"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Brasília 50 anos: A urbe e o chouvinismo 1.

As caixas de som estremecem os ministérios.

Quem vai na lábia das mídias e dos espertalhões acaba acreditando que a festança é mesmo uma genuína manifestação popular de gratidão e de afeto para com a urbe, para com a vila, para com a cidade e sua gente.

Pura propaganda e pura manipulação das massas.

No meio dessa pajelança chouvinista locupletam-se secretamente  - e muito -  as mesmas panelinhas e os mesmos puxa-sacos.
Talvez realmente falte um índio no poder...

Nenhum comentário:

Postar um comentário