"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

quarta-feira, 9 de março de 2016

Ainda sobre o dia internacional das mulheres...

Com a comemoração do dia internacional da mulher, festejado ontem, dia 08 de março, viu-se repetir novamente na midia, nos terreiros de macumba e nas delegacias a demonização dos homens e a vitimização das mulheres. Interpretação fútil, leiga, maniqueísta, vulgar, superficial, histérica e extremamente perversa, feita por um cartel midiático de ignorantes e até de acadêmicos e, pior, com a cumplicidade dos especialistas (psicólogos, psiquiatras, psicanalistas e até dos confessores) que, concordando ou não, silenciam diante de tamanha picaretagem. 
É evidente e inegável que por todos os lados há uma violência estúpida, brutal, real e também simbólica contra as mulheres, frequentemente praticada por seus companheiros, maridos, amantes, ex-clientes e etc, assim como há também contra os homens, contra crianças, velhos, cachorros e até contra os deuses... E que às vezes, e com uma frequência nada desprezível, essa  violência é praticada sutil ou descaradamente também pelas mulheres, violência que se não é física e real, o é simbólica e psicológica, tão deletéria e destrutiva quanto a primeira. Portanto, para não distorcer a realidade, para não seguir mantendo as multidões na estupidez, na alienação e no engano e para não atiçar ainda mais os instintos malévolos entre os gêneros, sempre que se for discutir a violência matrimonial, doméstica ou amorosa, é bom falar no plural. Os profissionais acima mencionados treinados e dedicados a ouvir as queixas e as misérias matrimonias que ocorrem na solidão das alcovas e dos "lares", apesar do torpor e da omissão, sabem muito bem ao que estou me referindo e que não há ali nenhuma vítima e nenhum inocente, já que, não é novidade para ninguém, que o casal é quase sempre a união de dois neuróticos ou de dois náufragos.
Uma curiosidade que me foi lembrada pelo mendigo K.: Observe -me disse ele, falando sobre as agressões domésticas - como no mundo há praticamente só viuvas. Os homens 'entregam os pontos' e 'vão para o saco' uns dez anos antes...
Depois me lembrou da declaração de Nise da Silveira, aquela  respeitosa e conhecida psiquiatra brasileira que também foi aluna de C. Jung:
"O homem é mau, mas a mulher é perversa. A mulher sabe ser ruim como o demônio. Uma mulher engana o diabo. Duas enganam o inferno inteiro..."

5 comentários:

  1. Noutro dia um amigo contando sobre uma parente, que se separou, foi morar com outra e vive apanhando dessa outra. Isso ninguém conta na televisão.

    ResponderExcluir
  2. Noutro dia um amigo contando sobre uma parente, que se separou, foi morar com outra e vive apanhando dessa outra. Isso ninguém conta na televisão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/mundo/2016/03/10/interna_mundo,521498/esposa-arranca-os-testiculos-do-marido-porque-ele-nao-queria-ajudar-em.shtml

      Excluir
  3. http://www.granma.cu/todo-salud/2016-03-13/violencia-contra-la-mujer-un-problema-de-salud-13-03-2016-23-03-02

    ResponderExcluir
  4. http://blogs.correiobraziliense.com.br/nqv/marido-perdoa-mulher-que-arrancou-os-seus-testiculos/

    ResponderExcluir