"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Enquanto isso... Lá pelos lados da velha Itália.....



O video acima lembra a histórinha do famoso mafioso Enrico De Padis, assassinado em 1990. Até aí, nada de novo. O mais fascinante e que os jornais da semana estão relembrando (veja abaixo), é que naquela data a viúva desse Chefão, negociando com meia dúzia de padres do Vaticano conseguiu,


com um bom punhado de liras, lógico, fazer com que o corpo crivado de balas do marido fosse enterrado na Basílica de São Apolinário (foto abaixo) onde até então só eram depositadas as ossadas e as carcaças sagradas dos Papas. Um sacrilégio elevado à quinta potência!!! Não é verdade??? Ou não!!??



O mais curioso dessa promiscuidade entre o sagrado e o profano, entre deus e o diabo, entre as liras e as hóstias é que você que quando vai à Roma passa religiosamente lá nesses sombrios mausoléus para fazer umas genuflexões e derramar umas vinte ou trinta lágrimas de crocodilo sobre as luxuosas lápides e os luxuosos ossos, sem o saber, está orando e chorando também pela santa alma del Signore Enrico... A Gang de Magliana, em nome de Deus, lhe agradece...

Além disso, quem passeava pelas ruas romanas nesses dias viu outra novidade de tirar o fôlego: o ônibus urbano da foto abaixo, circulando normalmente por aquelas estreitas ruelas com um letreiro declarando nada mais nada menos que amor a Mussolini... Viva Itália!!! Porco cane!!!


Um comentário:

  1. Papas, padres, madres, pais de santo, pastores, mães de santo; todos "trabalham" para o "bem de todos", desde que sejam "bem pagos"... Conforme tradição da família, quando minha Bá completou uma semana de falecida, eu mandei rezar uma missa para sua alma, que já começou me custando R$70,00. Escolhi a Igreja de Santa Rita de Cassia, que fica no Centro da Cidade, e na qual eu entro para fazer minhas orações. A missa foi marcada em um sábado, pela manhã, para que todos pudessem assistir. Ao começar a missa, achei estranho, porque o padre que iria celebrar a missa, não era o habitual da paróquia. Quando o sermão começou, senti que o discurso foi totalmente direcionado para mim, aliás o padreco só olhava na minha direção. Depois que acabou a missa fui na secretaria perguntar pelo padre da igreja, e quem era o substituto. Bingo! Quem substituiu foi um capelão, e o recado, com certeza, foi enviado pelos milicos... O que será que o capelão recebeu para me enviar aquele recado? Eu que estudei em colégios religiosos, desde menina percebi que eles não fazem absolutamente nada de graça, ao contrário, tudo tem o seu devido dízimo...

    ResponderExcluir