"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

Maluf, parafraseando ou plagiando Adhemar de Barros: ROUBA, MAS FAZ!... e o direito de mentir na obra de Kant...


"Quanto menos comes, bebes, compras livros, vais ao teatro e ao café, pensas, amas, teorizas, cantas, sofres, praticas desporto, etc., mais economizas e mais cresce o teu capital. «És» menos, mas «tens» mais. Assim todas as paixões e actividades são tragadas pela cobiça".
Karl Marx

Hoje, último dia da primavera os porteiros dos prédios, os taxistas, os serviços gerais dos ministérios, os vendedores de pamonhas e até as "belas da tarde", todos estão eufóricos com a prisão do Maluf. Esse nome, todo mundo se lembra, serviu como álibi para as campanhas de quase todos os partidos políticos (dos mais aos menos esdrúxulos) para elegerem seus candidatos. Sua frase clássica: "rouba mas faz" ficará na história
desta confusa e sonâmbula república.
Confesso que sempre senti uma certa simpatia pelo Maluf. Foi sua astúcia e sua habilidade em blefar para os eleitores e para a polícia que me levou tanto à leitura de Kant e de seu livreto sobre o suposto direito de mentir., como à obra de Thomas Mann que todos conhecem: Confesiones del estafador Felix Krull. 
Se Maluf realmente desviou todo aquela dinheirama do Estado é outra questão o que sempre foi e é admirável nele é sua capacidade de acreditar em si mesmo, em suas invenções e em suas trapaças muito mais do que qualquer outro. E mais: que driblou a justiça durante quase trinta anos. Que colocou em xeque e no bolso todos os instrumentos estatais, bancários e paroquiais não apenas do Brasil, mas dos países onde dizem que tem fortunas. Que demonstrou quase ludicamente que o Estado em geral é uma empresa de estafadores e uma falácia, um negócio de tartufos e de amadores... onde  absolutamente tudo está à venda, desde a honra e a fé até os esfíncteres. 
Duvido que a cadeia esteja a sua altura e que ele próprio acredite ser justa sua prisão. Uma burocracia lúcida, tanto marxista como capitalista - dirá aos presos que terão o privilégio de dividir uma cela com ele - ao  invés de trancafiar-me, me convidaria para chefiar o Banco Central ou o Ministério da Justiça...
____________________________________________
EM TEMPO - Qual é o editor que não gostaria de publicar de imediato uma auto-biografia desse senhor?

7 comentários:

  1. http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica/2017/12/20/internas_polbraeco,648956/paulo-maluf-se-entrega-a-policia-federal-em-sp-apos-decisao-de-facchin.shtml

    ResponderExcluir
  2. https://oglobo.globo.com/brasil/defesa-alega-cancer-pede-prisao-domiciliar-para-maluf-22215612

    ResponderExcluir
  3. https://brasil.elpais.com/brasil/2017/12/19/politica/1513712954_155422.html

    ResponderExcluir
  4. http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica/2017/12/20/internas_polbraeco,649098/juiz-do-df-manda-policia-federal-transferir-maluf-para-a-papuda.shtml

    ResponderExcluir
  5. Confesiones Del Estafador Felix Krull – Thomas Mann
    Probablemente la novela es el más perfecto ejemplo de la ironía que caracteriza buena parte de la obra de Thomas Mann. A tenor de esta concepción estética de la vida, las trampas, los robos y las imposturas acaban no sólo por justificarse, sino incluso por constituir un estilo de vida de moralidad irreprochable.

    ResponderExcluir
  6. Lembrando que quem deu origem à expressão "rouba, mas faz", antes mesmo do Maluf, foi o ex-governador de São Paulo Adhemar de Barros.

    ResponderExcluir
  7. https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/justica-determina-que-maluf-cumpra-pena-em-ala-para-idosos-em-presidio-de-brasilia.ghtml

    ResponderExcluir