"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

domingo, 2 de agosto de 2015

O mundo: esse imenso circo...

Quem na sexta-feira circulava ali pelos  arredores do Teatro Nacional deve ter sido abordado por um sujeito tipo profeta, místico andarilho medieval, que transportava uma pequena mala de madeira, que tinha a tatuagem de uma santa no peito e que pedia aos apressados burocratas: "nem que seja uma bicicletinha velha só para poder retornar à Bahia!!!". Fiquei imaginando aquele  maluco pedalando pelas beiradas da BR 20 até cobrir os mil e quinhentos quilômetros de seu destino e com a maleta amarrada às costas...
E quem costuma almoçar no restaurante X, também já deve ter ouvido um ex-jornalista jurar que já fez chover no Ceará...
Não resta dúvidas de que o mundo é um circo e que é uma pena não poder viver mais uns trezentos anos para assistir a continuação, a apoteose e o fim desse show...

Nenhum comentário:

Postar um comentário