"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

domingo, 17 de fevereiro de 2013

Radialista do Hades...

Brasília, talvez seja a única cidade do mundo a ter uma rádio FM, em funcionamento, com um locutor do além. Morto há três ou quatro anos (?) seu antigo diretor e locutor continua diariamente anunciando seus pretéritos repertórios musicais: tangos, tarantelas, um ou outro tchá tchá tchá, algumas clássicas, óperas, bossa nova e etc. Não tenho nada contra, pois meu gosto musical de vez em quando até coincide com o do defunto, mas o que é estranho é... Se naturalmente já tenho uma tendência a achar que quem realmente comanda a vida dos vivos são os mortos, quando ouço sua voz lá pelas 18:00 horas, surgindo do vazio, do nada, do Hades... fico ainda mais convencido da pertinência de minha tese... 
Naquele clima meio fúnebre e meio melancólico, sempre aproveito para ficar imaginando a revolução que a fita cassete e depois os gravadores mais modernos devem ter causado no mundo do narcisismo, da música, dos recitais poéticos, da política e até do espiritismo, quando apareceram. Se antes tudo deveria ser ao vivo, meio improvisado, sem cortes, sem arranjos e, por isso mesmo, cheio de mentiras, de tolices e de gafes, depois do invento dessas engenhocas, passou-se a gravar e em seguida a ouvir, revisar, editar e controlar a bobageira, o tom do discurso, a voz do cantante, o som do violinista ou a barulheira da percussão (em outras palavras: a remediar e até a falsificar a realidade) mesmo com seus atores já apodrecendo no limbo ou na eternidade... Digamos que foi um tônico egótico para a espécie! Um bálsamo para a amnésia psicogênica, uma pá de fertilizante sobre a vaidade humana! Enfim, um passo importante para a ilusão de permanecer e de durar que sempre alucinou essa efêmera turba.

Um comentário:

  1. MÔNICA PRADO TORRES18 de fevereiro de 2013 09:57

    Venho a me retratar sobre qualquer comentário que eu tenha realizado nesse blog sobre um juiz trabalhista. O juiz ora citado é um homem íntegro, e fiz um falso julgamento sobre o mesmo.

    ResponderExcluir