"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Duas páginas do Manual para turbinar seu masoquismo... (e suas desgraças...)



"Faz muito tempo que você, masoquista ordinário, procura expiar suas culpas através de meios aleatórios. Faz muito tempo que para conseguir auto-punir-se você tem tido que contentar-se com angústias mal concebidas, com punições hesitantes e com torturas inoperantes, isto porque neste domínio até a ciência oficial ainda esta num estágio amador.
Pois bem, os tempos da ignorância acabaram! Eis aqui, finalmente, um manual que te atenderá plenamente. A primeira pesquisa sistemática da arte de torturar-se e de humilhar a si mesmo. Desejamos modesta mas vivamente, que através destas páginas você possa encontrar a inspiração e os instrumentos indispensáveis para levar uma vida verdadeiramente massacrante, miserável e desprovida de sentidos..."
Dan Greenburg

ÍNDICE PRINCIPAL
1. Técnica de base para se torturar;
2. Sete situações clássicas geradoras de angústia; 
3. A procura do sofrimento: no passado, no presente e no futuro;
4. Como perder seus amigos e levar o mundo às costas;
5. Como perder seu trabalho;
6. Como evitar verdadeiras relações amorosas;
7. Como destruir uma verdadeira relação amorosa;
8. Como perder os poucos amigos que lhe restam.

Para quem estava destinada a maleta do africano da Guiné Equatorial???... E aquele relógio cravejado de diamantes???


"Porque la pobretería no tiene sus parajes ni sitios propios. Y porque la pobretería vive a expensas de la locura y esta a costa de aquélla..."
J. Moreno Villa


A curiosidade é geral. 
Todo mundo movido ou por instintos antropológicos, ou pela ganância, ou pela inveja, esta querendo saber a quem estava destinada a mala do vice-presidente da Guiné Equatorial, recheada de dólares e de outras preciosidades que foi apreendida ontem pela policia no aeroporto de São Paulo...  E a curiosidade maior da população esta voltada para um dos relógios do ilustre senhor, relógio que, segundo a polícia, esta cravejado de diamantes. Observem como o valor do relógio (ou de outras merdas) que o sujeito leva no braço ou no pescoço é sempre proporcional à sua pequenez e à sua imbecilidade... 
Viria financiar a campanha de alguém? Caixa 1? Caixa 2? Caixa 3? Seria uma das últimas parcelas à Beija-Flor? 
Pensava-se em comprar uma meia dúzia de Habeas Corpus?, ou o cara seria apenas mais um maníaco? Um novo rico delirante? E que estava disposto a simplesmente gastar tudo por aí em noitadas tropicais com duas ou três de nossas cristãs e cordiais senhoritas no colo?  Seja o que for, apesar de seu pai ser o chefão daquele país, é provável que sua volta para lá não tenha sido muito tranquila. Ao invés de Malabo, deve ter feito um pouso emergencial no Gabão... (Abaixo, a música da Beija-flor, com seus mendigos e seu 'humanismo', bancada com a penúria e o dinheiro de la Mama Africa) 
E la nave va... 

sábado, 15 de setembro de 2018

Realmente, a estupidez é um transtorno de caráter...




Todos se lembram que nas duas últimas semanas de agosto aconteceu aqui em Brasília, a 4a. Bienal do livro e da Leitura e que os organizadores, a polícia e outras forças transcendentais, por pura burrice, não permitiam que se estacionasse na avenida que fica em frente ao local do evento, causando um transtorno incompreensível aos visitantes e um prejuízo imenso ao evento. Pois bem, hoje foi a vez da abertura do 51 Festival de Cinema de Brasília, ali no Cine Brasília, EQS 106/107.
Quem tentou chegar lá para assistir o filme das 21:00 horas (Los silencios), não conseguiu, a não ser que tenha ido a pé ou a cavalo. 
O motivo? Impossível estacionar. 
Tudo por lá está em reforma e interditado. 
Quatro burocratas engravatados orientavam os motoristas a irem estacionar na 902 (Colégio Dom Bosco a uns vinte minutos dali) e que de lá para o Cine Brasília seriam transportados gratuitamente por um carro do governo. E que depois do filme, seriam gentilmente levados de volta para onde estavam seus respectivos carros ou suas respectivas carruagens... Acredite! Faça um esforço para acreditar! Isto não é literatura barata é a mais descarada comprovação de que a burrice foi além do previsível e que agora chega a se confundir com um transtorno de caráter... 
Como não sou lá um grande admirador dessa arte, (tudo nela me parece falsificado e ordenado 'texto, imagens e música' apenas para hipnotizar e atordoar o rebanho lá na media-luz no fundo da sala e louco para ser iludido enquanto se atraca com um saco de pipocas) voltei para casa enfurecido.., sim, enfurecido.., mas não o suficiente para deixar de querer saber o que aconteceu com essa gente? Por que fazem de tudo para prejudicar a si e a seus projetos? 
Seria uma pandemia de masoquismo? O que fizeram com o bom senso e com a estética instintiva? Não querem pensar? Ou não conseguem pensar? Estariam necrosados? Fumaram, beberam ou comeram demais? Quê porra é essa?
Se na semana passada, com aquela idiotice na Bienal do livro eu me questionava se os livros teriam servido para alguma coisa, agora, diante de estupidez semelhante, é inevitável me questionar se o cinema (por mais revolucionário que se considere), tem realmente servido para algo? Bah!!! 
Desse jeito corremos seriamente o risco de nos assemelharmos a aquele esbirro de Hitler que dizia: 'quando ouço falar em cultura, vou logo sacando minha arma!"
E la nave va...





sexta-feira, 14 de setembro de 2018

Wendy McNeill...

As eleições, o bagual de Dario I... e o bem supremo...

Neste período cômico e de fraudes que antecede as eleições para presidente da república, quando se deve assistir diariamente a um show de metamorfoses, de imposturas, de falsificações, de pantomimas, de estulticia, de rapozices, de teatro amador e de tudo o mais, é relaxante lembrar com que truque Dario I, lá pelos anos 550 a.C conseguiu se eleger Imperador da Pérsia.
Às vésperas das eleições - diz a história - os seis ou sete candidatos daquele fim de mundo se reuniram e combinaram que o eleito seria aquele cujo cavalo relincharia primeiro. Um servo de Dario ao ouvir o combinado, correu umedecer as mãos nos genitais de uma égua em cio e, na hora marcada, friccionou os dedos nas narinas do bagual de seu patrão e candidato que não apenas começou a relinchar, mas que saltou para fora do 'estábulo' e etc. Dario, conforme o combinado, foi empossado imperador...
Não lhes parece um bom método, ético e justo para eleger também o nosso pseudo imperador? Um método que, além de poupar a população dessa babaquice toda e de lhe proporcionar um toque erótico, ainda garantiria às massas a ilusão de estar ardentemente colaborando com o summum bonum... da politicagem e da existência...

Podolatria, parafilia, fetiche... Ou quase um orgasmo... (Ah, esses argentinos!!!)



https://veja.abril.com.br/blog/mundialista/igreja-em-crise-apocalipse-fim-dos-tempos-onze-de-setembro/

quinta-feira, 13 de setembro de 2018

Do calor, dos urubus e de Manaus...

E a cidade continua uma fornalha... Bem que Niemeyer, Lucio Costa, JK e outros ideólogos deste Hades, tinham suas coberturas lá no Leblon ou arredores... 
Nos desertos, pelo menos, o sujeito se distrai com as serpentes, com as miragens e com as dunas que as ventanias vão mudando de lugar... Mas aqui é diferente... pelo que tenho  visto o populacho e mesmo a elite burocrática já está até perdendo o medo das labaredas do inferno, estão cada dia mais convictos de que por lá, ao contrário do que se diz, as coisas podem ser até mais agradáveis e frescas...
E com esse calor, até os urubus estão ficando atrevidos, menos medrosos e pousando no umbral das janelas, sobre as lápides do Campo da Esperança, sobre os carros, nas lixeiras, nas portas dos mercados...  no telhado dos hospitais e até sobre os minaretes das catedrais... Ontem um radialista explicava que a aproximação desses bichos se deve aos inúmeros vendedores de ovos que nos últimos tempos (com o desemprego) se instalaram por aí, nas esquinas. Mas ovos? Não são lagartos! Sim, ovos!, e vendidos não a dúzias mas a centenas... E as galinhas? E o colesterol? 
Os esotéricos e os supersticiosos em seu entusiasmo fanático já andam com velas, escapulários e água benta nas bolsas prontos para ludibriar algum mal, já que para eles estas aves nojentas podem ser um sinal de mau agouro
O mendigo K, entre um trocadilho e outro, relatava a uma senhorita estrangeira que quando viveu no Amazonas (época delirante dos seringais) na Rua Igarapé de Manaus, na maior penúria e no meio das mais surrealistas intempéries, dormindo em rede, comendo macarrão e carne Swift enlatada a vácuo durante meses, todas as manhãs aparecia na janela de seu cortiço um ou dois desses urubus... e que apareciam lá para saudá-lo, para resmungar um mantra, para convidá-lo a ir dar um mergulho nas águas da Ponta Negra... Grosnavam, se espreguiçavam, despejavam para dentro de seu quarto algumas penas, uma ou duas dúzias de piolhos, levantavam voo e iam planar lá por sobre as malocas dos Caruaras ou pelas beiradas do Solimões para só aparecerem novamente no outro dia, umas vezes trazendo no bico longo e preto pedaços da ossada de algum Pirarucu... outras vezes, noticias do mosquito da malária...  
Dependendo do humor,  - dizia ele - lhes colocava ao alcance a lata de macarrão.., dividia com eles os restos da carne Swift e uma ou outra migalha de pão sírio... 
A senhorita estrangeira, interessada num visto de permanência, fingia acreditar...

Pedagogia pervertida... Educar na escola, em casa... ou educar-se a si mesmo???


" Todo deseo de educar es deseo pederástico pervertido..."
Rene Scheber, p.134

"A parte superior de um livro é o lugar onde todas as
 varejeiras do mundo preferem morrer..."
George Orwell (in: Livros e cigarros, página 26)




Os ministros do Supremo fizeram o óbvio: votaram contra o reconhecimento do 'Ensino domiciliar', proposta que tem sido cada dia mais comum pela população desesperada que não vê na escola nada além de uma singela preparação de suas crianças para o prostíbulo e para a penitenciária... 
E depois, o problema, é que a família, apesar dos energúmenos de plantão que a consideram um 'projeto divino', é o ninho de todas as aberrações e que quanto antes se afaste a criança dela, melhor. E não só a família, em si, mas a própria casa, vai se parecendo cada vez mais a uma prisão e a um gerador de depressão. O humor das mulheres que passam praticamente o dia inteiro trancafiadas nelas, do tanque para o fogão, do banheiro para as janelas, do sofá e da tv para diante do espelho etc... demonstra muito bem o que digo... 
Alem disso, a respeito da educação, como querer "educar em casa" quando a imensa maioria dos pais vive na penúria afetiva, na mais desprezível ignorância, não sabe quanto é 19 dividido por 11... é neurótica, impaciente, não sabe qual é a capital do Afeganistão e nem como se resolve o problema de um pentelho encravado???...
Para quem não esta hipnotizado, fica cada dia mais evidente a falácia da família e da escola (estas duas extensões da igreja) e que no porvir, se as crianças não quiserem continuar sendo pervertidas, adestradas e colonizadas terão que educar-se a si mesmas... se elas não puderam fazê-lo, ninguém poderá fazer por elas...



quarta-feira, 12 de setembro de 2018

In colt we trust...

O atentado contra o candidato Bolsonaro colocou em evidencia, além de nosso atraso, duas questões filosóficas: a morte e a faca.
Sobre a morte tenho uma prateleira repleta de ensaios, estudos, declarações, manifestos, diários, desesperos, revoltas e horrores. Já, sobre a faca, não há quase nada publicado. Recentemente, numa fila de banco, ouvi dois senhores estrangeiros (um indiano e um armênio) falando sobre uma fábrica de facas da qual seriam gestores. E nas vitrines das casas de desportos - observem como todo mundo gosta de admirá-las - as ofertas são cada dia mais sofisticadas. Existe as para mergulhadores, as para churrasco, as para descascar laranjas, passar geléia no pão, aquelas que os sujeitos de circo lançam contra um alvo e claro, as para brigas. Umas com cabos de madeira, outras de madre pérolas, de marfim, de ferro, e de chifres... Quem foi criado na fronteira com o Paraguay sabe da fama que os paraguaios tinham de serem "bons na faca". Tive um primo, (bom de gatilho) que, numa briga lá pelos lados do lago azul de Ypacaraí, teve que descarregar duas  vezes sua pistola sobre um adversário para não ser destripado. Agora lembrei-me também da baioneta, que não deixa de ser uma faca fixada na ponta do fuzil. Um dos objetos que lamentei não ter herdado de meu clã foi um punhal que ficava estrategicamente dependurado atrás de uma porta, próximo a uma máquina de fazer espaguete... e que devia ter vindo no meio das tralhas nos baús da imigração. Tinha mais de 40 centímetros, uma lâmina enferrujada, cortante dos dois lados e com um imenso S que separava o cabo da lâmina. Havia nele algo de transcendente! Uma relíquia! Sua baínha já estava completamente desfigurada. Provavelmente não apenas pelo tempo, mas também pelas memórias... Nunca alguém foi tão corajoso para dirigir-se a ele e acusá-lo de ser apenas uma arma branca...  Um outro parente que não lembro o nome e que já havia vivido em Chicago, sempre que estava diante daquela lâmina gostava de resmungar, num inglês macarrônico: In colt we trust! Frase que mais tarde, com uma insignificante alteração, foi impressa na moeda americana...  Enfim, apesar de todas as mortes serem exdrúxulas e excêntricas a causada por uma faca pode ser uma das mais covardes e esquisitas.
E por falar em mortes, quem já frequentou uma escola (por mais vagabunda que tenha sido) deve lembrar-se de como morreu o velho dramaturgo grego Ésquilo: Passeando pela Sicília, 500 anos antes da lenda  de Cristo, foi abatido por uma tartaruga que caiu do bico de uma águia sobre seu crânio...

terça-feira, 11 de setembro de 2018

Como tornar-se vivos... Ou: um Vade mecum para leitores selvagens...



















"Non abbiamo tempo? E allora leggiamo in treno, in aereo, nella metro, a letto, sotto il tavolo, sotto il banco. Leggere per vivere vuol dire attingere a quell'energia che fa essere la realtà diversa da  una prigione, e dobbiamo diventare lettori selvaggi proprio ora che non abbiamo tempo".

segunda-feira, 10 de setembro de 2018

Mientras...

Um mundo de cretinos e movido a medos......


"A ditadura perfeita terá as aparências da democracia, uma prisão sem muros na qual os prisioneiros não sonharão com a fuga. Um sistema de escravatura onde, graças ao consumo e ao divertimento, os escravos terão amor à sua escravidão" 
Aldous Huxley 






1. Uma criança tem medo de um rato.

2. O rato tem medo de um cachorro

3. O cachorro tem medo de seu dono

4. O dono tem medo de sua mulher

5. Sua mulher tem medo do médico que detectou um nódulo em seu seio

7. Seu filho esta apaixonado por uma menina mas tem medo de conversar com ela

8. A menina é comediante e tem medo de esquecer o texto

9. O professor de quem ela tem medo fuma muito e tem problemas respiratórios. Vai fazer uma fibroscopia e esta com medo do resultado dos exames

10. O amigo do professor é homossexual e frequentemente se sente fatigado. Tem medo de estar com AIDS

11. Seu médico tem uma viagem marcada e tem medo de perder o avião

12. A mulher do médico tem medo de entrar no avião... etc, etc, etc, etc.... (Ver: Le livre des peurs)



sábado, 8 de setembro de 2018

E o sujeito da peixeira é pedagogo...

[... O louco é um homem vivo guiado por um morto...]
Arthur Bispo do Rosário
(Nos tempos do hospicio da Praia Vermelha)

E o drama nacional, relacionado ao atentado contra o candidato à presidência da republica continua. A cada declaração, seja da policia, dos médicos, de seus adversários políticos, de seus seguidores, da mídia ou das velhinhas carolas da feira, o surrealismo vai se agrandando. Esta até aparecendo gente que sustenta que o atentado foi perpetrado por um iluminatti da Baviera... O mendigo K dizia a outros mendigos: quatro coisas me chamam atenção nesse acontecimento. Primeira: o fato escabroso e escatológico dos médicos exibirem as entranhas do paciente ao mundo. Segunda: o fato do agressor ser pedagogo. Terceira: o fato de já ter havido outro sujeito, na história do país, com um nome parecido, lembram do Arthur Bispo do Rosário? (foto acima) Ele, com sua arte, como o esfaqueador do Bolsonaro, com sua faca, dizia cumprir um mandato divino... E Quarta, um pedaço de frase que está lá no Artigo 20 da Lei de segurânça Nacional: "atos de terrorismo por INCONFORMISMO POLITICO"Inconformismo político? Há algo nesta frase que me incomoda... - repetia. 
E a pedagogia? Teria sido lá que o Adélio Bispo aprendeu a manejar facas? A pedagogia da peixeira? Teria alunos? Como deve ter interpretado as teorias de Pestalozi, de Montessori e de Rousseau?
Como o Bispo do Rosario que, com sua loucura, com seu messianismo, com seus delírios de que era filho de São José e da Virgem Maria e com seus trapos ficou na história da psiquiatria e dos manicômios nacionais, este outro Adélio Bispo também com seu messianismo (ironicamente igual ao dos candidatos) ficará na história dos calabouços e das penitenciárias (o que, na essência, é a mesma coisa...)... E la nave va...

quinta-feira, 6 de setembro de 2018

Esfaquearam o candidato Bolsonaro... A idade média é aqui...

A desvairada tentativa de homicídio contra o deputado Bolsonaro nesta tarde, é mais uma expressão de nossa decadência social e mental. Um alerta, principalmente para os candidatos à presidência da república de que, atualmente, o país se assemelha mais a um hospício a céu aberto do que a outra coisa... 
E que sirva para lembra-los também que durante mais de meio século os políticos que os precederam não deram a menor importância para a Saúde Mental das massas e das populações abandonando e condenando os doentes dessa área ao mais estranho e irresponsável abismo. 
Não acredita? Então tente buscar apoio médico/psicológico/público para alguém com transtorno mental... 
E foi uma trágica coincidência que o insano "atentado" contra o deputado tenha acontecido a poucos quilômetros de Barbacena. Barbacena, todo mundo sabe, é uma cidade mineira onde, por mais de meio século funcionou um dos mais abomináveis hospícios do mundo. (ver video abaixo). 
E agora.., visivelmente transtornado e enjaulado, o agressor (esse sintoma de uma sociedade desvairada e esquizoide) diz ter atacado o candidato por 'inspiração divina'.
Em que sentido o Deus desse pobre coitado teria alguma coisa a ver com isso? 
É provável que depois desta funesta experiência os candidatos, final e malandramente,  incluam em seus 'programas' também as promessas de 'dar uma atenção especial à saúde mental' e de, se eleitos, 'lutarem para colocar um freio na loucura das seitas, dos fanatismos e dos charlatanismos vigentes' que envenenam a mente dos rebanhos e que têm um papel importante na desorganização mental dos mesmos...... 


As cinzas do Museu Nacional e Gaston Bachelard...

[... Et comment les Brésiliens se mettent-ils sans se brûler des charbons ardents dans la bouche?]
Ver Bachelard, página 66


quarta-feira, 5 de setembro de 2018

Aproveitando a destruição e a desolação do Museu Nacional...

Das labaredas, do mendigo K e dos sintomas...

1). A respeito do incêndio que ontem destruiu o Museu Nacional, as explicações, justificativas e desculpas que reitores, funcionários, banqueiros, bombeiros, espíritas, astrólogos, ministros e feiticeiros estão dando para a tragédia são até mais desesperadoras, mais desalentadoras e abomináveis que as próprias labaredas. Estão até considerando um milagre que o fogo tenha poupado um ou outro fragmento do chamado crânio de Luzia (ao lado). Até ele deve estar apavorado com tanta estupidez...


2). Hoje, quarta-feira, deparei-me com o mendigo K., no meio de uma multidão que esperava por uma consulta, por um exame ou até mesmo por uma pastilha qualquer, de preferência, a base de ópio... Como sei que está prestes a se aposentar perguntei-lhe: "que saberes" acumulou durante seus anos de trabalho? Depois de certificar-se que eu não estava fazendo ironia, pigarreou, tirou um livro de capa vermelha da bolsa, um livro de autoria de dois alemães e foi lendo uns trechos por ele sublinhados:

I. Do ponto de vista da psicoterapia não existe uma pessoa assim "tão saudável"que não precise com urgência de uma;

II. A psicoterapia é valiosa demais para ser destinada unicamente às pessoas doentes. O fato de nesse enfático processo também surgir bastante "lixo" não deve nos abater o ânimo. (repetiu esta frase mais de uma vez, em voz baixa, como se temesse ser ouvido por alguém);

III. A psicoterapia é um dos melhores métodos existentes para nos tornarmos mais honestos e conscientes;

IV. A psicoterapia é a única abordagem que de fato oferece uma possibilidade real da cura física;

V. Durante a psicoterapia nós nos aliamos aos sintomas do paciente e os ajudamos a alcançar seus objetivos, pois o corpo sempre tem razão. A medicina acadêmica faz o contrário: se alia ao paciente contra o sintoma. Nós ficamos sempre ao lado da sombra e ajudamos o paciente a trazê-la à luz... (interrompeu a leitura ao ouvir seu nome saindo de um pequeno alto falante e desapareceu pisando em nuvens no meio dos pacientes...)


terça-feira, 4 de setembro de 2018

Da prevenção ao suicídio e das campanhas eleitorais...

"...Lembro de uma vez que durante três horas caminhei por Luxemburgo com um engenheiro que queria suicidar-se. Por fim o convenci que não o fizesse. Lhe disse que o importante era ter concebido a idéia e saber-se livre. Eu creio que a idéia de suicídio é a única que faz suportável a vida, mas é necessário saber explorá-la, não apressar-se em arrancar dela as consequências. É uma idéia muito útil. Deveriam dar cursos sobre ela nos colégios..."
E.M.Cioran
(Em entrevista concedida a Fernando Savater e publicada no jornal espanhol EL PAIS (1990)

Como muita gente sabe Brasília costuma escolher uma determinada cor para associar a campanhas preventivas contra certas doenças. Para o câncer de mama, por exemplo, projetam luzes de cor lilás no Congresso Nacional; para o câncer de próstata, luzes azuis e etc. Atualmente, de uma semana para cá, estamos com a cor amarela colorindo o cenário, e isto para caracterizar uma campanha de prevenção ao suicídio. 
Muita gente andou se matando por aí, nos últimos meses, e isto desencadeou uma onda de paranóia na sociedade inteira, o que a fez desencadear uma cruzada contra este, que é, para muitos pensadores, o único problema filosófico sério. 
Cair fora, saltar para o nada, abandonar o barco, jogar a toalha, sair do circo voluntariamente só porque a peça não está agradando. Ora, isto não parece ser um bom negócio... não é verdade?
Apesar de todas as restrições que tenho a esse tipo de catequese, entendo que esta campanha veio num momento propício e certo, exatamente quando estamos num período de eleições e quando os Zés Manés (candidatos) estão o tempo todo nos meios de comunicação nos intoxicando com suas parpalhices, nos fazendo tomar consciência de seus transtornos e de que a miséria é geral e secular.
Acabo de ouvir uma candidata pedindo votos com o seguinte argumento: sou mulher, casada, fiel, com filhos, cristã e trabalhadora! Ora! Quem seria louco o suficiente para votar numa mulher casada, fiel, com filhos, cristã e trabalhadora? Outra diz que é negra, pastora, também casada, também cristã, que também tem filhos e que também quer salvar a pátria. E a família? Todos falam dela como se fosse uma maravilha. Um dom! Uma graça! Uma cachimbada de crack! Quê hipocrisia! Não precisa nem ter estudado a Ronald Laing para saber que é nela que são engendradas todas as psicopatologias... Um sujeito diz que é educador há 25 anos, que veio para cá na maior miséria, que venceu, que se tornou empresário e professor e que quer dedicar sua vida ao próximo. Empresário? E está solto? Educador? Com o analfabetismo generalizado, com os adolescentes e seus pais que não sabem quanto é 6 mais 8, como é que tem coragem de dizer que é professor e ainda pedir votos por isso? Outro se vangloria de saber onde está escondido o Santo Graal e de ser pobre. Ora, quem é que votaria num pobre? Se não soube administrar nem seu próprio dinheiro, como é que quer ter acesso aos cofres do tesouro? Vários (até de partidos diferentes) afirmam que foram incumbidos por Deus para esta missão... Estariam tomando os remédios em doses equivocadas?
Curiosamente, ninguém diz que quer ser governador, senador, deputado ou presidente porque conhece profundamente o movimento dos astros, porque domina a física quântica, porque sabe como produzir pimentões e tomates sem ter que enchê-los de venenos; porque sabe de matemática até mais que Poincaré, que tem uma nova formula para evitar que as pessoas engordem como antas, que mandará executar todo e qualquer tipo de impostores e etc...
Enfim, a campanha de prevenção ao suicídio veio numa hora certa. Não é fácil para ninguém digerir o cocô que esses desvairados lançam sobre nossas cabeças e para dentro de nossas casas...




segunda-feira, 3 de setembro de 2018

Pensando no amanhã, é sempre prudente que o carvão não ironize as cinzas...

"... Como se aquela brasa desconfiada precisasse do socorro de uma chama..."
Pascal Quignard, in: Ódio à música, p.Página 47


Sem nenhuma frescura: quê se fará com as cinzas do Museu Nacional?
Sei que é uma babaquice seguir reclamando, esperneando, se indignando... uma vez que tudo já esta dito. Uma vez que as palavras, as frases, as citações, as ironias, as agressões e os adjetivos já se repetem de forma até patética e não servem mais para nada... Já que qualquer ignorante repete as mesmas bobagens. Que um taxista que não sabe nem trocar um pneu ou um arqueólogo que está fazendo seu pós doutoramento lá na Riviera francesa expressam a mesma tristeza e o mesmo desamparo. Que o IPHAN e o DETRAN funcionaram normalmente nesta manhã, com seus funcionários preocupados apenas com as planilhas dos biscoitos ou com a marca dos pisca-piscas e com os professores se matando por causa do uso ou não de uma craze... Que os poetas de semáforo estão todos com a mesma frase pronta nos subterrâneos da traquéia... Que as universidades não entraram radicalmente em greve! Apenas uns e outros desabafos..! Parole! Onde estão os incendiários de verdade? 
A monotonia e a domesticação é tanta, que a critica dos que passaram pela Escola de Francfurt e dos que não foram além da escolinha da Dona Antonieta, ali na esquina, expressam-se de mesma maneira. Cinzas e nada mais! E eu, que gostaria de enviar minhas condolências às múmias que arderam. A elas que já foram mumificadas para fugir do horror que tinham à cremação... E aos cupins que foram pegos de surpresa... 
O que teria acontecido?, indagava-me uma senhora indigente. E não me venha com o papo de que foi uma fatalidade! Prevenia-me. Fatalidade um caralho! Não teria sido o excesso de gastos com Trio-elétricos? Ou com publicação de livretos de compositores? Ou com shows de cantorzinhos de merda e derivados???
Ou será que os vigias estavam bêbados? Que jogaram uma bituca de maconha acesa na lixeira? Que haviam acendido velas a algum santo? Afinal, era o crepúsculo de um domingo no Rio de Janeiro... E a coleção de borboletas? E o meteorito? Que ironia! Ele que cruzou intacto a imensidão do espaço para vir arder na Quinta da Boa Vista???... E a universidade? Com que cara seguirá falando bobagens idealizadas para seus alunos? E as verbas internacionais que deveriam ter sido investidas na proteção daquela velharia? Como explicar aos africanos, aos latiniamericanos e às tribos do Xingú que todo o material que lhes foi rapinado foi agora incinerado? Que os vigias não eram vigias? Que as mangueiras não continham água? Que os bombeiros estavam bombando (afinal, era domingo à tarde), que  as mulheres dos governantes levavam no pescoço, nas orelhas e nos dedos todo o ouro e o capital que poderia ter salvado aquele acervo? Que pensaram os gigolôs do Estado lá atrás das grades, quando sentiram a fumaceira e o cheiro dos três ou quatro mil anos queimando? E a múmia? Gostaria imensamente de entrevistá-la. Também ao dinossauro mineiro. Será que os espíritas não conseguiriam, através de Allan Kardec ou de Xico Xavier bater um papo com ela, com Tutancâmon, com Don João VI e com alguém da família da aloprada Dona Carlota Joaquina???... Para quê? Só para saber o que pensam dessa fogueira e para que nos assegurem que realmente não foi uma vingança lusitana e nem o chefe dos vigias, bêbado, que entrou em combustão expontânea... 
Por menos que se queira, tudo lembra o incêndio da Biblioteca da Alexandria... 
Por menos que se queira é impossível não pensar nas pérolas, nos diamantes, nas esmeraldas, nas pulseiras e broches grudados ou pendurados no corpo das madames dos gigolôs do Estado... Aliás, onde estariam elas na hora do incêndio? E os chefões do Morro do Alemão? Vão deixar tudo por isso mesmo?
E não adianta vir agora com o papo idiota que se fará todo o possível para reparar os danos. Não há o que reparar. A não ser recolher um punhado de cinzas para que elas, daqui para frente, simbolizem nossa misteriosa necessidade de vingança contra nós mesmos...



domingo, 2 de setembro de 2018

Olha a canalhice aí... Babau museu Nacional...Um povo sem história é menos do que merda...











Seria a velhice uma desgraça???... E não apenas estética???

Apesar de ser um absurdo ridículo,  "O que conta mesmo na vida é a qualidade da descida..."
Ver: Raduan Nassar, 
in: Um copo de cólera, página 52




Porque os adolescentes passam grande parte do tempo na cama... (no jornal Le Monde)

Pourquoi les ados passent leur temps au lit

Par  


Adolescente dans sa chambre et sur son lit avec son appareil photo et ses peluches. Extrait de la  série « L’Antre de la jeunesse » (2015-2017).

Ce n’est pas encore la nuit et plus vraiment le jour. La chambre est noyée dans la pénombre et sous un désordre adolescent. Au fond du lit, Camille, 17 ans, fait le nem, roulée bien serrée dans sa couette, telle la farce d’un pâté impérial vietnamien dans sa galette de riz.
Elle ne dort pas, puisqu’elle regarde une vidéo YouTube sur l’écran de son maxi-téléphone portable dont la lumière crée un halo bleuté. Il est 19 heures passées de quelques minutes. Camille ne quittera pas sa couche avant demain 13 heures, sauf le temps d’un raid sur la cuisine où elle remplira un bol Ikea ­Vardagen de céréales molles inondées de lait entier bio mais tiède. Et se recouchera vers 16 h 30 après une escale au bistrot avec ses amis.
Vive les vacances ! Quoique… A la rentrée, ce sera pareil, mis à part un séjour quotidien et parfaitement studieux dans les salles de classe d’un lycée de Châtellerault (Vienne), où elle vit avec sa famille.
« C’est devenu ma façon de vivre »
Le lit de Camille est la véritable maison de ­Camille. Elle ne s’en extrait qu’en cas d’urgence. Ses parents, qui furent amusés, puis compréhensifs, puis consternés, puis agacés et moralisateurs, puis franchement énervés, sont désormais effondrés.
« Quand je rentre des cours, je suis en état de mort avancée, explique l’adolescente, avec ce sens de la pondération lexicale qui fait le charme des jeunes gens. Jusqu’en 3e, une fois à la maison, je regardais la télé avec mon petit frère, mais ça m’a saoulée. Les programmes étaient nuls. Alors, je me mettais au lit. Peu à peu, j’ai pris l’habitude de faire ça aussi pendant les vacances. Et puis, c’est devenu ma façon de vivre. »
Au début, afin de ménager à ­Camille un confort tout-terrain, papa a repeint la chambre (trois murs roses, un mauve). Il a poncé puis vitrifié le parquet, installé des rayonnages pour les livres, un tapis pur laine au sol. Maman a choisi un grand lit, de beaux draps,...

sábado, 1 de setembro de 2018

Enquanto isso...

O judiciário, Lula & o Estado espetáculo...

Foi uma pena o judiciário não ter permitido que o Lula fosse candidato, que desse entrevistas e fizesse campanha lá detrás das grades. E não fui apenas eu que me frustrei, uma parcela imensa da população, solta apenas por negligencia policial, esta profundamente chateada. Seria um espetáculo exótico e impressionante ouvi-lo falar sobre liberdade, segurança, cidadania, comida à vontade, emprego, saúde, moradia, educação e outras taras e vícios do lumpemproletariado, lá do presídio, no meio de outros condenados e com aquela voz rouca de radialista e de boemio... Sem ele no páreo, o circo fica chocho, mixuruca, medíocre e ordinário... 
A prisão, apesar de ser abominável, foi o ornamento e o remate máximo para ele, o ponto mais alto que alguém pode chegar depois de ter estado quase duas décadas no trono da presidência da república. Que tenha sido como todos os que o antecederam, que tenha caído nas armadilhas de seus adversários e ludibriado as massas, que tenha sucumbido ao delírio de ser um estadista, aos vinhos, às bailarinas, às suítes dos grandes hoteis, a lambeção de saco dos subalternos e à grana, isto é outra questão. Mas ninguém poderá acusá-lo de ter aprendido alguma dessas fraquezas nas escolas e muito menos nas universidades... e nem que tenha se tornado o maior de todos os oradores inspirado por Cícero. Sair da prisão agora seria uma furada! O grande gozo estará em assistir de lá o desenrolar da peça. A verdadeira malandragem estará em assistir toda a pantomima agarrado no outro lado das grades... Tudo conspira a seu favor.  O país mergulhará irremediavelmente no caos do caos, com ele ou com qualquer outro... Na história, (ele e todo mundo sabe) não há segundo prato... E é uma pena também que ele seja alérgico a livros... caso contrário poderia já ter lido esta citação de Baudrillard: "Si je parle d'un lieu, c'est qu'il a disparu / Si je parle du temps, c'est qu'il n'est déjà plus..."

sexta-feira, 31 de agosto de 2018

A Marina e o mendigo K...


[...Dormid, pobres locos, sobre esa arpa que habéis elegido; elegido a la fuerza, por pobretería y locura...]
(J. Moreno Villa In: Pobreteria y locura)


Ontem foi a vez da Marina, uma das candidatas à presidência da república, ser inquirida por dois locutores de TV. O mendigo K, rodeado por vinte ou trinta comparsas de mendicância e que assistiu o embate do princípio ao fim, confessava ter sentido vontade de chorar em alguns momentos, tanto pela futilidade das perguntas como das respostas. Estaria deprimido? O que existe de mais burguês, religioso e reacionário do que uma lágrima? Do que um sentimento? 
Essas entrevistas - me dizia ele, no meio da turba  -  além de lembrarem a confusão de línguas da Torre de Babel, têm servido também para mostrar que o Estado e a República são   arapucas, inclusive para quem as administra e mais: para deixar patente a limitação e a superficialidade dos entrevistadores, desses impostores que alem de mistificarem a si mesmos perante o populacho analfabeto, vêm silenciosa e impunemente adestrando o país com novelas, propagandas, neuroses e noticias falsificadas de ponta a ponta, há décadas...

Deixei-o respirar e o questionei: Tudo bem!, todo mundo critica todo mundo, é realmente uma espécie de Babel e de cainismo. Mas e você, se fosse eleito, o que faria?

Meu primeiro ato de governo,  - respondeu sem gaguejar - independente da opinião pública ou de quem quer que seja, seria a construção de uma estrada de ferro do Ceará à Foz do Iguaçu... E isso não deveria demorar mais do que seis meses. Os trens, de luxo, (três diários), fariam Fortaleza / Foz do Iguaçu em ziguezague, passando por todas as grandes cidades... 
E sem roubar um centavo... 
Os mendigos o aplaudiam e ele completava: Kamaradas, haverá um vagão com poltronas de veludo vermelho tipo aquelas dos trens da Transiberiana, com vinho e jazz e que será destinado gratuitamente e ad aeternum, para mendigos, ciganos, nômades, vagabundos, delirantes e para gente que nunca quis trabalhar. Gente que nunca fez o jogo dessa sociedade patética! - A mendigada gritava e jogava para o alto seus chapéus e chinelos...  
inclusive, - gritavam - porque hoje é sexta-feira, dia de recolher pedaços de filé mignon e sobras de vodka nas lixeiras dos palácios...

E Freud, que achava que a histeria era coisa típica de sua época... Ou isso seria apenas outro estelionato de gênero?...

"Cuando no tengas ni fé ni yerba de ayer, secándose al sol...
(Alfredo Moffatt, in: psicoterapia do oprimido, p. 39)




https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/mundo/2014/02/27/interna_mundo,415106/video-que-estimula-orgasmos-cerebrais-tem-50-milhoes-de-visualizacoes.shtml


quinta-feira, 30 de agosto de 2018

O "psicólogo" & guru Prem Baba é abusado por discípulas...

"... O corpo é muito honesto para dizer "não", e então o intelecto violado simula os dons amorosos..."

Wilhelm Stekel
(In: A mulher fria, página 140)



Como se pode ver nas manchetes acima, os (e as) jornalistas estão excitados hoje. 
Espalhou-se a notícia de que discípulas do "guru dos famosos" Prem Baba, estão sendo acusadas de tê-lo induzido a atos libidinosos e de terem tido 'um caso' com ele. 
Aliás.., eppa..! Acho que cometi um lapsus: ele é que está sendo acusado de abusar delas. 
Ora, mas depois das aventuras planetárias dos padres com meninos e com meninas de sete ou oito anos, isto não beira quase à normalidade??? 
O que é intrigante é que por mais que as mulheres lutem para emancipar-se, continuam permitindo que as descrevam e as insiram nas relações, principalmente nas relações sexuais, como sendo infantis, ingênuas, submissas, bobalhonas e mais ou menos retardadas. Como palermas que se um guru qualquer ordenar que baixem as calcinhas e se coloquem de joelhos elas prontamente obedecem, inclusive quando o marido (discípulo do mesmo iluminado) esta lá na sala de espera orando e meditando... 
É inacreditável! Essa imbecilização e rebaixamento do mundo é inacreditável... E não apenas essa chanchada genital mas também a existência de gurus... Guru? O que é isso? 
Elas acreditavam que ele fosse celibatário, dizem os jornais e os maridos. Que seu gozo provinha de outras esferas... Que já tivesse atingido a iluminação e transcendido os tremores testiculares... Não sabiam que a balela da 'castidade' é um truque vil, uma das mais sofisticadas e perversas teatralidades sexuais...
A propósito: recentemente, meu correspondente de Portugal relatou-me que um padre que fazia exorcismo por lá também foi acusado de, no meio do ritual, enfiar as mãos entre as pernas das mulheres. Acossado pelos maridos, num dos programas medievais da televisão portuguesa, o caçador de demônios se explicou: Ora!, se minha função é retirar o demônio do corpo delas, eu tenho que colocar as mãos onde ele esta... 
E la nave va...





terça-feira, 28 de agosto de 2018

De sacristias, de penitenciárias... e de monastérios...

1. E a peregrinação papal segue, mundo a fora, pedindo desculpas aos que foram enrabados pelos padres.
Nesta semana foi a vez da Irlanda. Na cidade de Knock ele implorou o perdão do Senhor aos abusadores. Como sabemos que o abusador normalmente também foi abusado, é importante que o papa peça ao Senhor que perdoe também os que abusaram do abusador, não é verdade? E quem é que não gostaria imensamente de saber o que o SENHOR, lá do meio das nuvens, pensaria sobre essa suruba sagrada... Só na Irlanda, dizem que foram mais de 14500 crianças enrabadas, e isto bem antes de colocarem o viagra a disposição dos  padrecos... Imaginem daqui para frente... ou daqui (para trás)... Em uma de suas falas sobre essa miséria, o pontífice argentino mencionou a importância de buscar apoio na psiquiatria, o que foi logo censurado pela mídia e pela liga internacional de pederastia... Eu, por amor a ciência e à liberdade de expressão, o convidaria de imediato a dar conferências pelas universidades do mundo, para que fale sobre a temática... Inclusive com a presença das mães que, em nome de Deus e de suas próprias perversidades continuam empurrando suas crianças para as sacristias, para os conventos e para os monastérios...
2. Na semana passada prenderam um adolescente aqui na esquina de minha casa porque encontraram meio cigarro de maconha dentro de seu tênis. Diante de uma impostura e de uma cretinice dessas, o Estado, a policia, os advogados, a gerontocracia canalha e a sociedade inteira deveriam ter vergonha na cara..! E quando esse adolescente for solto? Como alguém conseguirá olhar para ele sem sentir-se um crápula miserável? A existência das cadeias, das prisões e das penitenciárias (mesmo que elas não fossem as cloacas que são) evidencia o fracasso total da civilização. Um recurso cretino dos sádicos, dos vingativos e dos ignorantes...

3. E o  monge budista da Tailândia que, na semana passada, matou uma criança a golpes de bastão? Motivo: estava atrapalhando uma cerimônia. O que pensaria de uma idiotice destas o Grande Buda, com seu bundão e seu barrigaço sentado sobre uma flor de lótus? Enfim, parece evidente que entre enrabadas, bastonadas e encarceramentos o mundo adulto deixa extravasar e expressar o seu ódio pela infância e sua secreta inclinação ao infanticídio...







______________________________________________________ 
As ilustrações são do polonês Zdzistaw Baksinski

domingo, 26 de agosto de 2018

Bomsori Kim plays Wieniawski Violin Concerto no. 2 in D minor, Op. 22



Em seu livro A mulher fria/página 68, Wilhelm Stekel, defendendo a tese de que a música é a mais perigosa de todas as forças facilitadoras do amor, menciona um de seus pacientes músico que lhe confidenciava que quando tocava a Sonata de Kreutzer sua namorada ficava extremamente excitada e que podia até ter um orgasmo.

Uma prova de que os livros, até agora, não serviram para nada...

Hoje é o último dia da Bienal do livro aqui na cidade. Editores, livreiros, mascates, oportunistas, autores, camelôs, titias contando historinhas, poetinhas histriônicos cacarejando em seus pedestais, trambiqueiros e etc, se reuniram durante uns quinze dias no Centro de Convenções. A entrada é gratuita, mas... antes de entrar é necessário dedicar uns 15 minutos para "fazer um cadastro"... 
Até aí, tudo bem, mas o que é  enfurecedor para um homem de 68 anos é ver que a via em frente ao evento, que sempre esteve liberada para carros, durante esses15 dias ficou (misteriosamente) interditada com cones, com carros da polícia, sirenes, guinchos e etc. 
Por quê não querem que se estacione ali?
Seriam inimigos dos organizadores da feira? Querem sabotá-la? 
Teria havido algum conflito entre os barnabés da cultura e os barnabés da justiça?
Odeiam livros? 
Precisam apresentar serviço para não ingressarem nas estatísticas dos desempregados? 
Depois de conseguir estacionar a umas duas léguas do local, tentei saber a lógica da coisa com o chefe da polícia e claro, com a mão sobre o coldre e com uma coreografia de general da Gestapo transferiu a responsabilidade a outro chefe ainda maior que, se estivesse lá, colocaria a responsabilidade no governador que, se estivesse lá acusaria o Ministro dos transportes, e este a São Cristovam e etc... 
É evidente que há um transtorno mental cultural subjacente a coisas desse tipo. Um masoquismo, uma necessidade de punir-se e de evitar o gozo, o próprio e o dos outros, a todo custo, por mais pequeno e superficial que seja. Tentei - só por curiosidade psico-antropológica - falar com o organizador da feira, mas todo mundo parecia querer blindá-lo e poupá-lo. Os vendedores, ao invés de se manifestarem, preferiam ficar lá, como escravos, mudos e em pé diante de pilhas de livros, coçando o saco e o rabo, esperando os "clientes" que não chegavam porque não tinham onde estacionar... 
E, repito, não faço isso por ser um velhote ranzinza, resmungão e rabugento, muito menos por amor à espécie e a ordem.., mas por puro instinto investigativo. Por uma curiosidade doentia, por tentar saber o quê teria acontecido com essa gente? E o por quê dos livros e da lógica até agora, não terem servido para nada...

NO EN MI NOMBRE... (mas só agora! Depois de uns 500 anos... Agora é tarde! Tudo está contaminado...)



"Sobre a brutalidade satisfeita acorda um anjo..."

Baudelaire


Centenas de argentinos fazem renúncia coletiva ao catolicismo


ter, 21/08/2018 - 14:35
Em Buenos Aires, argentinos fazem fila para renunciar coletivamente ao catolicismo. 18/08/2018. RFI/ Aude Villiers-Moriamé
media
da RFI
Quase duas semanas depois da rejeição da legalização do aborto pelo Senado argentino, centenas de cidadãos participaram de uma apostasia coletiva no último fim de semana em Buenos Aires. O objetivo dos manifestantes era não apenas recusar o catolicismo, mas também fazer um apelo em favor do Estado laico, contrariamente ao que prevê a Constituição do país.
Aude Villiers-Moriamé, correspondente da RFI em Buenos Aires
"Você preenche esse formulário, coloca uma foto de sua carteira de identidade, outra de seu ato de batismo, e nos responsabilizaremos pelo resto." Na esquina das avenidas Callao e Corrientes, no coração da capital argentina, César Rosenstein dá as instruções aos futuros apóstatas.
Este membro da Coalizão Argentina por um Estado Laico (Cael) não esperava tanto sucesso na mobilização. "Faz dez anos que lutamos pela separação da Igreja e do Estado. Mas é a primeira vez que eu vejo tantas pessoas prontas a renunciar coletivamente à fé católica", diz.
O princípio é simples: com alguns documentos à mão, cada um pode exigir sua exclusão da Igreja Católica. "Isso quer dizer concretamente que a Igreja não pode mais contar conosco como um de seus membros. E que, nos registros paroquiais, ao lado de nosso nome, aparecerá a menção 'apóstata'. Mesmo se nós preferimos que nosso nome fosse simplesmente apagado desses registros", reitera Rosenstein.
"Não em meu nome"
Na longa fila de espera no estande da Cael, a grafista Marcia organiza suas fotocópias. "Batizaram-me quando eu era bebê. Eu não tinha evidentemente a possibilidade de me opor. Fiz todos os meus estudos em uma escola católica e não me reconheço nesses ensinos que considero nefastos. Recuso-me a fazer parte desta instituição e, sobretudo, recuso que a Igreja aja em meu nome!", exclama a jovem.
"No en mi nombre" ("Não em meu nome") é justamente um dos slogans desta manifestação. Alguns organizadores exibem a frase estampada em camisetas. Vários manifestantes utilizam também um lenço verde, símbolo da campanha nacional pela legalização do aborto na Argentina.
Há pouco menos de duas semanas, senadores do país rejeitaram por 38 votos contra 31 uma proposta de lei visando legalizar a interrupção voluntária da gravidez - um balde de água fria no movimento feminista argentino, que nunca conheceu tamanho avanço.
"O resultado da votação gerou muita revolta. A apostasia é um gesto político forte, uma manifestação de nossa oposição à ingerência permanente da Igreja nos debates da sociedade", afirma, indignada, Julieta Arosteguy, integrante da Cael.
Um milhão de abortos ilegais por ano
Na América Latina, onde os países são majoritariamente católicos, o aborto é legalizado em poucos países: Uruguai, Guiana, Cuba, além da Cidade do México. O país do papa Francisco - onde a Constituição indica desde o segundo artigo que o governo “apoia o culto católico apostólico romano” - autoriza a interrupção da gravidez somente em caso de estupro ou se a gestação apresenta risco para a saúde da mãe.
No entanto, isso não impede que um milhão de argentinas abortem clandestinamente a cada ano, dizem as organizações feministas. Desde o início deste mês, ao menos três mulheres morreram no país tentando colocar um fim à gravidez de forma clandestina.
A Igreja Católica reivindica 90% de seguidores na Argentina. No entanto, pesquisas de opinião revelam que 76% da população se considera católica. A alta quantidade de fiéis permite que a Igreja obtenha a cada ano subvenções do Estado, da ordem de 176 milhões de pesos (equivalente a mais de R$ 23 milhões).
"A Argentina é um país hipócrita. Somos todos batizados porque é o costume, nos casamos na igreja porque é o costume, mas poucos argentinos frequentam as missas e são praticantes verdadeiros", avalia Julieta Arosteguy.
"Sou agnóstico. O certo é que não acredito mais nessa instituição", afirma Alexis, que veio com a família renunciar à fé católica. Diante dele, os filhos brincam com os lenços verdes da campanha pró-aborto. Apontando para as crianças, ele sorri: "Evidentemente, não os batizei. Eles farão o que quiserem quando crescerem", diz.
A Cael enviará os pedidos de apostasia à conferência episcopal de Buenos Aires no dia 24 de agosto.