"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

sexta-feira, 24 de julho de 2015

O caos e a Grécia de Meleagro...





E a Grécia? E o Templo de Hefesto e o de Zeus? A Acrópole? O Museu bizantino? As ruínas do Parthenon? E a deusa Athena e o Minotauro?, ficarão calados, não farão nada? Também teriam sucumbido ao Euro, à Bolsa de Valores e aos larápios internacionais? E amanhã, onde se poderá comer um legítimo moussaka? E o labirinto de Creta? E os antigos cantos a Dionisio?
Já no século primeiro A.C. o grego meleagro - não sei em que contesto social e histórico - havia escrito numa composição poética ou num epigrama:
[Que há de espantoso que seja sírio? Ó estrangeiro! habitamos uma única pátria, o Mundo. Um só caos gerou todos os mortais...]

Um comentário:

  1. A palavra contexto apareceu no texto como contesto. O que será que aconteceu em meu cérebro naquele momento? Por ser uma bobagem, e das grandes, nenhum leitor se importou com isso! Muchas gracias!

    ResponderExcluir