segunda-feira, 25 de maio de 2015

Arrêtons de manger de la merde!...



8 comentários:

  1. MÔNICA PRADO TORRES25 de maio de 2015 16:29

    Meu lado primitivo é muito forte... Apesar de adorar a comida vegetariana, às vezes sinto falta de uma carne mal passada bem suculenta... Hummmmmm... Peço desculpas ao bichinho e sacio o meu paladar... Inclusive tem uma rede de restaurante australiana que anda por aí, onde eu comi uma das mais saborosas carnes... Pelo menos uma vez por mês eu obedeço ao meu extinto selvagem...

    ResponderExcluir
  2. Rogério Rodrigues25 de maio de 2015 23:41

    Depois de ler vários textos nesse blog, refleti e decidi, há 7 anos, virar vegetariano, pois me senti covarde ao extremo ao consumir criaturas indefesas para saciar a barriga saliente.

    ResponderExcluir
  3. É interessante vermos pessoas que gostam tanto de animais e que ficam horrorizadas ao saberem que no oriente se comem cães.
    Mas se formos analisar, o mesmo sentimento que um cão tem, uma vaca ou uma galinha também tem.
    As dores sentidas por um são sentidas por todos, quando nos cortamos com uma faca de cozinha, por exemplo, sentimos dores.
    E porque achamos que aquela carne em nosso prato chegou lá, sem que um animal tenha sentido dores muito maiores?
    Será que satisfazer nosso paladar justifica o assassinato?
    Será que só porque não fui eu quem matou aquele frango me exima da culpa? Ou seremos cúmplices desse assassinato.
    Será que se tivéssemos de matar um animal, e sentir sua dor, ouvir seus gritos e olhar nos olhos, como se nos pedisse misericórdia, ainda assim comeríamos carne?
    Não nascemos comendo carne, não somos carnívoros, em algum momento da história isso começou.
    Não vamos morrer se ficarmos sem comer carne.
    Vale muito a pena ser vegetariano sim !!!
    Pensem nisso...

    ResponderExcluir
  4. Enquanto os adultos se contorcem para justificar a matança com uma pretenso lado selvagem (mas na realidade jamais matariam uma vaca na dentada) e uma "necessidade" (vício) olhem essa criança:

    https://www.youtube.com/watch?v=3Q_cDr00cJs

    ResponderExcluir
  5. MÔNICA PRADO TORRES29 de maio de 2015 12:31

    Helllooooo !!!!! Apenas para esclarecer: - Cada um tem o livre arbítrio para fazer o quer, inclusive comer o quiser, e até se matar se quiser... Lucius Sêneca já dizia que esse arbítrio é o ápice da liberdade do ser humano... Não tenho que justificar nada para ninguém, apenas teci um comentário de uma forma "divertida", e que nas entrelinhas quer dizer: - "Eu não faço restrição de nenhum tipo de alimento, apesar de adorar a comida vegetariana, e respeitar os: vegetarianos, veganos, lactovegetarianos, ovovegetarianos, e inclusive os comedores de carnes...". Quanto ao vídeo postado, achei-o bonitinho, pois é uma criança expondo sua inocente opinião, pena que esse não é o mundo real... E outra coisa, se tiverem a oportunidade de conversar com alguém mais velho, que tenha passado pelos anos pós guerra, aprenderá a respeitar as necessidades do "homem", e quem sabe não amadurece um pouco com a experiência alheia? Se for sábio...

    ResponderExcluir
  6. Cada um tem o livre arbítrio para fazer o quer, inclusive perseguir outras pessoas. Esse arbítrio é o ápice da liberdade do ser humano, vamos respeita-lo ...

    ResponderExcluir
  7. Anônimo do vídeo agradece ao anônimo das 19:53 pela ironia.
    Já devo ser sábio, porque sou velho e não uso expressões como "Helllooooo"
    Se seu livre arbítrio é tão livre assim, nem devia se sentir incomodada se justificando por exercê-lo.
    Não estamos no pós guerra e nem nas cavernas.
    Namastê

    ResponderExcluir
  8. MÔNICA PRADO TORRES1 de junho de 2015 14:55

    Durante os meus cinquenta anos de vida eu frequentei e convivi com as mais variadas pessoas: classes sociais, profissões, opções sexuais, etnias, nacionalidades, idades, religiões, naturalidades, e os mais polêmicos partidários... Apesar de toda a violência, tortura e perdas que eu sofri, eu sempre tentei levar a vida com muito humor, talvez como uma forma de esconder e aliviar o sofrimento... Porém encontrei nos partidos políticos de extrema direita e esquerda os chamados "cães raivosos"... O pessoal da esquerda carrega o trauma de terem sido torturados e perseguidos; e o da direita carrega o ódio daqueles que se opuseram a eles... O tempo passa, mas o rancor de uns pelos outros não passa, e perpetua-se nos seus descendentes... Enquanto isso, todos continuam se perguntando de que lado eu estou... Bem, se for para dividir em tendência político partidária, eu diria que minha vida acabou em 1995 quando começou o exílio e os assassinatos, ou seja, durante o governo de direita...Porém a partir de 2002 houve a troca de governo e a esquerda assumiu o poder, mas a perseguição e os assassinatos perpetuaram-se... Isso quer dizer que para mim são todos iguais independente da sigla estampada em seus peitos... Não existe essa de direita ou esquerda; existe quem está ou não no poder: - opressores e oprimidos; torturadores e torturados; exploradores e explorados; articuladores e vitimados; e as empresas e os empresários junto com quem está no poder...E no meio desse turbilhão de medíocres estou eu: ex-petroleira, ex-profissional, ex-assessora técnica, ex-mãe, ex-mulher, ex-professora, ex-atleta, ex-sobrevivente, APARTIDÁRIA, e perseguida porque rejeitei suborno em uma licitação em 1995... PONTO FINAL. PRECISO SER MAIS CLARA?

    ResponderExcluir