"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Aprenda a ser um trapaceiro...

Como 'batedores' de carteira enganam suas vítimas

  • 5 janeiro 2015




Minha mãe tem os olhos nas costas. E desde que eu era muito pequena, ela me ensinou a ter cuidado com pessoas estranhas, principalmente quando elas tentam te dar um presente.
Por isso, fiquei surpresa quando soube que um "rapaz simpático" segurando um buquê de flores conseguiu roubar 20 euros da carteira dela, mesmo com minha mãe segurando-a com as próprias mãos.
Segundo neurocientistas, nosso cérebro é muito bem conectado e difícil de ser enganado, graças à sofisticação de nossos sistemas de atenção e percepção.
Mas ele apresenta pequenas falhas. E é aí que está a destreza dos batedores de carteira: mais do que mãos espertas, eles sabem trabalhar com essas falhas.
A mais importante dessas falhas é o fato de nosso cérebro não ter sido feito para realizar diversas tarefas ao mesmo tempo. Em geral, trata-se de um recurso positivo: ele permite que filtremos apenas os aspectos mais relevantes do mundo a nosso redor.
Leia mais: A ciência por trás da mentira: por que caímos em golpes?
Leia mais: A ciência de 'aprender dormindo'

De Las Vegas para as ruas



Os truques do mágico Apollo Robbins (à dir.) foram estudados por neurocientistas
Mas a neurocientista Susana Martínez-Conde, autora do livro Truques da Mente, afirma que um bom trapaceiro pode usar esse aspecto contra você.
Quando era pesquisadora do Laboratório de Neurociência Visual, no Estado americano do Arizona, ela estudou de perto os truques do mágico Apollo Robins, figura conhecida da noite de Las Vegas.
"Quando Apollo chama uma pessoa ao palco, ele usa várias maneiras para chamar a atenção dela enquanto invade seu espaço pessoal: ele conversa com ela, toca seu corpo, pede para ela olhar para uma coisa ou outra e produz uma resposta emocional enquanto a sobrecarrega", explica a neurocientista.
Por isso, enquanto a agilidade das mãos ajuda, o ato tem muito mais a ver com o uso de outros movimentos para fazer uma pessoa desviar toda a sua atenção.
É o que fazem os batedores de carteira, ao fabricarem uma situação que sobrecarrega o sistema de atenção da vítima.
Um truque clássico usado por gangues no mundo inteiro consiste em fazer um dos batedores andar à frente da vítima e parar subitamente, de modo que os dois acabem se esbarrando. Um segundo batedor que vem atrás, também dá um “encontrão” no grupo e começa a discutir com o primeiro batedor. Enquanto isso, eles conseguem roubar o que podem da vítima, contando com um terceiro criminoso para levar tudo embora.
Leia mais: Impostor de 17 anos ganha fama ao fingir ter ganho US$ 72 mi com investimentos

Táticas espertas



Ao fazer um arco com as mãos, trapaceiros conseguem desviar melhor a atenção das vítimas
"Muita gente acredita que o truque é distrair uma pessoa fazendo-a olhar para outro lado, mas não. O que funciona é dirigir a mente da vítima para algum outro foco", explica James Brown, ilusionista britânico. "Quando eu quero que alguém pare de olhar para algo que está sobre a mesa, dou a eles um bom motivo para olhar para outra coisa. Então, ofereço dois ou três outros objetos, o que é ainda melhor porque a pessoa tem a ilusão de que está podendo fazer uma escolha".
Outras táticas são mais psicológicas. Os batedores costumam ficar por perto de placas que alertem para o perigo de "batedores de carteira" em um determinado local porque a primeira reação que quem lê essas placas é verificar se ainda tem seus pertences, indicando onde eles estão.
Outro truque é não parecer um batedor de carteira, que foi o que funcionou com minha mãe.
Brown acredita que ter autoconfiança também ajuda o bandido, assim como poder de empatia. "Se você consegue estabelecer uma mínima relação com alguém e essa pessoa passar a confiar em você, tudo fica mais fácil", diz o mágico.

Oportunismo e atenção

No palco, alguns movimentos específicos também são enganosos. Apollo Robbins, de Las Vegas, contou ter a impressão de que algumas maneiras de ele mexer com as mãos melhorava sua tentativa de desviar a atenção de alguém. Uma dessas maneiras, segundo ele, era desenhar um arco com as mãos, em vez de movê-las em linha reta.
A equipe da neurologista Martínez-Conde fez uma série de testes e conseguiu descobrir por quê: para seguir um arco, os olhos se movem em uma "perseguição lenta", não se descolam do objeto e permanecem sobre ele; uma linha reta faz o olhar se deslocar rapidamente de um ponto a outro, muitas vezes em uma fração de segundo, e depois voltar para o ponto de partida. É uma ferramenta bastante útil para um ladrão.
Mas Brown acredita que muitos dos crimes ocorrem por pura oportunidade. "Existe o risco de pintar os batedores de carteira como pessoas super-habilidosas, quase elegantes. Mas a maioria delas não são. Elas são simplesmente oportunistas", diz.
Mesmo assim, saber um pouco mais sobre esses truques pode ajudar você a evitar ser roubado. E uma boa dose de atenção também funciona. "Os batedores de carteira fogem das pessoas que estão alertas", avisa o mágico.
Leia mais: Quatro animais que usam o som para trapacear
Leia a versão original desta reportagem em inglês no site BBC Future.

Um comentário:

  1. Pois é Bazzo, este mundo é uma merda mesmo, mas eu ri foi da manchete no link "Impostor de 17 anos ganha fama ao fingir ter ganho US$ 72 mi com investimentos" porque o que tem de gente assim na internet com o famoso "fique rico na internet"...Tem um até que era bêbado de rua em Sao Paulo, foi pro Rio Grande do Sul e, pasmem, ficou rico inventando um curso em PDF que ele vende por "apenas" 500 reais, curso de COMO TIRAR O ESPÍRITO OBSESSOR das pessoas.Mora aqui no sul esse filho da puta, e se juntou com outra gordinha e tão se forrando de grana com esses cursos que prometem o impossível, e como tem otário que faz esses cursos, credo! como tem otário neste planeta!

    ResponderExcluir