"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

sábado, 7 de março de 2009

Prostitutas, bruxas, donas de casa


Quando se aproxima o dia 08 de março a imprensa, a igreja, as congregações feministas, os comerciantes, as Delegacias de Mulheres, as Ongs etc, (todos movidos por suas respectivas culpas) se excitam e se apressam em trazer a tona (tendenciosamente) a velha lengalenga da mulher coitadinha, vítima, pobre coitada etc., colaborando, com essa choradeira tola e paroquial, para o aumento da distorção que já há entre o que verdadeiramente acontece nos bastidores, na penumbra e na vida privada entre os homens e as mulheres. Nós que trabalhamos com a saúde mental sabemos que a coisa não é bem como o populacho pensa e que:

"Escrever sobre as mulheres sempre foi e é uma das neuroses mais recorrentes, fúteis e antigas do mundo masculino. Uma via sofisticada e às vezes até eficiente para colocar-se a salvo. Para lidar com as frustrações interpessoais e com as mais variadas perversões ligadas sempre e sempre a um hipotético desejo, ao taboo universitário da equidade de gênero e aos frívolos catecismos sócios clericais institucionalizados. Em outras palavras: um intento de explicar-se a si mesmo num mundo cada vez mais cheio de escroques intelectuais, de misticismos esdrúxulos e de perversidades cívicas. Escrever sobre elas não passa de um ardil para justificar-se, para tentar colocar-se à altura destes últimos séculos descaradamente infames e bordelines onde se corre o risco de viver transitando alucinadamente da idolatria à misoginia e da bucetofilia para a bucetofobia. E como tudo neste mundo passa pelo lero-lero das palavras e da linguagem – vejam o martírio de Saussure, Freud, Lacan e de tantos outros que gastaram suas vidas batendo inutilmente nesta tecla - ofereço aos leitores este “Léxico adequado para a vida cotidiana das donzelas” escrito pelo pequeno marginal belga: Pierre Louys. Leiam-no atentamente como se fosse um prólogo, pois ele pode ser de grande utilidade aqui neste reino de trapaças e de falsa devoção onde vivemos:

[Não digas: “minha buceta”, digas: meu coração. Não digas: “tenho vontade de foder”, digas: estou nervosa. Não digas: “acabo de gozar como uma louca”, digas: sinto-me algo cansada. Não digas: “vou masturbar-me”, digas: volto em seguida. Não digas: “quando tenhas pêlos no cu”, digas: quando sejas adulto. Não digas: “prefiro a língua que o pau”, digas: só gosto dos prazeres delicados. Não digas: “entre as refeições só bebo esperma”, digas: faço um regime especial. Não digas: “as novelas moralistas me excitam”, digas: gostaria de ler algo interessante. Não digas: “goza como um cavalo que mija”, digas: é muito exaltado. Não digas: “quando lhe recomendo um pau fica zangada”, digas: é uma original. Não digas: “é uma moça que se masturba como louca”, digas: é uma sentimental. Não digas: “é a mulher mais puta que conheci”, digas: é uma garota encantadora. Não digas: “se deixa foder por todo mundo”, digas: é muito coquete. Não digas: “eu a vi fazendo frente e verso”, digas: é uma eclética. Não digas: “tem ereções como um cavalo”, digas: é um bom moço. Não digas: “tem um pau demasiado grande para minha boca”, digas: sinto-me como uma criança quando falo com ele. Não digas: “eu gozei na sua boca e ele na minha”, digas: tivemos um intercâmbio de impressões. Não digas: “quando o chupo ele goza rapidamente”, digas: é muito vivo e muito espontâneo. Não digas: “tenho doze consoladores em meu quarto”, digas: nunca me chateio estando sozinha. Não digas: “goza três vezes”, digas: tem um caráter muito forte. Enfim, evite comparações arriscadas. Não diga duro como um caralho, redondo como um ovo, molhado como uma xota, salgado como o esperma, do tamanho de minha concha e outras expressões não admitidas pela Academia]".

(Texto contido nas orelhas do livro Prostitutas, bruxas, donas de casa, de minha autoria, reeditado em 2009 pela Editora LGE)


18 Mandamentos da Mulher:



3 comentários:

  1. "Revolutionary Road" (2008), com o Leonardo DiCaprio e a Kate Winslet: mulher tenta desesperadamente fugir do vazio, do tédio, de um destino inexorável...

    ResponderExcluir
  2. aileen carol wuornos de "monster - desejo assassino". ou, valerie solanas: mendiga em nova york, prostituta, lésbica, atriz, aluna brilhante na universidade, junkie e ainda atirou em andy warhol, como ninguém é perfeito... segundo ela mesma: "eu considero isso um ato moral. imoral foi eu ter errado. deveria ter treinado mais".

    ResponderExcluir
  3. Sei lá, não gostei muito do livro, achei que não foi um elogio as mulheres, como o meu professor de filosofia disse. Bom mais acho que cada um tem a sua opinião, e que ele não pode se imposta e que não tem como obrigar as pessoas a concordarem comigo. Mas apesar de tudo admiro o seu trabalho, são poucos que são unicos como o senhor !

    ResponderExcluir