quinta-feira, 28 de maio de 2015

E se o amor for só uma miragem…?

Na rue Gounoud, a uns duzentos metros do hotel onde me hospedo (uma antiga pensão russa onde Lênin e o dramaturgo Tchecov já foram hospedes, e onde este último escreveu sua peça mais conhecida As três irmãs) sempre passo em frente a uma "porta suspeita". Mulheres de todos os tipos se aglomeram ali e parecem estar disponíveis para quem quiser e tiver 50 Euros sobrando. Ontem até tive fantasias com uma que estava sentada num degrau lendo um livro com esse sugestivo e apropriado titulo: E se o amor for só uma miragem? Era uma moça que usava roupas berberes e que tinha a cor do deserto. Mas recuei. Atualmente me parece bizarro demais pagar uma mulher estranha para tirar a roupa, inclusive a mais íntima quase sempre enfiada em suas entranhas, vê-la ficar de joelhos ou de quatro sobre um tapete marroquino (falsificado) e ordenar: mete!
E depois que tudo já foi consumado, (consumatum est!) passar-lhe discretamente duas notas de vinte e mais cinco moedas de dois euros, atravessar a rua até um bar tunisiano que existe em frente e pedir um quebab com fritas… ou um sanduíche turco de cordeiro no pão árabe como se nada tivesse acontecido... 
Sei que isto parece o mais vagabundo dos moralismos, mas na verdade, posso assegurar-lhes, são legítimos restos e fragmentos de dignidade...

2 comentários:

  1. MÔNICA PRADO TORRES28 de maio de 2015 17:22

    Dignidade ou maturidade, caro Ezio? Ou quem sabe a dignidade seja uma consequência da maturidade? E se o amor fosse só uma miragem gratuita? rsrsrs... No longo da minha jornada conheci algumas mulheres que ganhavam a vida transando, e eu não diria que são "mulheres de vida fácil" como muitos acham, ao contrário... Como nunca tive preconceitos eu as ouvia com muita calma e curiosidade, porque cada qual era um arcabouço de experiências fantásticas, ainda mais em Brasília, onde o público masculino era quase sempre alguém do governo... Teve uma delas, bem jovenzinha, linda e leve como uma pluma, foi minha vizinha, tinha um provedor que era um político, essa viu em mim um "quê materno", e tornei-me sua confidente, inclusive porque os hipócritas dos outros vizinhos a discriminavam, e eu sempre me lixei para a opinião alheia... No fundo eu acredito que todas as mulheres têm seu "quê" de putaria, mas escondem-se embaixo do manto da hipocrisia social, devido ao machismo inerente ao povo latino...
    Talvez meu amigo não estivesse em um bom dia, quem sabe amanhã, ou depois? rsrsrsrsrr

    ResponderExcluir
  2. Mistura de mercantilização com escravidão. Sinistro.

    ResponderExcluir