"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

terça-feira, 5 de junho de 2012

Viagem au fundo da noite...


Sempre que passo por este país, venho aos cafés da cidade universitária para checar quem dos antigos conhecidos ainda vive por aqui e quem já bateu as botas, foi repatriado etc. Desta vez só encontrei o M., um fodido do Oriente Médio que certo dia, no auge de sua loucura e de seu desespero de refugiado me enviou cinco ou seis páginas com uma suposta “formula” inventada por ele que desvendaria todos os mistérios da mente e salvaria o mundo... 


Já está prá lá de senil, com uma barba que lhe tapa a fachada inteira e com pêlos que brotam do nariz e dos ouvidos como bromélias. Lia e relia o mesmo parágrafo do livro Voyage au bout de la nuit e quando soube que dali a pouco eu embarcaria para Lhasa, fez aquela expressão de desprezo tão típica e tão presente na senectude e em seguida murmurou esta frase que, com certeza, será a aquisição mais valiosa de toda minha viagem.


 “A marcha das formigas um dia fará desaparecer as pedras sobre as quais elas passam...”

Um comentário:

  1. No Tibet??? Que chic é você, Ezio Flávio Bazzo!! Boa viagem e feliz regresso!! Abraços

    ResponderExcluir