"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

segunda-feira, 25 de abril de 2011

A VONTADE DE EXTERMÍNIO...

Recebi no sábado passado do Nu-Sol (Núcleo de Sociabilidade Libertária da Pós-Graduação de Ciências Sociais da PUC-SP) o texto abaixo, ainda sobre o Wellington Menezes de Oliveira, cujo corpo continuava apodrecendo no necrotério carioca, mais um sintoma de que a sociedade inteira é extremamente cruel e vingativa. Leiam-no com calma, (apesar da PUC) o texto é lúcido e conclusivo.



{No dia 7 de abril, um jovem de 23 anos entrou na escola onde cursara o ensino fundamental e metralhou crianças entre 9 e 14 anos, preferencialmente meninas. Wellington Menezes de Oliveira foi interceptado por um policial e suicidou-se com um tiro na cabeça. Após a tragédia, começaram as incessantes buscas dramáticas pela descoberta dos motivos. Reviraram-se cartas, laudos médicos, sua história de vida, anotações pessoais, instant messengers, vídeo, opiniões de conhecidos, para tentarem chegar próximo a uma conclusão sobre o novo monstro.

perdedor radical ensimesmado, emudecido e recluso, ruminou a espera da hora derradeira de agir. Extravasou seu ressentimento e vontade de morte, seu ódio pelas meninas, sua repugnância ao que não fosse o mundo de pureza e castidade que havia empreendido para si. Em nome desse mundinho, matou e se ofereceu em martírio. Deixou uma carta, incluindo instruções sobre seu embalsamento como homem santo que acreditava ser. Sabia que ela estaria publicada nos jornais, lida na televisão, compartilhada na internet. Construiu, cuidadosamente, seu momento de celebridade e vingança; atingiu seu objetivo, sua meta, e difundiu um momento de conversão e redenção.

Foram enumerados variados elementos explicativos para a morte destas crianças em uma escola no Rio de Janeiro: internet, pureza, Jesus, virgindade, escola, religião, armas ilegais, compras legais on line, videogames de guerra, televisão, solidão, desespero, ódio, bullying, expectativas e falta de expectativas, frustrações, édipos, irmandades, fundamentalismos...

Wellignton, dizem que também conhecido como Al Qaeda, pagou duzentos e cinquenta reais por uma das armas, comprou o recarregador de pistolas por cinco dólares na internet, e gravou um vídeo para sua efêmera posteridade. Em sua cruzada pela pureza redentora, realizou a vontade de extermínio dos demais covardes dissimulados. Junto a outros perdedores radicais que já morreram e aos que virão, ele conforma e atualiza o inacabado programa desta irmandade de mártires.

No necrotério, seu corpo aguarda, como futuro indigente, alguém para reclamá-lo.

 Orquestra-se a algaravia com comoções e perplexidades, choros, heróis midiáticos, racionalizadas explicações, turbas de vingadores, e clamores por segurança. Estampa-se o medo ao próximo justiceiro invisível, o inimigo imprevisto e jamais antecipado.

Entretanto, permanece um vazio. Não há o criminoso para a polícia e o tribunal, nem para a moral que o criou e o despreza como bastardo. Não há nada para amenizar o teatro de horrores transformado em notícias de televisão, rádio e jornais, postagens eletrônicas, diagnósticos de especialistas sobre transtornos psiquiátricos, causas socioeconômicas, equipamentos de ponta, sociologia da violência, educação para o futuro, assunto para enfadonhos jantares familiares, ladainhas no facebookorkuts e demais redes sociais digitais.

Este criminoso não está vivo para ser esmiuçado pelos saberes da consciência. Sua morte escancara a disseminação do medo no interior das famílias, da escola, dos ambientes de jovens, ONGs e anuncia a etérea esperança em polícias, penalizações, monitoramentos, medicalizações, enfim no governo das condutas.

Instala-se o inevitável: o assombroso desterro destinado às crianças condenadas às escolarizações forçadas e às suas famílias desesperadas e crentes na felicidade, empurrando-as ao sucesso a qualquer preço, agenciado pelo empreendedorismo de si. Educadas no secular sistema de recompensas e punições como futuro capital humano são presas das metas a serem perseguidas.

Enquanto isso, recomenda-se a administração da apatia com fé em mais segurança, cuidados especiais pedagógicos, psicológicos, psiquiátricos, sociais; e o pesadelo real, sob o regime das acentuadas atenções de pais e mães aos seus filhos, escancara o policiamento às amizades indesejadas, ao que devem ver na internet e na televisão, ao que devem fazer para satisfazê-los.


“A luta pela qual muitos irmãos no passado morreram e eu morrerei não é exclusivamente pelo que é conhecido como bullying. A nossa luta é contra pessoas cruéis, covardes, que se aproveitam da bondade, da inocência, da fraqueza de pessoas incapazes de se defenderem”.


            Wellington é uma criação da família, da escola, do bullying, das redes sociais digitais, da ciência dos transtornos, da mediocridade do empreendedorismo de si, da apatia dos jovens preparados para ser capital humano. Incapazes de insubmissões e revoltas, afeitos a parecerem vencedores por um instante, não suportam serem perdedores a priori. Por não suportarem a condição de losers, e sedentos por uma restauração moralizadora em uma sociedade de ventríloquos, embalsamada, maquiada e forçosamente moderada, atingem o estágio do insuportável e transbordam suas derrotas em extermínios relâmpagos.

Este perdedor radical reside na escola, ambiente favorável à produção do nerd e de seu autodegredo como futuro vencedor. Traz à tona seu análogo vexatório, o perdedor radical, isolado ou em dupla, enquanto se aguarda o momento em que seu ato de violência mostrará que não é fraco, covarde, estúpido, um bosta. E como tal, atira merda para todos os lados. Atinge as vítimas selecionadas, a sociedade que os produziu e não fica vivo para ser alvo da justiça. Contudo, ao mesmo tempo, transforma-se em fato inquestionável para a disseminação dos discursos punitivos e medicalizadores de jovens com sua posologia genérica para normalizar as condutas recomendáveis. Ampliam-se as práticas de contenção de supostos perigosos, refazendo o lote dos anormais e fortalecendo a prevenção geral em defesa da sociedade.

Os incapazes de se defenderem solidificam as covardias de cada um com suas ações de perdedores radicais. Cedo ou tarde, outros irmãos como estes virão para explicitarem, mais uma vez, a fraqueza da fraternidade e a necessidade de sangue assinando o escândalo de sua obstinação.

Cada perdedor radical expressa a vontade de extermínio própria do racismo entranhado nas tecnologias modernas de poder, que celebra a morte de  uma parte impura em nome da pureza de todos. A proximidade entre este perdedor radical e os terroristas islâmicos, se houver, está na disposição para morte como meio para atingir a sua meta de cruzado contra o mal.

Wellington não era um terrorista, nem um doente. Ele é a expressão macabra da cultura do castigo, que tem na escola e na família seus lugares privilegiados. Assujeitado na condição de vítima não vê outra saída senão matar e morrer; expressa em atos de violência o que o seu duplo, o vencedor à mercê das metas exigidas, realiza, lentamente, em busca por sucesso, dinheiro e reconhecimento. Se a imagem do vencedor é a daquele capaz de trucidar seus adversários num emaranhado supostamente ético, é no extermínio dos inimigos escolhidos que o perdedor radical encontra-se com a vitória do fraco, bom e inocente.

Enquanto os jovens de hoje nas escolas, empregos e universidades não descobrirem e demolirem o que estão sendo levados a servir, a iminência da matança estará cada vez mais presente; a suspeição, própria do regime das penas, se expandirá; a prisão e seus monitoramentos a céu aberto se elastificarão.

No necrotério, seu corpo aguarda, como futuro indigente, alguém para reclamá-lo. Quem?!}

Um comentário:

  1. O diluvio que caiu sobre o Rio nesta madrugada deve ter sido provocado e enviado pelo Wellington do além.

    ResponderExcluir