"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

domingo, 13 de janeiro de 2013

A próxima guerra civil será por sexo...

Pelo andar da carruagem a próxima guerra civil planetária não será, como se diz, por água, nem por petróleo, nem por terras, nem por tecnologia, nem por religião e nem por ideologia... será por sexo. Quando é que os deuses iriam imaginar que uma simples rodela idealizada para fazer cocô fosse gerar tanto histerismo, tantas paixões e tanta polemica!!! 
Hoje, no Vaticano, no exato momento em que o papa rezava o Ângelus, duas militantes do grupo FEMEN tiraram a roupa, exibiram as tetas para o pontificado e mandaram o herdeiro de Pedro  calar a boca... Levavam nas costas a inscrição: In gay we trust, uma alusão ao In god we trust, escrito na moeda americana. A fúria dos beatos e da polícia do vaticano contra elas foi imediata. Por coincidência e quase ao mesmo tempo, setecentas ou oitocentas mil pessoas marchavam com bandeiras, cruzes, crucifixos e cartazes em Paris, contra o tal matrimônio gay e a adoção de crianças por  casais homossexuais... É evidente que na semana que vem setecentos ou oitocentos mil do lado oposto também tomarão as ruas com suas razões, seus cartazes, suas bandeiras e com suas cruzes... numa luta sem fim... E as pobres crianças... nascidas quase sempre por acaso, terão que passar a vida inteira desenganadas no meio dessas diatribes miseráveis tentando inutilmente saber quem é ovelha e quem é cabrito...
Apesar da família tradicional ter se revelado um fracasso completo pelos séculos a fora (olhe ao seu redor) o mundo não se atreve a decretar seu exaurimento, nem jogá-la no lixo e muito menos admitir que um casal de bigodudos ou de mocinhas venha macular e substituir a junção do antigo patriarca e da velha parideira de outrora... Compreender a indignação tradicional dos manifestantes é fácil, o difícil é compreender o infantilismo dos homossexuais em querer repetir uma experiência caduca e falida dessas que, com certeza, entre eles, será mais desastrosa ainda... Se tivessem uma visão de porvir entenderiam que não demorará muito para que todas as formas de casamento sejam diagnosticadas como desatino e radicalmente banidas da civilização... (seja entre gays, entre héteros, entre assexuados, entre hermafroditas, entre zoófilos, com suas vacas..., etc.) e que os filhos passarão a ser gerados e criados apenas em comunidades (longe das mães) por meios bem diferentes e muito mais sandáveis que os da atualidade... Isto, claro, "sans renoncer à l'animalité qui est la grandeur de l'homme"

2 comentários:

  1. Caro Ézio, felizmente encontrei alguém que compartilha da mesma visão que eu, mas há um longo caminho até que a humanidade se "reinvente", e enquanto isso, a pessoa que é contra o matrimônio, ou qualquer tipo de relação bilateral de "anulação", é considerado louco, esquizofrênico, misantropo, etc, etc, etc... Pior ainda, são eles acharem os assexuados, os bissexuais ou homossexuais, todos anormais; como se uma união heterossexual fosse a solução para todas as mazelas da humanidade... Eu me criei "nas ruas", e ao contrário do que se é postulado, eu me desenvolvi mais do que os meus irmãos que permaneceram presos na redoma da família...rsrsr... Sua tese está certíssima!!!!

    ResponderExcluir
  2. eu sempre achei o casamento uma bosta sem sentido algum , tanto que nunca casei e minha vida sexual com as poucas mulheres que tive foi interessante. E o mais louco é ver os padres falando bem do casamento, como é que eles podem saber alguma coisa de casamento se esses punheteiros e pedófilos nunca casaram? E os pastores evangélicos, com essa merda de "casamento blindado", invenção imbecil da filha do dono da Igreja Universal? E os zoófilos, esses dementes birutas e pervertidos da Alemanha, que lutam na Justiça de lá pelo direito de casarem com cachorros, cavalos e éguas? Todos malucos na loucura mais imbecil que há. Imaginem dois viados barbados casados no papel e igreja e se aturando mutuamente no inferno da convivência?

    ResponderExcluir