"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Dante... e a escoria do mundo...

Nesta sexta-feira ensolarada resolvi acompanhar novamente a Dante e a Virgilio pelas estradas da Divina Comédia escrita em 1300 e pouco. Transitar por essa bravata italiana é redescobrir o quanto ela, mais que a Bíblia e que outros textos cabalísticos e apocalípticos juntos influenciaram as crenças, a religiosidade e o horror da condenação entre os ignorantes, bem como a estética do diabo e do inferno. Contento-me com os primeiros XXXIV Cantos referentes aos nove círculos infernais.
No Primeiro Círculo estão as crianças e outros seres que não foram batizados, inclusive, muitos poetas do calibre de Ovidio, Homero, Horácio etc. Também alguns pensadores como Galeno, Hipócrates, Orfeu, Euclides, Demócrito, Sêneca e etc.
Mais a frente, no meio de ranger de dentes e de uma terrível ventania Dante enclausurou aquelas almas que em vida se entregaram à luxúria, à putaria e à lascívia, como Cleópatra, Helena, Páris e Tristão, Francesca de Rimini e outras vítimas do amor... No Terceiro Círculo, sob uma chuva de granizo e neve com odor pestilento estavam os gulosos, atormentados, segundo Dante  por um cão de nome Cérbero. Mais adiante, os pródigos e os avarentos, condenados como Sísifo a transportar pedras de um lado a outro e, pior, a se injuriarem mutuamente. No quinto círculo, aos gritos de horror, estão os irascíveis. Ali, inclusive, Dante encontra um de seus velhos inimigos. O sexto círculo, segundo o narrador, é o lugar mais fundo e mais infame, o mais distanciado do céu, lugar onde estão heréticos da categoria de Judas. A descida de Teceu aos infernos para resgatar Proserpina, parece ter acontecido nesse lugar. Epicuro e outros que professaram a doutrina da morte da alma junto a do corpo estavam ali em tumbas incendiadas... E a caminhada parece não ter fim, com os círculos lotados de hipócritas, aduladores, falsários, rufiões, mistificadores e etc. todos boiando em sangue fervente. Os suicidas são transformados em árvores. Aos sodomitas Dante reserva o terceiro recinto do sétimo círculo no meio de fogueiras. E a caminhada prossegue. Lá estão os que cometeram fraudes, os que cometeram crime de simonia, que eram muitos, (enterrados de cabeça para baixo); os mágicos, os adivinhos e os farsantes. Os corruptos e os prevaricadores estão na quinta vala do oitavo círculo. Os hipócritas e os ladrões, enclausurados em grossas capas de chumbo ocupam a sexta vala do oitavo círculo. Os falsos conselheiros se encontram na oitava vala. Por fim, no nono círculo, estão os traidores da pátria enfiados no gelo até a cintura...

2 comentários:

  1. E caso tentemos convencer que as fábulas bíblicas são apenas readaptações de milhares de outras, ouvimos impropérios desferidos das sacrossantas bocas e almas devotas!

    ResponderExcluir
  2. Uau... a mente de fato nos leva a lugares inacreditáveis..

    ResponderExcluir