"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Parafraseando a Proudhon: todo comércio é um roubo...

Apesar de historicamente a sociedades e os Estados sempre terem perseguido com veemência aos traficantes, aos estelionatários, aos jogadores, às mulheres do sexo, aos cafetões, aos mendigos, aos ciganos, aos desempregados, aos loucos, aos charlatães etc., sempre foram complacentes e sempre deixaram correr a solta e a vontade a rapina descarada dos comerciantes. Observem como aquilo que é considerado um crime num determinado contexto, ali no shopping, atrás do balcão de uma farmácia ou no mundo do comércio em geral ganha, com o aval da República e da policia, status de negócio. O que está acontecendo na região serrana do Rio é uma amostra dessa miserabilidade e dessa oficialização do roubo. No meio do desastre, pronto, surgiram eles, dissimulados e afoitos superfaturando tudo desde velas, água, pães, querosene, fósforos, aspirinas, leite, papel higiênico e até caixões etc. E isto, não pensem que acontece apenas em momentos de calamidades, não, é uma práxis diária em todos os segmentos do consumo, principalmente no da comida. Aqui no DF, por exemplo, comer fora de casa significa pagar R$: 40,00 reais o quilo, e isto, em ambientes onde quase sempre a higiene é precária, onde não há controle nenhum da qualidade dos produtos consumidos, onde tanto os banheiros como a exposição da comida são insalubres e onde os atendentes “garçons, gerentes, cozinheiros etc.,” ganham uma miséria já que foram pegos a laço. O ministério da saúde juntamente com o ministério da agricultura e com o PROCON, sob o argumento de não importunarem aqueles que fazem “girar a economia” dormem negligentes, cegos, cúmplices e quase catalépticos enquanto o rebanho, entre um resmungo e outro, vai literalmente engolindo sapos e pagando 300% a mais do que deveria pagar... 

3 comentários:

  1. Você tem toda razão Bazzo. E é inadmissível que qualquer analfabeto aventureiro possa hoje abrir um restaurante e vender porcarias sem critério. Numa sociedade avançada do futuro só as pessoas mais instruídas poderiam administrar um "negócio" dessa natureza.

    ResponderExcluir
  2. Eu também concordo e mais, num momento trágico como foi este vivido pelas vítimas desta enchente na região serrana do Rio, onde toda a solidariedade do mundo não apagará este lastro de tragédia, tirar vantagem significa ser completamente irracional, portador da insensibilidade dos vermes.
    Bravo, Bazzo! Bravíssimo!

    ResponderExcluir
  3. será, realmente, que só os 'analfabetos aventureiro' estão capacitados à sobreviver neste mundo de 'rapina descarada dos comerciantes'????

    ResponderExcluir