"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

terça-feira, 27 de abril de 2010

Michel Onfray pisoteia a Freud e aos psicanalistas...

Após a publicação de seu último livro titulado (l’affabulation freudienne), onde acusa o velho guru vienense de ser charlatão, mentiroso etc... e sua teoria de ser uma tentativa de universalizar problemas pessoais, Michel Onfray está sendo bombardeado por psicanalistas franceses e do mundo inteiro. Elisabeth Roudinesco e Julia Kristeva foram as primeiras a tentar dar-lhe umas boas chicotadas.

Para o filósofo francês,  - autor de Cinismos; O ventre dos filósofos; O desejo de ser um vulcão etc, - a psicanálise não cura coisa nenhuma, ou melhor, cura tanto quanto a radiostesia, a homeopatia, o exorcismo ou uma hora de reza diante da gruta de Lourdes. O autor ainda acusa Freud de ter sido um fracassado, de flertar com o nazifascismo, de interessar-se exageradamente pelo abuso sexual e até de dormir com a cunhada.


Independente de seus pontos de vista sobre Freud e sobre a psicanálise, os livros de Onfray são sempre preciosidades, sempre impregnados de novidades e de olhares novos sobre os seres e as coisas.


Quanto a Freud, depois de balançar as cinzas de seu charuto sobre as páginas do livro em questão, resmungaria: - Ora, monsieur Onfray, o senhor sabe, e muito bem, que na essência todos somos fracassados, que no íntimo, todos somos mais ou menos fascistas, mais ou menos perversos sexuais e que, inclusive, qualquer um de nós enrabaria descaradamente a cunhada... A respeito do fato da psicanálise não curar nada ou coisa nenhuma, isto se deve a que os verdadeiros males deste mundo são incuráveis...

8 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. mais outra boa indicacao de leitura.
    genial, como sempre, oo grande meste...

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito da réplica bazzoniana de Freud.

    ResponderExcluir
  4. Esse papo me fez lembrar da música - da turma do falecido Bussunda - "Os livros que eu não li" (dos versos: "você só quer saber dos livros que eu não li/Tu amas Debussy/que coisa mais careta/tu amas Debussy/e eu gosto é de b*****").

    ResponderExcluir
  5. Essa imparcialidade que delimita qualquer argumento contra ou a favor nesse tipo de questão martiriza a própria questão.

    No fundo, lá na sombra do fundo, somos nós os psicopatas, nas latrias das psico-latrinas, que estão na nossa própria cabeça, defecando a nossa capacidade de discernir afogada em hipocondrias e efêmeros estados de satisfação pessoal - eis a cura, igualmente imaginária.

    Somos besouros rola bosta que, pelo bem das nossas crias, vamos levando e levando.E o que colabore com a firmeza desse grande conglomerado é bem vindo.

    Seria aquele egoísta, a abster de sua prole, o mais honrado filantrópico? O mais puro niilista eu diria - mesmo que não o saiba, e o desumanamente mais humano? Que por ser um humano, não sabe de nada mesmo, ama a sua doença, e difere daquele que se suicidou só pelo fato de ir levando, levando e levando, pra ver no que vai dar. E, ao meu ver, esses somos nós mesmos.

    ResponderExcluir
  6. PAU NO CÚ DO FREUD E DE SEUS SEGUIDORES

    ResponderExcluir
  7. A PSICANÁLISE É UMA FARSA
    É MAIS UMA CRIAÇÃO MAÇÔNICA ASSIM COMO O ESPIRITISMO, A REVISTA PLAYBOY E OUTRAS MERDAS DESSE MUNDO GOVERNADO POR ZUMBIS

    ResponderExcluir
  8. A psicanálise não é ciência. Religião não salva ninguém de nada.Psiquiatria fabrica zumbis e o mundo ainda jaz na ignorância.

    ResponderExcluir