domingo, 27 de março de 2011

A MAGIA DO RAPÉ ou a transição do pó preto para o pó branco...

Apesar de ter sido rápida a transição do pó preto para o pó branco, muita gente, e de todas as idades e sexos, ainda vem religiosamente aos sábados de manhã comprar suas latinhas de rapé aqui na Feira Livre de Sobradinho. Com tipo de forasteiro paga-se dois reais a unidade, com trejeitos locais 1,40. Mesmo no meio de todo esse atraso e medievalismo alguns já passam o produto para suas caixinhas fashion, quase sempre de prata, e dão logo umas boas cheiradas aqui mesmo. Se o produto é de qualidade explodem de imediato dois ou três espirros e lá se vai o bacilo de Kock livremente para a feira. Se não é grande coisa o sujeito dá umas fungadas daqui, outra dali e sai meio decepcionado coçando o saco pelos labirintos do lugar. Comprei cinco latinhas de marcas diferentes, mas havia pelo menos umas dez. Rapé Imburana, Dama da Noite, Cacitral, Moeda, Pai-João etc. No rótulo está tanto a proibição da venda para menores de 18 anos como o CNPJ e a informação de que todos são produzidos em MG. A velhinha trêmula que os negociava abriu latinha por latinha e as aproximou de meu nariz para propagandear e convencer-me da qualidade do pó. Seus benefícios – segundo ela - vão desde a cura do sinusite até ereções fulminantes, sem falar, claro, de seu potencial sagrado. Fez menção ao Rapé Santo Daime e ao Rapé Maria Concebida quatro vezes, estes, inalados em rituais especificos e todos esgotados. Os fanáticos por Machado de Assis conhecem (ou então não são fanáticos) a comédia Bote de rapé onde o autor faz uma apologia de seu uso num texto mais ou menos assim:

Elisa – Ah, esse vício tão feio! Antes fumasse…
Tomé – O vicio do rape é vicio circunspecto. Indica desde logo um homem de razão. Tem entrada no Paço e reina no salão. Governa a sacristia e penetra na igreja. Uma boa pitada as idéias areja e dissipa o mau humor. Quantas vezes estou capaz de pôr abaixo a casa toda! Vou ao meu santo rapé, abro a boceta e tiro uma grossa pitada e sem demora a aspiro. Com o lenço sacudo algum resto de pó e ganho só com isso a mansidão de Jacó.


Nos tempos áureos das monarquias e das novas repúblicas era até esnobe dar umas cafungadas nos salões das cortes. Dizem que Napoleão cheirava uns 7 quilos por mês. Mas havia também muita repressão a respeito: Em 1624 - por exemplo - o Papa Urbano VIII declarou excomungáveis aqueles que usassem o pó, pois o espirro era considerado pela igreja um verdadeiro êxtase sexual. Um dos tantos czares russos também declarou pecado mortal aspirar o rapé e castigava os transgressores com a mutilação do nariz. Por incrível que pareça, até o Velho Mao Tsé Tung, depois da revolução de 1949, proibiu esse hábito que, entre nós, está mais vivo do que nunca...
a tal história da ereção provocada pelos espirros (sutilmente insinuada até por Machado de Assis) parece não ser balela ou folclore não, pois todo mundo (homens e mulheres) sabem, por experiência própria, que quando se espirra há involuntariamente, mesmo que fugidio, um tsunami, um tesão e um sobressalto na região das armas, o que, quem sabe, pode ser o primeiro empurrão para o tão propalado "despertar" .

30 comentários:

  1. Excelente matéria Ezio. Meu nome é Mário PC. Sou músico e adoro rapé. Forte abraço.

    ResponderExcluir
  2. Adoro RAPÉ PAI JOÃO ele me dá muito animo e disposição e realmente ocasiona um TESÃO enorme! abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, sou de São Paulo, Capital, sabe onde posso encontrar esse rapé? Henrique tel (11) 99195-5906 henrique@abyaraonline.com.br

      Excluir
    2. onde posso encontrar o rape pai joao ? me deram uma latinha mas acabou, alguem me ajude.

      Excluir
    3. quanto custa uma latinha para o cep 58800-540 ?

      Excluir
  3. to querendo comprar, tem ai?

    ResponderExcluir
  4. RApaz eu me amarro no rapé
    sou do Céu Azul Valp. de goiás
    só tomos umas geladas com rapé do lado
    ha e detalhe e cheiro no canudo com carreira pra cada narina..
    ai sim é uma maravilha
    ecstase total e o prazer nem se fala.....

    ResponderExcluir
  5. rapé é massa! curto de montão! sou do guará-df e vou a feira comprar e já saio de lá espirrando é prazeroso demais! #RAPEZEIROS

    ResponderExcluir
  6. TENHO RAPÉ DA LINHA DOS YAWANAWÁS à VENDA... RAPÉ DA LINHA INDÍGENA, é UM RAPÉ DE CURA.. UMA MEDICINA DA FLORESTA (TABACO + TSNU) rapé bom, rapé forte.. interessados manda um email para mim ae... que podemos enviar para vc...
    ocadoacai@gmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Paulo, me oriente como comprar. Abs Henrique (de S. Paulo, SP) henrique@abyaraonline.com.br

      Excluir
    2. Tbm gostaria de conhecer esse rape das tribos como fazer...

      Excluir
    3. Qual é esse seu? Quanto tá a lata? O que to usando e um da lata azul escrito RAPÉ DU BOM, o melhor rapé do Brasil, nunca tinha usado rapé, esse foi o primeiro, e é só encostar que começa os espirro ashuahau

      Excluir
    4. Qual é esse seu? Quanto tá a lata? O que to usando e um da lata azul escrito RAPÉ DU BOM, o melhor rapé do Brasil, nunca tinha usado rapé, esse foi o primeiro, e é só encostar que começa os espirro ashuahau

      Excluir
    5. Qual é esse seu? Quanto tá a lata? O que to usando e um da lata azul escrito RAPÉ DU BOM, o melhor rapé do Brasil, nunca tinha usado rapé, esse foi o primeiro, e é só encostar que começa os espirro ashuahau

      Excluir
    6. Qual é o que você vende, quanto é, to usando um da lata azul escrito, rapé du bom, melhor rapé do Brasil

      Excluir
    7. Qual é o que você vende, quanto é, to usando um da lata azul escrito, rapé du bom, melhor rapé do Brasil

      Excluir
    8. Quanto vale o kg ??? Quero compra se não for muito caro

      Excluir
  7. ola boa tarde ostaria de saber de como comprar esses rape´pois aqui na minha regia o rape nao tem qualidade agradeço e aguardo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc pode fazer, é só comprar o fumo de rolo, torrar é socar ou moer,é depois é só cheirar. VALEU.

      Excluir
  8. rapé e espingarda, duas coisas do passado que curto demais... e não faz mal se usar direito!!!

    ResponderExcluir
  9. onde compro o rape indigina tsunu aqui em brasila df meu end hotmail e binho1933@hotmail.com

    ResponderExcluir
  10. ola boa tarde sou de coronel joão pessoa RN gostaria de saber como comprar esses rapé pois aqui na minha região nao tem agradeço e aguardo ateliudosouza@hotmail.com

    ResponderExcluir
  11. Alguem que souber peço por finesa me passar o endereço onde comprar o rapé dubom o mais rapido possivel

    ResponderExcluir
  12. gosto d rape rape bom d se usar e imburana

    ResponderExcluir
  13. O rapé mentolado Aracazinho é ótimo. Também recomendo o achocolatdo Guarani e o de cravo da mesma marca - Porém, não recomendo os da marca Moeda...

    ResponderExcluir
  14. Só uma sugestão aos diletos fãs: Usem lenço vermelho, pois ao lavar não fica a mancha do tabaco (não sei porque). Nos tempos de D; Pedro II, os nobres, usavam lenços carmesim da Antuérpia por essa mesma causa, mas qualquer lenço vermelho basta.

    ResponderExcluir
  15. O chato dos politicamente incorretos é que escolhem ao alvos entre os menos poderosos ou aqueles que não agradam à classe média, o público-alvo desses livros. Torna-se, em vez de crítico, apenas mais uma forma de ficar do lado dos mais fortes. È engraçado como os velhotes que gostam desses livros e os citam se acham uma espécie de aristocracia. Não é o que Aristóteles ensinou: O nobre é tolerante com o fraco e severo com o forte; o que faz o contrário é VULGAR. Mas aqui se acham superiores ao...VULGO...Resta-lhes torcer por Donald Trump...

    ResponderExcluir
  16. desde argentina cordoba interesante sus palabras. Pero hay una realidad que nos cuesta entender sobre todo la matanza del conocimiento, el rape lleva su nombre por los europeos que llegaron a tierras americanas, usurparon y robaron el poder, tabaco cacao, sucede que para adentrarse en lo milenario de los usos y costumbres había que respetar la vida, no lo hicieron de ahí la maldicion.
    nunca entenderemos tantas cosas porque ya no quedan esas cosas se fueron como ese tabaco por la nariz...
    en mi provincia los nativos cuando sintieron llegar los europeos se quemaban unos a otros, se arrojaban de montañas.
    El dolor de vivir en tierras ocupadas y llevar dentro de uno el la marca del asesino..

    ResponderExcluir
  17. antonio boher:
    estas reloco, con todo respeto

    ResponderExcluir
  18. em bh qualquer latinha de rapé é R$1 tem para todos os gostos

    ResponderExcluir