"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

domingo, 19 de maio de 2013

Flash 1.



Chove sobre Marseille. Da galharia da tal platane (essa árvore esquisita que está por toda a cidade) despencam flocos de flores ou de folhas secas que, nos dias de vento e sol são o terror dos alérgicos. O esperado sábado ensolarado foi para o saco. Na escadaria de Saint Charles, ninguém, só as garrafas vazias. O trem para Aix-en-Provance já encostou na via C. A gare está mais cheia do que nunca apesar de pelas portas semiabertas disparar um vento de encolher os culhões. Dois mendigos vestidos a lá Idade Média atravessam a estação de ponta a ponta arrastando atrás de si, além das misérias habituais, um fedor insuportável. Vão com calma, sem estresse, um usando um pequeno chapéu, o outro com uma cabeleira tipo medusa. Não olham para ninguém, parecem saber o horror que causam às narinas e aos olhos das “elites”. Vão sóbrios e soberbos fazendo da marcha uma espécie de meditação.  
Daumier teria tido suas primeiras inspirações por aqui??? Quem, como eu, pensava que haviam entrado ali apenas para se protegerem da chuva e do frio, se enganou. Chegaram em frente ao imenso painel, deram uma olhada rápida, o de chapéu falou alguma coisa para o de cabelo de medusa, dobraram à esquerda, validaram seus bilhetes numa máquina amarela e entraram na via A, com destino a Côte d’Azur. Seriam convidados especiais de Cannes? Não importa. Serão o inferno astral e nasal dos que estiverem ocupando o mesmo vagão que eles...

Nenhum comentário:

Postar um comentário