"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Viagem ao fundo da noite 4



1-Talvez não exista no mundo cidade mais interessante e nem mais fascinante que Xangai. Na fachada, o que há de mais refinado, moderno e sofisticado... Atrás da fachada, sacos de sapos, escorpiões no palito e um exército alucinado de seres quase da época de Lao-Tsé que transpiram simplicidade e primitivismo... Tenho certeza que aqui é o lugar ideal para curar-se das formas mais crônicas e graves de fobias sociais ou, pelo contrário, para enlouquecer de vez. Impossível dizer alguma coisa consistente sobre a “alma” desse povo. O corpo como liquidificador. Espadas e pérolas, demônios das várias dinastias, arquivos da grande marcha... O vermelho, essa cor de puteiros por todos os lados! A casa de Mao, também a de Cho en Lai. Relíquias da Revolução cultural. Um taxista limpando singelamente os ouvidos com a chave de fenda. Espanadores, porcarias de jade, pincéis. A sensualidade ausente ou invisível. Mas como se reproduzem tanto? A neurose dos alto falantes na porta dos pequenos comércios e os olhos melancólicos da galinha dentro de meu prato...

2-Não há perigo! - Insistia um velho a um homem jovem. O único perigo real aconteceu um ou dois ou dias antes de teu nascimento quando ou você ficava na barriga de tua mãe e apodrecia, ou deslizava pelo canal para deparar-se com toda essa miséria...

3-Ouvi também alguém dizendo: não sou um homem de endereços. Ter que ir ali ou acolá obrigatoriamente, me causa uma das mais amargas formas de angústia. A quinta maravilha do mundo pode estar do outro lado do muro, mas só chegarei a ela se for por acaso. Odeio mapas, guias, programações, esses ônibus que vão cheios de idiotas ziguezagueando pelas cidades... Em viagens sou como um búfalo... E quando, por acaso, me deparo com algo interessante... Que maravilha! Que coincidência! Existem cidades do mundo onde vivi mais de um ano e das quais não sei sequer o nome da avenida principal...

4-Nada é mais melancólico do que ouvir um chinesinho de Zhujiajiao falando inglês para agradar aos brutamontes do império. Tente falar alguma frase nesse idioma de monstros diante do espelho para ver se não se te avermelham as orelhas. É o cúmulo da impostura que esses idiotas circulem pelo planeta inteiro falando apenas o seu idioma e que o resto da manada se submeta a eles...

5-Apesar do saneamento básico desta cidade de 19 milhões de habitantes não ser um dos melhores do mundo, só a ausência de religiões já é um alívio imenso... um verdadeiro e milagroso bálsamo para meus pulmões e, principalmente, para meu cérebro...

Um comentário:

  1. Estas tuas viagens "ao fundo da vida" são fantásticas, me causam uma inveja boa, desejo saudável de também estar aí, dividindo a experiência de espanto e muitos sorrisos. Desejo que aproveites bem e nos conte tudo.
    Abraços

    ResponderExcluir