"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

sábado, 18 de julho de 2015

Mais uns minutos com esse charlatão genial...

Um comentário:

  1. Dos charlatães que li e de vez em quando releio, esse é o que mais gosto. Não reprimia o sexo, pelo menos do que andei lendo, e era bem poético, irônico, mordaz, etc nos seus "escritos". Se é pra se entregar à procura de respostas sobre o além, vá ler Osho ao invés de escutar essa gangue perigosa de pastores, os Estelionatários da Fé, cada vez mais ricos hoje em em dia e cada vez mais no Congresso Nacional, Assembleias Estaduais e Câmaras Municipais país afora...

    ResponderExcluir