"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

O mendigo K., numa nova eclosão de charlatanismo...

Hoje, com a cidade em frenesi, com as multidões babando e dirigindo perigosamente, se acotovelando por todos os lados para comprar presentes, comidas, bobagens, ficções, manhas, substitutos de afetos, compensações, porcarias coloridas e outras bagatelas, encontrei o mendigo K numa chácara de periferia que vende mudas de plantas silvestres, de gerânios, rosas, hortencias, orquídeas, begônias, camélias e etc. Estava sentado ao lado de um arbusto de hibisco vermelho plantado num vaso de pedra tipo aqueles onde os maias enterravam seus mortos. Olhou-me de soslaio e, como se eu lhe tivesse perguntado alguma coisa, resmungou em minha direção e em francês: "Quand on prie à côté d'une fleur, elle pousse plus vite..." Quando percebeu que minha tradução não era das melhores completou, mas sem citar a fonte: "Quando a gente reza ao lado de uma flor ela cresce e floresce mais rápido..."
E explodiu numa gargalhada...

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Matrimônio e luta de classes...

Ontem à noite Interrompi a leitura do livro A multidão criminosa, de Scipio Sighele, para assistir, num programa de televisão, a reportagem sobre duas ou três mulheres que relatavam como e porquê haviam assassinado "em legítima defesa" a seus maridos. Uma havia enfiado uma faca no coração do cabra e a outra havia lhe dado um tiro... Posso estar enganado, mas no enfoque que era dado à matéria parecia haver um certo incentivo ao crime, a vingança, ao masculinicídio e etc, como se fizesse parte dos protocolos do tal empoderamento em voga.
Como se sabe que a ignorância, a burrice e os transtornos de personalidade vêm dominando tudo com uma voracidade nunca vista, sem nenhum moralismo e sem nenhum babaquismo nesses momentos é importante lembrar e levar em consideração o que já se sabe sobre  psicologia de massas... 
Por mais energúmenos que sejam os comandantes de nossos meios de comunicação, não se pode esquecer que nossa espécie, confusa e extravagante já protagonizou histórias fantásticas e episódios de idiotice generalizada através daquilo que se conhece por imitação ou por contágio moral.  Entenderam?
Ou a intenção não é civilizar?, mas apenas mudar o sexo dos cadáveres? 
E depois, sem querer degradar ou colocar em cheque (xeque) o objeto de nosso desejo, todo mundo conhece a declaração da famosa e internacionalmente respeitada psiquiatra brasileira Nise da Silveira segundo a qual: "O homem é mau, mas a mulher é perversa. Segundo a famosa psiquiatra a mulher sabe ser ruim como o demônio. Uma mulher engana o diabo. Duas enganam o inferno inteiro..." - prevenia ela, até com uma certa singeleza, no meio das mandalas engendradas por seus loucos...

domingo, 10 de dezembro de 2017

Museus e adegas... Apesar das frescuras intelectivas, o objetivo é o mesmo: a embriaguês.



"De onde venho, não saberia dizer: nos templos, permaneço sem crenças; nas cidades sem ardor; junto aos meus semelhantes , sem curiosidade; sobre a terra, sem certezas. Dái-me um desejo preciso e derrubarei o mundo".
Emil Michel Cioran


Como em Brasília não há museu nenhum que mereça esse nome, (um, roído pelos cupins, está caindo aos pedaços e fechado há uma década e o outro, com uma arquitetura parecida a das catacumbas e que praticamente ainda nem foi inaugurado...) de vez em quando, quando preciso fugir um pouco da realidade, empurrado maliciosa e maldosamente por meus DNAs, costumo embrenhar-me numa das adegas que há ali perto da Feira do Paraguay e passar a tarde inteira por lá, num exercício de sublimação, admirando a vidraria, os rótulos, as cores e os designers novos das garrafas de cachaça, de vodca, saquê, champagne, conhaques, vinhos, absinthos e outros desintegradores do fígado. Como sei que 99% de meus ancestrais eram chegados numa pinga, tenho o maior cuidado para, de repente, não ter uma recaída sistêmica e descambar para a perdição. Mas hoje, inclusive, em homenagem aos velhos italianos de minha infância, até comprei um litro de Vermouth. Amargo como o fel, mas Vermouth produzido em Torino. O faço, provavelmente, em homenagem a meu pai que, depois de uma longa baforada num de seus sofisticados charutos costumava dar um gole nada modesto numa dessas garrafadas. 
Apesar das campanhas moralistas e hipócritas contra o alcoolismo e contra os "pés inchados", ninguém pode negar que este é um setor que vem crescendo de maneira astronômica. E é importante alertar aos economistas e aos astrólogos que além do agro-negócio,  - que eles até se babam quando mencionam - também o consumo de álcool e de rivotril têm mantido a economia aquecida e o hospício social sob controle..















Da obra de Guido Crepax...


sábado, 9 de dezembro de 2017

Trump é realmente um desequilibrado mental ou estamos voltando aos tempos dos "diagnósticos" que mandavam pessoas incômodas para Barbacena e para os Gulags???

Ces spécialistes de la santé mentale qui diagnostiquent Donald Trump

Donald Trump, le 5 décembre. Il répond à la question d’un journaliste.
« Symptômes d’instabilité mentale », « folie des grandeurs, impulsivité, hypersensibilité aux refus et aux critiques », « apparente incapacité à distinguer l’imaginaire de la réalité » : le 29 novembre  2016, les psychiatres Nanette Gartrell (université Stanford), Dee Mosbacher (université de Californie) ­et Judith Herman (Harvard) envoyaient une lettre ouverte à Barack Obama dans laquelle elles s’inquiétaient de l’état mental de Donald Trump, tout juste élu. Elles recommandaient « fortement » de le soumettre à « une évaluation neuropsychiatrique poussée » avant qu’il entre en fonctions.
Depuis, de nombreux journalistes s’interrogent aussi régulièrement sur l’état mental de « l’homme le plus puissant du monde », craignant le pire à chaque crise internationale. Le 14 novembre, les fact checkers du Washington Post relevaient ainsi que Donald Trump avait fait 1 628 déclarations « fausses ou trompeuses »depuis le début de son mandat, affirmant souvent par ailleurs le contraire de ce qu’il soutenait mordicus avant. Le journal parle d’un « menteur chronique », pathologique.
Maggie Haberman, correspondante à la Maison Blanche pour le New York Times, le décrit dans un article paru le 28 novembre comme vivant dans un perpétuel déni de réalité, incapable de reconnaître ses torts, « prompt » à inventer des « versions alternatives » des événements, « à tenter de créer et de vendre sa propre version de la réalité », développant « des théories de la conspiration n’ayant aucun fondement ».
Vaste polémique
Dans un billet publié le 28 février sur le site Psychology Today, deux docteurs en psychologie, Rosemary Sword et Philip Zimbardo, affirmaient retrouver chez Donald Trump les symptômes flagrants d’une « personnalité narcissique » aux « comportements offensants » : « condescendance », « exagération...

Confessionário ambulante - Outro exotismo do hospício da pós-modernidade...



"Ouve-se o raspar das unhas na seda preta dos vestidos"... Ou: "Pressente-se que as existências se fizeram de mil pequenos nadas acumulados"... Ou: "As mãos lívidas e secas, cheias de engelhas, deformadas pelas exostoses, são poemas de maldade e de astúcia..."
Raul Brandão
(um dos maiores escritores portugueses em sua obra: A farsa)




quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Um teste de afetos... (Imagens publicadas no Le Monde)



"Non è facile conquistare l'amicizia di un gatto. É un filosofo, posato, tranquillo, una creatura abitudinaria, amante delle buone maniere e dell'ordine... Anche nei momenti di maggiore affetto si mantiene libero... Ma una volta conquistata la sua fiducia, vi sarà amico per la vita..."
Théophile Gautier