"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

O sacrifício de cachorros na periferia de SP e a cachorrada humana

Difícil entender por que a mesma população que se arquejou de espanto e em vômitos com a descoberta de um matadouro clandestino de cães e de gatos na periferia de SP não está nem aí para os abatedouros públicos de vacas, cabras, porcos, galinhas, rãs, coelhos, faisões etc. Paradoxalmente, esses mesmos hipócritas que se escandalizaram com a natureza do negócio e com o tipo de carnificina são os mesmos que estão todos os dias em fila diante dos mercados e dos açougues para comprar peles, sangue e tripas de porcos, costelas de bezerros, coxas e corações de galinhas, miolos, fígado e língua de bois. Repito: para comprar pele, fígado e língua de bois! Ora! E, além disso, foi exatamente essa gentalha que fez escárnio e escândalo sobre o cardápio e sobre o canibalismo dos tupinambás! Outra hipocrisia, pois é evidente que quem come um pato laqueado seria capaz de comer uma criança laqueada. Que quem come um bode ou um porco no espeto, dependendo das circunstâncias, seria capaz de fazer um churrasco com um irmão, um primo, o pai ou um vizinho. Então, em quê os coreanos e os outros orientais que encomendavam e consumiam as carnes e as vísceras de cães e de gatos capturados nas ruas e assassinados, seriam mais bárbaros e mais desprezíveis do que os que devoram uma ou duas vacas por ano? Dez ou doze frangos por mês? Meio porco a cada fim de semana? Quilos e mais quilos de caranguejos a cada veraneio e dois ou três perus a cada natal? Até uma criança de cinco anos seria capaz de perceber que a voracidade patológica, a ausência de ética e o mau caráter desses personagens são exatamente os mesmos. Um idiota com quem conversava sobre o assunto me dizia: Mas não comer cachorro e nem gato é lei! Lei? A lei é mais desprezível ainda. Vejam o que diz o texto da tal lei: [Animais domésticos, aqueles de convívio do ser humano, dele dependentes, e que não repelem o jugo humano (e que não repelem o jugo humano) não podem ser criados para o consumo]. Ou seja: aquilo que não for domesticável pode ser devorado!

Ezio Flavio Bazzo

8 comentários:

  1. Está ficando bom! Está ficando ótimo poder vir aqui e ler algo que realmente serve para construir uma realidade mais edificante. A foto é chocante e vai espantar os mais sensíveis mas ilustra bem nossos tolos, terríveis e perigosos enganos. O homem está matando tudo a sua volta, sem dó nem piedade. Para sobreviver? Para alimentar sua ganância? Para demosntrar supremacia? Para justificar sua ignorância? Por quê???????

    ResponderExcluir
  2. Ezio, não encontro seus livros na região do Grande ABC, onde moro. OHá algum sebo ou livraria em São Paulo que os tenha?
    Favor respoder-me
    http://oblogdabe.zip.net
    Obrigada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. livraria das absurdidades ali em cima no menu do site.

      Excluir
  3. muito bom, cara! por que as pessoas "amam" alguns e comem outros? mas esses assassinos levarão chifres no rabo, ainda!

    ResponderExcluir
  4. É como sempre digo para meus amigos "carnívoros": Para um indiano saber que devoramos vacas é tão chocante como é para nós saber que chineses comem cães.

    ResponderExcluir
  5. Acho super interessante vegetariano que não come carne por dó do bicho, e usa sapato, bolsa, carro com banco de couro.

    ResponderExcluir
  6. E o Ézio é vegetariano??

    ResponderExcluir
  7. Comer capim é bom? Pois foi isso que um pastor evangélico recomendou a seus fiéis, confira o video a partir de 0:50. Vamos ser sincero, os fiéis merecem mesmo comer!
    https://www.youtube.com/watch?v=nlq1XLDMhjg

    ResponderExcluir