"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Rita Lee mostra a bunda para a república...

A tarde deste domingo ia quase acabando quando, já nos instantes derradeiros do show, Rita Lee ficou de costas para o público, de lado para a catedral, de frente para o Congresso Nacional, baixou as calças e exibiu a bunda... O publico, sempre voyerista e perverso, achou excelente, aplaudiu com entusiasmo, coçou aqui e ali, gritou várias vezes que a amava e considerou aquele gesto o máximo! Algo quase revolucionário!? Uma bela excentricidade!? Uma autêntica profanação!? Se contra ou se a favor de alguém, isto é secundário e nunca se saberá realmente, muito menos qual a intenção e qual o verdadeiro significado subterrâneo desse gesto... Assim como nunca se terá certeza de qual foi a genuína sensação da plateia... 
Num outro show, há algum tempo, numa ocasião semelhante, um sujeito subiu ao palco e, numa coreografia "obscena", beijou várias vezes o imenso traseiro de outra Rita, que também o escancarava... 
Deduz-se que exibição em público de algo tão util, que normalmente tanto se valoriza e que tanto se camufla seria sempre uma manifestação de desafio a algum protocolo, de desprezo por algo, por alguém, por alguma coisa? Por si mesmo?... Contra o clero? Contra a plateia? Contra os adversários? Contra a existência? Contra o governo? Mas normalmente quem banca esses shows e com cachês aberrantes e altíssimos é o próprio governo...  
Por que a bunda? Logo ela com seus buracos, com seus mistérios e cânions, com seus pelos e com sua geografia tão estranha...  logo ela, originalmente planejada para amaciar as poltronas e para se aplicar injeções, mas que com o tempo passou a ser, além de objeto de desejo e de outros expedientes insólitos, o local preferido e profano da chibata... Logo ela que, com o passar dos séculos, passou a servir também para conquistar empregos, para seduzir, para insinuar-se, rebolar e para fingir aquilo que não se é... Também, claro, para vender revistas, para distrair punheteiros, para traficar cocaína ou para contrabandear celulares para dentro dos presídios... A bunda: rota da seda, rota do chá, do ópio, das especiarias, da prostituição, do ouro... e o altar sagrado da magia negra...
Por outro lado, chamar alguém de bundão ou de bunda mole, é quase um crime, algo agressivo e pejorativo, sinônimo de babaca, de inútil... Quem visitar as fogueiras de Bénares, na Índia, ao lado do Ganges, onde diariamente são incinerados os mortos da região, ficará impressionado com a constatação de que as nádegas, ou a bunda como um todo é a parte que mais insiste em não se deixar devorar pelas labaredas...

3 comentários:

  1. Viva RITA !! Aplaudo-a de pé.

    ResponderExcluir
  2. a bunda da Rita Lee, velha, deve ter sido a visão do inferno na Terra. Essa velha já está caquética, e nunca foi muito certa da cabeça. Suas músicas são umas merdas podres sem um pingo de criatividade. Se bem que quando eu era guri, e a Rita novinha, bati algumas punhetas olhando revistas com fotos dela...ele ERA gostosinha, agora virou um CANHÃO VELHO...do inferno.

    ResponderExcluir
  3. e tem idiota aqui aplaudindo esse velha gagá metida a revolucionária que, segundo notícias no Google, vai ganhar uma grana da Lei Rouanet junto com Detonautas e Claudia Leite, como se fosse arte o que essa velha xarope e esses outros dois fazem. Realmente ela debocha de nós mostrando a bunda pra nós proletários que pagamos impostos pra sustentar esses vagabundos que se dizem artistas. Realmente , como diz a musica sem graça dessa velha miserável, tudo vira bosta, inclusive ela.

    ResponderExcluir