"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

O BEIJO DA RUA - Filha, mãe, avó e puta.

Morreu ontem no Rio de Janeiro Gabriela Leite, autora do livro Filha, mãe, avó e puta. Seria cabotinagem de minha parte dizer que fui seu amigo, mas que em duas ou três ocasiões, lá na longínqua década de 80, tomamos uns bons tragos juntos, tomamos! Fui seu convidado de desonra na noite do lançamento do primeiro número do jornal O beijo da rua, na Boate Dominó. Era puta e uma das mulheres mais honradas que conheci. Teve a lucidez quase precoce de fazer exatamente o contrário do que muita gente grãnfina faz: trocar a sociologia pelo trottoir. A PUC ou a USP trocadas sabiamente pela zona e pelas ruas nos arredores da Lapa! 
Sabia da pequenez e dos delírios sexuais masculinos, bem mais do que os doutores por aí que ficam arrotando especialidades e saberes que vão de Fritz Kahn a Lacan. E claro, conhecia os abismos e as ambiguidades da "alma" feminina como ninguém. ("alma", aqui, todo mundo entende, é metáfora de xota). Enfim: bateu as botas. Parafraseando os hipócritas e os demagogos de sempre: com sua morte, o país ficará mais broxa!

Abaixo alguns mandamentos de seu evangelho, para as interessadas:


[...Serás discreta. Jamais apontarás um homem na rua e dirás que ele é teu cliente]
[...Não beijarás na boca. Beijo na boca é afetivo. Só o darás a quem quiseres].
[...Não terás cafetão. Não cairás nesta cilada, sob pena de acabares na sarjeta].
[Não revelarás a fantasia do próximo. A fantasia do teu cliente é secreta e sua identidade jamais poderá ser violada].
[...Não te apaixonarás pelo teu cliente].
[Não sairás da zona para morar com o cliente].
[...Terás ética].
[...Cobrarás. Dentro da zona jamais poderás receber um cliente sem que ele pague por teus serviços].
[...Desconfiarás da cafetina. Por mais que a dona da casa seja boazinha, não poderás ficar na mão dela].
[...Terás orgulho de tua profissão].

Obs: texto para ser lido ouvindo a música de Villa Lobos do post abaixo.

4 comentários:

  1. É uma pena que muitas das meretrizes de hj não sigam os bons conselhos listados, principalmente o último.

    ResponderExcluir
  2. Ótima oportunidade de ouvir o Wander Wildner tb enquanto releio o post...

    http://letras.mus.br/wander-wildner/134840/

    Damas da Noite (Wander Wildner)

    Eu vejo mulheres na chuva da noite,
    entregando seus corpos pra qualquer um
    À velhos e gordos mais podres que a noite, que a noite
    Encostadas nos postes, nas rodoviárias
    sentadas nas sujas sarjetas da Osvaldo
    Entregando seus corpos pra qualquer um, qualquer um
    Eu admiro as mulheres que usam seus homens
    Fazem de tudo o que querem por dinheiro ou prazer
    As duas da tarde, cinco da manhã
    no carro, na cama, em qualquer lugar
    Sempre a postos pra saciar alguém, alguém
    Eu admiro as mulheres que usam seus homens
    fazem de tudo o que querem por dinheiro ou prazer
    São maquinas de sexo e de prazer
    é tudo tão fácil pra você gozar
    Estão sempre prontas pro que vier, quem vier
    Eu admiro as mulheres que usam seus homens
    fazem de tudo o que querem por dinheiro ou prazer

    ResponderExcluir
  3. Pra quem não viu olha ela aí:

    http://www.youtube.com/watch?v=K4eOEZ24JCE#t=241

    ResponderExcluir
  4. http://www.umbeijoparagabriela.com/?page_id=293

    ResponderExcluir