sábado, 18 de abril de 2015

BRASÍLIA 55 anos. "Que falta nesta cidade? Verdade, honra, vergonha"(Gregório de Matos)




















Um comentário:

  1. MÔNICA PRADO TORRES20 de abril de 2015 11:19

    Brasília... Ha Brasília... Posso afirmar que a minha vida praticamente começou em Brasília, já com os meus vinte e poucos anos... Em 1991 eu chegava em Brasília com um jornal embaixo do braço onde foi publicado a lista dos aprovados no concurso da Petrobras em que todos foram demitidos pelo inesquecível Collor, e meu nome publicado em segundo lugar... Eu já havia assumido, e já havia me mudado para São Mateus, no Espírito Santo, quando recebi a notícia que haviam "cancelado" o meu concurso... Eu e os demais companheiros de prova voltamos para as nossas cidades de origem... O Brasil passava por uma de suas piores crises com a total arbitrariedade do presidente e sua equipe, quem não se lembra da Zélia Cardoso e seu magnífico "pacote econômico": confisco de caderneta de poupança e demais aplicações financeiras; cortes na administração pública; total recesso econômico; quebra das empresas; bloqueios, venda de patrimônio público... Imagina porque ela até hoje não voltou para o Brasil? Pois é, foi no meio dessa turbulência que eu retornei desempregada para o Rio de Janeiro, e dois meses depois eu fui para Brasília levando apenas uma mochila e o meu jornal com a classificação e aprovação no concurso... Havia saído do curso de Análise de Sistemas há pouco tempo, mas já trabalhava na área desde os meus 18 anos, o que facilitou minha colocação no mercado de trabalho, porque em Brasília parecia que o recesso sequer havia chegado... Durante os primeiros anos trabalhei terceirizada em alguns órgãos públicos, e prestando consultoria em outros, o que favoreceu o meu estabelecimento na cidade, e onde eu vivi os melhores anos da minha vida: muitos amigos, viagens, esportes, cursos, namorados, trabalhos, liberdade, estabilidade, muitas descobertas, e o principal - conheci muita gente do BEM, sem o ranço e a pilantragem dos cariocas... Apesar disso tudo nunca me esqueci do meu concurso da Petrobras, é como se fosse uma questão de honra, até que consegui voltar para a Empresa por meio de um mandato de segurança, e retornei para o Rio de Janeiro em dezembro de 1993... É claro que eu não consegui me readaptar à tal "cidade maravilhosa"... Tentei uma transferência para uma unidade da Petrobras em Brasília, mas nada... Aliás, a Empresa não havia digerido muito bem o mandato de segurança e o meu retorno; até que um dos meus amigos de Brasília, convidou-me para trabalhar requisitada, com um ex-professor, na Presidência da República - Secretaria de Planejamento Estratégico, e eu aceitei na hora... Poucos anos depois da equipe que me requisitou ter sido desintegrada, tornei-me "órfã" no meio daquele antro, e não demorou muito tempo para que tentassem me fazer de bucha em uma licitação... Eu recusei, e minha vida terminou a partir daquele momento: tentativas de homicídio; isolamento social; falência financeira; extermínio da família que eu havia constituído; estagnação profissional; perseguição, tortura psicológica; monitoramento... Que repercutem até hoje... Em Brasília eu vivi meus melhores momentos, e também onde eu perdi minha vida... Hoje guardo em minha memória o pôr do sol mais lindo que eu já vi... O céu vermelho se pondo no infinito... A sensação de liberdade de poder ver o horizonte da varanda de casa... As farras noturnas pelos bares e arredores de Brasília... A liberdade de poder pedalar às cinco horas da matina pelas vias largas e longínquas... A visão do Lago Paranoá ao amanhecer servindo de inspiração para o meu violão... Quantos corações foram abatidos com a minha irreverência juvenil... A menina que cantou e encantou os candangos, e logo depois morreu... Brasília - vida e morte...

    ResponderExcluir