"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

A [vergonha], numa canção navajo e as fronteiras da solidão (imagens)...

"Fico envergonhado diante da terra;
Fico envergonhado diante do paraíso;
Fico envergonhado diante do amanhecer;
Fico envergonhado diante do crepúsculo; 
Fico envergonhado diante do céu azul;
Fico envergonhado diante da escuridão;
Fico envergonhado diante do sol;
Algumas dessas coisas estão sempre me olhando. 
Eu nunca fico longe de seus olhos..." (Canção navajo)












2 comentários:

  1. Situação delicadíssima.
    Onde colocar a população toda de um cidade como Jundiaí-SP só de imigrantes ?
    Como superar a xenofobia e os detentores da propriedade privada ?
    ¡Malos tiempos!

    ResponderExcluir
  2. Que canção! Que fotos! Que sensibilidade no post!
    Vivemos como na canção navajo e vemos a solidão de todos sentindo a nossa.

    ResponderExcluir