"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

quarta-feira, 11 de julho de 2018

Outro texto de Campos de Carvalho...


[... Comprei logo um televisor a cores, último modelo, para pelo menos ter todo o Universo dentro de casa e imbecilizar-me de uma vez...] página 119

"O óbvio deixo-o para os que se deliciam com pão e queijo - e, em seus arroubos, com pão de queijo: os excessivos. Com os seus cinemas e televisores eles se darão por civilizados e o são realmente: o cuco dos seus relógios lhes lembrará a cada meia hora que a vida é breve como o sopro de um asmático ou mesmo de uma corneta, e à custa de vitaminas eles vão levando esse arremedo de vida até a meia-noite, quando apagam a luz e continuam dormindo. Comportam-se como um dique com sua comporta, exemplares em tudo e até como defuntos (a força do hábito) e seus conceitos ou preconceitos colecionam-nos como borboletas pregadas em caixas de vidro tal qual nos museus.
Os amadores do óbvio!
De posse de minha cornamusa inflarei os pulmões e expelirei bufando - eu, bufo - todo o meu sarcasmo de anos e anos de expectativa e angústia; diante de mim a imagem viva daquele Pássaro morto, tocado de mistério e ao mesmo tempo motivo de júbilo, de "Ahs!"e "Ohs!"como um sol noturno" página 101.



Um comentário: