"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Não sejamos cabotinos outra vez. Não há Ano Novo, nem Prosperidade e nem felicidade!


Para ser ouvida depois das encenações, da pólvora e da fumaça...

6 comentários:

  1. Claro que não há, todo o mundo sabe disto. Mas ser humano é ter um lugar interno para descansar da realidade - quem não descansa está atormentado e patologicamente irritado com tudo...
    A vida não mudará sua cara se as pessoas desistirem de olhá-la com mais leveza - mesmo que para isto tenham que pagar uma fortuna em sessões de análise, sem imaginar que o analista é que precisa de análise urgente!

    Cláudia.

    ResponderExcluir
  2. Você tem razão (Claudia?), mas seu pensamento é quase popular, qualquer um pensa como você, com essa espécie de moleza e impotência crônica. Observe como o olhar do Bazzo é vigoroso e potente, como ele nos faz sair pelo menos por uns instantes, da letargia provinciana em que nos encontramos. E depois, essa música! Será ele no violino?
    Feliz e próspero ano novo para você e para sua família.
    Geraldo (mas pode chamar-me de Dorotéia)

    ResponderExcluir
  3. Sinônimos: presunçoso, arrogante, bobo

    ResponderExcluir
  4. Nao ha, nem ha, nem ha!
    Outra vez nao ha.
    Mas sem uma explicacao plausivel existe a beleza...

    ResponderExcluir
  5. Geraldo/Dorotéia ou Maria ou João, a moleza foi conquistada a duras penas, é ela que me faz andar devagar e não apressar as coisas. É ela que me faz aturar situações que exigem tolerância, paciência. Agora, a impotência crônica deixo por conta de sua fantasia.
    Abraços.
    Cláudia.

    ResponderExcluir
  6. A festa do Ano Novo já é coisa antiga. Entre os escravos egípcios, no "show da virada", trespassavam-se eufóricos, regados em altas doses de cerveja! Pensavam que assim, após a travesia báquica todos os problemas estariam resolvidos. Seriam livres, viveriam en oásis e outras alucinação da esperança reprimida. Hoje as manadas ainda mantém-se na esperança como esses antigos escravos sonhando ser faraós memso sabendo que no dia seguinte e nos que virão tudo será a mesma ladainha de promessas, resacas e de dietas não cumpridas...

    ResponderExcluir