"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

domingo, 20 de dezembro de 2009

Gorjetas, bacalhoadas, azeites e pugilatos homéricos entre os envolvidos.

Semana natalina. Há filas por todos os lados. A pilha de bacalhau embalsamado nos mercados lembra as pirâmides do Cairo com suas múmias. Que destino miserável o desses peixes! Dos mares do norte para o estômago desses mentecaptos! Um casal briga na fila. A madame quer bacalhau Imperial do Porto. Ele, com uma camisa do Flamengo prefere outro tipo, um subproduto que é vendido em lascas fedorentas e coberto de sal. A briga segue mercado a fora com o bacalhau em baixo do braço. Olhares terríveis. Eufemismos pra cá e eufemismos prá lá. Palavras envenenadas e promessas de uma semana recheada de insultos e de panelaços. A "ceia de natal" e o tiroteio do primeiro dia do ano serão apenas cenários novos para incrementar o desenrolar da guerra. É evidente que a invenção mais absurda do processo civilizatório foi o casal. Esses dois pobres coitados que se uniram por uma fatalidade e que se maltratam sistematicamente até a morte.

Nas ruas e nos balcões todo mundo pedindo gorjetas.

- “Pode colaborar com a caixinha doutor?”
- Doutor um caralho! Se fosse com o caixão...

A palavra “gorjeta” parece ter vindo do francês, “gorge” = garganta. Tratava-se de uns trocados para o escravo “molhar a garganta”. O maior mérito tanto da antiga China como da antiga Cuba (comunistas) foi terem proibido a gorjeta. Costume perverso e pervertedor, engendrado pelo mundo capitalista – recitavam em coro o velho Mao e velho Fidel! Tinham razão. É essa complacência com a gorjeta e com a “caixinha” que vai descambar nos propinodutos e nas Caixas de Pandora.

Ezio Flavio Bazzo

8 comentários:

  1. " Un pourboire, monsieur, s'il vous plait". Donnez moi un petit peu de sa sagesse pour qui je laisse de manger le "bacalhau" aux fêtes de Noel.

    ResponderExcluir
  2. Ezio, realmente é um privilégio ter acesso ao que você escreve; desde os enganos da criação até o chão da semana natalina (exemplo máximo da vulgaridade com que os ditos cristãos "comemoram" o nascimento do Cristo), você mostra como os acontecimentos, bem se vê, poderiam se transformar em um belo capítulo de "Eles por Eles Mesmos".
    Tristeza é o que causam...Mas para lavar a alma tem os olhares escritos de Ézio Bazzo!!

    ResponderExcluir
  3. Semana naftalina.

    ResponderExcluir
  4. ezio. muito cuidado. vc está sendo eleito algum tipo de profeta. ao estilo brian, do monty phyton. hahahahaha

    ResponderExcluir
  5. No natal, ano novo, em qualquer época, o populacho garante a diversão:

    http://www.youtube.com/watch?v=KC0on_LpoMM

    http://www.youtube.com/watch?v=mpEXzHb5Lko

    ResponderExcluir
  6. Faltou o louco dos loucos da direita:

    http://www.youtube.com/watch?v=QxmkJHoRXMU&feature=related

    http://www.youtube.com/watch?v=k-yeX8SWKOQ&feature=related

    ResponderExcluir
  7. Sempre bom voltar aqui e ter o privilegio de consumir suas linhas!

    Bom fim de ano,ô Grande Mestre!

    Tu me manques...!

    ResponderExcluir
  8. Profeta é o caralho voador!

    ResponderExcluir