depressão epidêmica, sobre a tremedeira parkinsoniana, sobre o apodrecimento prematuro do fígado, sobre as filas miseráveis e kafkianas de nossos hospitais... sem antes resolver a questão dos alimentos... Chefetes, secretárias e assessoras especiais e escolhidas a dedo entram e saem rebolando, fazem selfie ao lado de um ou outro Don Juan, vão e voltam até o fim dos imensos corredores, vão ao banheiro se olhar nos espelhos e retocar o batom dos lábios (bucais)...
Depois, a pedido dos repórteres, todo mundo se abraça diante das câmeras e lançam aos trouxas uma frase de efeito tipo: Ganharemos esta luta! Ou Que o alimento seja teu remédio! e vão ao restaurante da esquina, (aquele que foi edificado com dinheiro sujo e que cobra 430,00 reais por uma refeição) ouvir Nat Kin Cole e comer as mesmas cenouras, os mesmos pimentões e as mesmas alfaces regadas com o pó Made in Chine que nos chega via Punta del Este e que são comidas diariamente pelo populacho.
Inacreditável!
É uma pena não viver mais uns 5o anos para poder compreender como foi que esse povo chegou a grau tão desprezível de inércia e de estupidez...



8 comentários:

  1. http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2015/04/relatorio-alerta-sobre-riscos-do-excesso-de-agrotoxicos-no-campo.html

    ResponderExcluir
  2. http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/cadernos/regional/multinacionais-do-veneno-fazem-oligopolio-bilionario-no-brasil-1.269149

    ResponderExcluir
  3. E também com o estômago enmpanturrado de sofrimento animal...

    ResponderExcluir
  4. nófa ! A Rogéria tá com peninha dos animais...vai numa savana africana encarar um leão faminto pra ver como os animais são bonzinhos. Com veneno ou não, vamos comer, se não comer, morremos do mesmo jeito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade. E também não hesitarão em matar os filhotes alheios só para copular com a mãe deles. Você também é defensor dessa prática? Aliás, você come cocô? Afinal, coelhos fazem isso. É apologista do estupro? Focas fazem isso…

      Dito isso, é fácil perceber que nós não usamos os animais como modelo de comportamento moral, e de fato, quem faz isso desonestamente sob demanda, está incorrendo em uma falácia grosseira: a falácia naturalista.

      E de qualquer forma, há um enorme abismo moral entre matar por sobrevivência (voltando aos leões), e matar pelo simples prazer do paladar, ainda mais quando botamos na balança as consequências desastrosas da pecuária para o meio ambiente.

      Em resumo, vê se aprende pra não sair por aí passando vergonha: moral ≠ natural.

      Excluir
  5. Você já teve leitores melhores, hein, Ezio. Vide o boçal anônimo acima.

    ResponderExcluir
  6. Tomate mata !
    https://www.youtube.com/watch?v=HMeHr9jPpAw

    ResponderExcluir
  7. https://estilo.uol.com.br/vida-saudavel/noticias/redacao/2017/02/01/insetos-pus-e-tendoes-de-porco-estao-nos-alimentos-e-voce-come-sem-saber.htm

    ResponderExcluir