"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Das cadeias medievais e das pós-modernas...

Como hoje é comemorado o dia da Proclamação da República, o mendigo K., saiu de seu subsolo e foi para o sol da manhã diante de um dos tantos e inúteis memoriais da cidade. 
Estava exageradamente confuso com a fala do ministro da justiça a respeito dos presídios.
- O cara falou em público que antes de ir para um presídio prefere morrer!!! Quê malicia poderá haver por debaixo dessa frase? - Sussurrou-me.  Mas o cara não é o chefe da área? Está se queixando de quê? De quem? Da ausencia de uma intervenção divina? O horror das nossas prisões evidencia novamente o ódio profundo que transita pelas veias desta espécie... Vou revelar-te uma coisa: pelo que já vimos por aí, a esquerda não deveria nunca chegar ao poder. O poder é uma cloaca de malignidades! Só a "direita" sabe lidar com ele... A "esquerda" deveria ficar sempre à margem, esperneando, idealizando, fazendo o discurso libertário, a crítica, a ironia, mostrando a absurdidade e a podridão das coisas... Assumir o poder é cair numa cilada e destruir-se. Veja o que sobrou de nossa "esquerda"! Nada, além de uma trupe de barnabés. O discurso do passado que incendiava até os mais indiferentes, hoje, saído das mesmas bocas, só causa compaixão e repulsa, não faz eco, não convence ninguém...
A respeito "dos delitos e das penas", ao invés de construir presídios por todos os lados, seria muito mais "humanizante" investir no "controle de natalidade". E digo controle de natalidade, porque a balela do "planejamento familiar" nunca deu certo e mais, sempre produziu efeitos contrários... Até o ano 2063 - por exemplo -, o casal, pobre ou rico, culto ou analfabeto, que tivesse mais de dois filhos seria considerado um "inimigo mortal da sobriedade e da emancipação humana". Essa obsessão por se reproduzir como ratos é fútil, irresponsável e compromete a espécie. Isto, porque, toda superpopulação, seja ela de ratos ou de humanos, incrementa a miséria, os instintos primitivos, o desamparo, a violência, as psicopatias, o instinto de morte...
Por outro lado, porque todo presídio é, realmente, uma aberração, sejam os nossos "medievais" ou os suecos "pós-modernos". Enjaular um sujeito é sempre um crime maior, bem maior do que aquele que ele cometeu...  O crime, normalmente é cometido sob algum tipo de impulso, de tara, de paixão, já, a condenação, sempre é meticulosamente tramada e articulada por acerto de contas e por vingança. Se a casa onde se vive já tem claras semelhanças com celas e com cadeias, (as donas de casa, cada dia mais deprimidas e enlouquecidas que o digam) imaginem as prisões públicas, superlotadas, submetidas à tirania do estado, ao ódio e à negligência dos carcereiros. Seria muito menos insalubre a vida de todos se os condenados fossem confinados em fazendas, em montanhas, em ilhas, em selvas (temos a Amazônia inteira para nossos 600 mil prisioneiros), em jazidas de esmeraldas... ou se a eles se atribuísse a missão de, finalmente, construir trens e estradas de ferro que pudessem nos proporcionar confortavelmente a volta ao redor do mundo...

2 comentários:

  1. Sou apaixonada pelo mendigo K, mas não conta para ele não, tá?

    ResponderExcluir
  2. Los mayores productores de pobres no son los bancos, ni los gobiernos, ni los países ricos, son los mismos pobres. Sólo hay una manera de acabar con la pobreza: que los pobres dejen de generar más pobres.
    Así es que no os sintáis culpables cuando os vienen esas imágenes de niños famélicos y os echan en cara todo lo que tenéis como si se lo hubierías robado a ellos. Esos niños hambrientos les tienen que dar las "gracias" a sus padres, no a nosotros.

    ResponderExcluir