domingo, 28 de outubro de 2012

O eleitor: idiota ou mau caráter???


Esse período entre o primeiro e o segundo turnos foi mais esclarecedor ainda do quanto esse sistema para escolher os "administradores" é fajuto e do quanto os "eleitores" migram de um polo a outro como putas, sempre e absolutamente movidos pelo estômago ou pela estultícia. Fulano está com X% das intenções de votos, contra Y% do sicrano! - propagandeiam os mais pilantras jornais e os mais interesseiros institutos de pesquisa... E os candidatos, cercados por corruptos e por bandidos por todos os lados, se humilham, se xingam, se acusam, de desqualificam, se denunciam e se ameaçam... Os eleitores ficam, malignamente, só ouvindo. Não encontram a mais mínima diferença entre o X e o Y, sabem que o caráter, que a trajetória e que as intenções de ambos são exatamente idênticas... E que se houvesse um quinto ou um sexto pretendente seria do mesmo perfil e a mesma coisa... Como o voto é obrigatório, votam. Sabem que  essa hipocrisia é universal e que o mundo inteiro é assim... lembram, inclusive, com referência ao velho trauma alemão, que se Hitler tivesse vencido a guerra, todo mundo estaria até hoje murmurando por aí: Ah, que homem genial e bom!!!
Se a dona é costureira, vai votar naquele que lhe prometeu um punhado de agulhas; se o cara é coveiro, seu candidato preferido será aquele que lhe garantiu a gerência do cemitério; se é empresário, quem mais lhe interessa é aquele que jurou isentá-lo de impostos; os mendigos optarão por aqueles que distribuirão sopa e cachaça nas madrugadas; se é publicitário, doará dinheiro àquele que lhe garantir todo e qualquer tipo de contratos; os estudantes vão preferir os que rebaixarem as exigências escolares; os funcionários públicos, darão seu voto aos que prometem reduzir o expediente a duas hora/dia... e assim por diante, na mais fútil idiotia e no mais descarado mau-caráter... uma vez que as massas, ao contrário do que dizem os demagogos, ao invés de serem a voz de deus, costumam ser a lengalenga do demônio! E as ditas campanhas não são mais do que sinônimos de sedução, perversão, de abastardamento, de suborno, de corrompimento, de cooptação, de prostituição. Fulano se deu melhor! Sicrano foi mais agressivo! Segundo a opinião pública fulano levou vantagem! Jogaram um ovo na candidata! Depois do debate os números se inverteram!, blábláblá e etc., etc. Existirá algo mais simplório e mais subumano do que essa lógica e do que esse raciocínio? É como se a história, a ciência, a filosofia e a antropologia não tivessem servido para nada até agora. Uma mentalidade de peões inveterados, tacanhos, avarentos e de oportunistas contamina tudo, só predominando os movimentos que emergem das tripas. A ignorância, a voracidade e a mesquinharia corroem a sociedade de cima a baixo e o sucateamento é geral e visível, não apenas nas engrenagens sociais, mas nos cérebros, nos conteúdos, nas perspectivas... Elegeu-se X! Ou elegeu-se Y! Qual a diferença, seu ilustríssimo babaca?

2 comentários:

  1. Aplausos,caro Ézio!!! Eu que tive a oportunidade, ou infelicidade, sei lá, de transitar pela cúpula do Governo Federal, durante dezessete anos, vi bem de perto a troca dos Governos: de X para Y, de Y para Z, de Z para W; só tenho uma coisa a declarar: - É TUDO A MESMÍSSIMA MERDA, NADA MUDA! Isso porque as diferenças "ideológicas" só existem nas mentes emburrecidas dos fanáticos militantes, porque atrás dos bastidores todos os gatos são pardos; e a tal "CAMADA CRISTALIZADA" constituída pelos balzaquianos e seus afilhados nunca largam o osso, e permanecem em seus "CARGOS ESTRATÉGICOS", articulando aqui e acolá, com X ou Y: verbas, orçamentos, transferências, licitações, recursos, candidatos, empreteiras, conceções, ativo imobiliário, etc, etc, etc...

    ResponderExcluir
  2. MÔNICA PRADO TORRES4 de março de 2015 15:30

    Estava relendo os posts, e vi o comentário acima que eu escrevi sobre o seu texto, Ezio. Creio que em 2012 eu ainda me indignava com a "Coisa Pública", mas agora... Ignoro-a. Cansei de indignar-me a cada notícia, ou a cada percepção, com a "Malandragem da Coisa Pública", e resignei-me... Durante os últimos anos pensei em largar tudo e me aventurar por algum país em que a "vida" fosse mais respeitada, mas não encontrei nada muito diferente do que há aqui, apesar da diversidade cultural e econômica, sem falar que já estou com cinquenta anos... De Norte a Sul, de Oriente a Ocidente, o maior problema do mundo é própria humanidade cujos valores são pautados no dinheiro, e/ou no poder, e/ou no estômago... Meu exílio já dura vinte anos, não creio que suportarei mais vinte, então...

    ResponderExcluir