sexta-feira, 30 de setembro de 2016

O mendigo K. disfarçado de gari...

Acabo de presenciar o mendigo K. disfarçado de gari que abordava os clientes de um restaurante, todos já instalados em suas mesas, o guardanapo enfiado na gola da camisa e dando as primeiras garfadas. 
- Uma ajuda por favor! 
No momento em que o vi estava falando com uma senhora japonesa que, com toda a "calma" nipônica, depositou os talheres sobre o prato para ouvi-lo e ofertar-lhe uma moeda de vinte e cinco centavos. Em seguida, presenteou-lhe também com uma espécie de santinho, patuá ou de escapulário da Seicho No- Ie. Ele embolsou os 25 centavos e pegou o presente com a ponta de dois dedos, quase com nojo (como quem pega uma borboleta pelas asas), levou-o para perto dos olhos, rio com um descarado cinismo e lançou-lhe, sem gratidão e sem piedade, esta frase: "A vida finda ali onde inicia o Reino de Deus!"

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

SOMOS TODOS OPERÁRIOS! Ou: mais uma... querendo voluntariamente fazer parte da Colônia Penitenciária...


"Un citoyen qui donne son travail pour de l’argent se dégrade au rang des esclaves".  Paul Lafargue (Ou, como diria Arthur Schopenhauer: "O domingo representa o aborrecimento e os seis dias da semana, a miséria...")




quarta-feira, 28 de setembro de 2016

O mendigo K. e o sabbat...

Nesta quarta-feira de sol e de primavera encontrei o mendigo K. tomando um ônibus para ir a uma chácara aí pela periferia, onde vivem dezenas ou até centenas de místicos e esotéricos. Como ontem à noite houve um incêndio próximo daqui, levava numa garrafa transparente quatro punhados de cinzas daquele sinistro. Parecia meio alterado, como se tivesse fumado um baseado ou dado umas fungadas em cocaína. Todo mundo sabe que nessa chácara vivem horoscopistas de todas as idades e de ambos os sexos, ioguis, macrobióticos, hare-krisnas, cardecistas, discípulos de Cristo, de Rajnesh, de Madame Blawatsky de Chico Xavier, de Gurdief, do Reverendo Moon, do Padre Cícero, de Madre Teresa de Calcutá, de Jung, de Cagliostro, de São Cipriano, de Lacan, de São Francisco de Assis, do Mestre Eckhart, do Santo Daime, de Lutero, de Paganini e outros que ele dizia não se lembrar naquele momento. Levava apenas uma mochila com a tal garrafa dentro, alguns legumes, uma partitura de Le streghe e um cachimbo. O ônibus estacionou no box número 19 e antes que eu lhe perguntasse algum detalhe do Sabbat, jogou a mochila para dentro dele por uma janela e me recitou um texto de Nietzsche que está na página 184 de A Gaia Ciência: Olhe aqui, seu babaca - me disse -: O segredo para colher uma existência mais fecunda e uma maior fruição da vida é viver perigosamente! Construí vossas cidades perto do Vesúvio! Enviai vossas naus aos mares inexplorados! Vivei em guerras com vossos semelhantes e convosco mesmos! Sede saqueadores e conquistadores, enquanto não puderdes ser dominadores e proprietarios, vós que procurais o conhecimento! Logo passará o tempo em que vos satisfareis em viver escondidos nas florestas como veados apavorados!” O motorista acionou o motor e partiu...



terça-feira, 27 de setembro de 2016

Em Cartagena (a cidade mais fascinante da América latina), as Farc e o governo colombiano "fazem as pazes"...






A encenação e o teatro entre Trump e Hillary...

"... A extravagância ostensiva dos milionários do fim da Era Vitoriana - exemplificada pelo famoso jantar da Sra. Stuyvesant Fish em homenagem a seu cachorro, que chegou usando uma coleira de 15.000 dólares, cravejada de diamantes..."
(página 37 do livro de Francis Wheen: Como a picaretagem conquistou o mundo).

Quem assistiu ao debate de ontem entre a Hillary e o Trump se já não havia perdido as esperanças na espécie, no ser humano, na política e na raça, as perdeu naqueles setenta ou oitenta minutos. Qualquer pessoa que consiga entender uma frase e enxergar meio palmo além das palavras, das trambicagens e das aparências já decretou para si mesmo que somos uma espécie falida, um projeto improvisado que não deu certo. Que houve um erro na Criação ou na Origem. Que estamos condenados (com armas nucleares ou com bordunas, com ábaco ou com internet) a seguir através dos séculos fazendo apenas a manutenção do supérfluo, do banal, do pueril, da malignidade e da mediocridade. Em outras palavras: que o livre arbítrio do qual os pastores, os padres, os macumbeiros, os crentes e outros bobalhões gostam de falar se resume apenas à "liberdade" de escolher entre uma pasta Colgate ou Kolynos, entre um republicano e uma democrata, entre uma "socialista" e um "liberal", entre uma dona de casa e um porco chauvinista. Entre um molho à Marinara e um a Pomodoro.  Bah! Que miséria!

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

A última refeição de Sacco e Vanzetti e de outros condenados à morte nos EEUU...


Sacco e Vanzetti

As últimas refeições de 12 detentos do corredor da morte

Confira as últimas refeições de 12 detentos do corredor da morte, recebidas antes do cumprimento da sentença. Nos 31 estados americanos que empregam o uso da pena de morte, os prisioneiros estão autorizados a solicitar uma refeição especial antes de morrerem. Não há fotografias publicadas dessas refeições. Então, Henry Hargreaves, um fotógrafo de alimentos de Christchurch, Nova Zelândia, decidiu recriar os pedidos para dar vida a essa prática. Ele disse ao Business Insider: “Depois de uma árdua pesquisa, encontrei um registro público das refeições finais. Pela primeira vez, essas pessoas foram humanizadas. Penso que esse trabalho é muito poderoso, que através dos alimentos, fui capaz de compreender essas pessoas como seres humanos.”
“Não se sabe se as refeições são servidas em pratos de plástico, porcelana, se eles comem com o prato no colo ou numa mesa de madeira, por isso tentei explorar todas essas variações.”
Matilda Long


Victor Fegeur
Victor Fegeur foi morto por injeção letal em 1963 por sequestro e homicídio. Ele tinha 28 anos. Sua última refeição foi uma azeitona com caroço. (Henry Hargreaves)


John Wayne Gacy
John Wayne Gacy cometeu estupro e foi culpado de 33 assassinatos. Sua última refeição consistiu em 12 camarões fritos, um frango KFC, batatas fritas e meio quilo de morangos. Ele recebeu a injeção letal em 1994, quando tinha 52 anos. (Henry Hargreaves)


Timothy McVeigh
Timothy McVeigh, de 33 anos, matou 168 pessoas em um ataque terrorista. Antes da injeção letal ser administrada em 2001 ele solicitou duas taças de sorvete de chocolate com menta. (Henry Hargreaves)


Ricky Ray Rector
O assassino Ricky Ray Rector comeu bife, frango frito e suco de morango em sua última refeição (1992). Ele também pediu uma torta de nozes, mas não a comeu, dizendo que ia “guardar para mais tarde”. Ele tinha 42 anos quando foi morto. (Henry Hargreaves)


Stephen Anderson
Stephen Anderson foi condenado à morte aos 49 anos após cometer roubo, agressão, fuga da prisão e assassinato. Sua última refeição foi servida em 2002: um copo de queijo cottage, milho, rabanetes, torta de pêssego e sorvete de chocolate. (Henry Hargreaves)


Ted Bundy
Ted Bundy foi morto em 1989, aos 43 anos, em uma cadeira elétrica na Flórida, após cometer estupro, fugir da prisão e responder por 35 acusações de assassinato. Ele se recusou a fazer um pedido, então recebeu uma última refeição “tradicional”, com bife, ovos, batatas fritas, torradas com manteiga e geleia, leite e suco. (Henry Hargreaves)


Angel Nieves Diaz
Depois de cometer assassinato, sequestro e assalto à mão armada, Angel Nieves Diaz foi condenado à morte por injeção letal, aos 55 anos em 2006. Diaz recusou sua última refeição. (Henry Hargreaves)


Ronnie Lee Gardner
Ronnie Lee Gardner comeu uma lagosta em calda, um bife, uma torta de maçã e sorvete de baunilha enquanto assistia ‘O Senhor dos Anéis’. Ele cometeu roubo, assalto à mão armada e dois assassinatos, sendo morto por fuzilamento em 2010, aos 49 anos. (Henry Hargeaves)


Allen Lee Davis
Allen Lee Davis, que cometeu triplo assassinato, comeu uma lagosta em calda, batatas fritas, camarão frito e ostras com pão de alho e cerveja. Ele foi morto na cadeira elétrica em 1999, com 54 anos. (Henry Hargreaves)


Teresa Lewis
A assassina Teresa Lewis tinha 41 anos quando foi morta por uma injeção letal em 2002. Sua última refeição foi frango frito, ervilhas na manteiga, torta de maçã e refrigerante.


Fernandino Nicola Sacco e Bartolomeo Vanzetti
Fernandino Nicola Sacco e Bartolomeo Vanzett, foram condenados por homicídio, com idades de 36 e 39 anos, respectivamente. Ambos morreram na cadeira elétrica em 1927 e ambos pediram sopa, um bife, torradas e chá em suas últimas refeições. Um juiz decidiu que eles foram julgados injustamente e o caso ainda está aberto. (Henry Hargreaves)


Ronnie Threadgill
O assassino Ronnie Threadgill comeu frango assado, purê de batatas, legumes, ervilhas doces, chá, pão e água antes de receber a injeção letal em 2013, com 40 anos de idade. (Henry Hargreaves)