"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

quarta-feira, 19 de abril de 2017

E as senhoras e as filhas dos corruptos e dos corruptores? Onde estão essas beldades?

"O único método reflexivo de triunfar é a mentira. A verdade é espontânea e irreflexiva, por isso leva sempre à derrota. Ninguém até hoje se salvou por dizer uma verdade: todos os vencedores o foram pelo poder de uma mentira..."
Vargas Vila

Apesar de todo mundo estar apavorado com a prostituição generalizada promovida pela Odebrecht nas últimas décadas e de estar fixado apenas na quantidade do dinheiro que essa empresa fez circular pelo submundo do Brasil e da América latina, o problema mais grave dessas transações diz respeito à saúde mental das populações. Em outras palavras:  o que é mais grave nesse affair não é a ruína econômica do país em si, mas o efeito devastador que essa canalhice provoca na saúde mental das pessoas. Sim, sem nenhuma frescura, é evidente a repercussão dessa aberração no sistema nervoso central das populações e não apenas sobre os mais pobres, mas sobre todas as classes sociais. 
Dê um giro pela América Latina ou pela periferia de nossas cidades e terás a impressão de estar num hospício a céu aberto. 
Os signos do transtorno mental estão por todos os lados: na arquitetura e no estado precário das escolas, por exemplo, onde até as faculdades não passam de um Segundo Grau maquiado. Na arquitetura e no estado lastimável dos hospitais, outro exemplo, onde em todas as atividades a Idade Média está presente. Nas moradias. Na cozinha dos restaurantes. Nos banheiros públicos. Nas estradas. No misticismo primitivo que envenena a razão das massas. No comportamento da polícia. Dos médicos, dos professores, dos burocratas, dos políticos, dos chamados  programas de entretenimentos e até das meninas da noite... Uma mediocridade avassaladora vai tomando conta de tudo, quase sugerindo um retardo mental generalizado.
E o pior: qualquer uma dessas pessoas que tente buscar ajuda, apoio ou atendimento de algum especialista, (psicólogos ou psiquiatras) não encontrará absolutamente nada disponível, a não ser que se contente com a ladainha de um Pai de Santo ou que disponha de 400 reais (100 euros) para uma consulta de 15 minutos e que se resumirá basicamente na prescrição de um dos antigos e famosos calmantes. Aliás, nos últimos anos a saúde mental praticamente nem faz parte do orçamento dos governos... O que já é um sintoma. 

E por falar em sintoma, ontem encontrei o mendigo K. lá no congresso nacional. Estava no meio dos policiais que depredaram parte daquele covil. Apesar do estilhaços de vidro, da gritaria e do gás de pimenta, veio confidenciar-me: Bazzo, a respeito das delações premiadas, fico só imaginando as mulheres e as filhas daqueles malandros. Primeiro, essas espertinhas incentivaram seus otários e bananas a se venderem e a se prostituírem e logo depois que as maletas de euros chegaram em casa, compraram uma coleção de calcinhas novas e embarcaram para Paris, Tóquio ou para Manhattam.  Nesse momento, fez uma breve interrupção para prestar atenção
 num manifestante que deu um grito contra a reforma da previdência e enfiou o pau da bandeira numa vidraça. Esperou que os gritos diminuíssem e concluiu: Se você quer encontrar as mulheres e as filhas desses corruptos e desses corruptores, vá para a Bahnhoftrasse (em Zurique); na avenida Ginza (em Tóquio); Na Quinta Avenida em Nova Iorque e, claro, na Avenue Montaigne, em Paris...
Explodiu numa gargalhada e atirou um extintor contra uma porta de vidro...

4 comentários:

  1. http://veja.abril.com.br/brasil/ministerio-publico-pede-prisao-para-mulher-de-eduardo-cunha/

    ResponderExcluir
  2. http://oglobo.globo.com/brasil/delator-bem-humorado-faz-piada-ate-com-os-chefes-os-procuradores-21227908

    ResponderExcluir
  3. Bazzo, veja o índice de suicídios entre os índios
    http://especiais.correiobraziliense.com.br/517anosderesistencia#chapter-2303580

    ResponderExcluir
  4. http://veja.abril.com.br/politica/eu-me-prontifico-a-lhe-falar-sobre-tudo-diz-palocci-a-moro/

    ResponderExcluir