"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

sexta-feira, 13 de março de 2009

E prosseguimos na construção da Torre de Babel


Hoje, sexta-feira, lá pelas sete da manhã, enquanto estacionava nos fundos do ambulatório aonde vou diariamente trocar meu “suposto saber” e meu trabalho por pão preto e arroz integral, fui abordado por um homem de uns quarenta anos – já o havia visto outras vezes ali pelos corredores do hospital – que com um livro de capa vermelha nas mãos (não consegui ver o nome do autor) pediu-me licença para recitar sete ou oito linhas. Parecia não ter dormido. Provavelmente teria passado a noite no campus da universidade encostado numa pilastra qualquer. Talvez brincando com os gatos na parte subterrânea daquele prédio bizarro ou mesmo na porta do departamento de filosofia à espera de algum professor ou mesmo dos personagens insanos de seus delírios. Iniciou a leitura olhando alternadamente para o livro e para meus olhos: “para o psiquiatra, o neurótico é aquele que sofre com as dificuldades cotidianas que os outros e a vida lhe impõem. Já, o psicótico, é aquele que torna difícil (ou impossível) a vida dos outros”. Fez uma careta de riso e, acreditando que eu fosse psiquiatra, esperou por uns instantes que eu me pronunciasse. Como fiquei em silêncio, virou a página e leu este outro trecho: “O psiquiatra “organicista” quer fazer os outros acreditarem que o cérebro produz o delírio da mesma maneira que os rins produzem a urina”. Deixou escapar uma gargalhada, deu-me as costas e infiltrou-se no meio de uma centena de outros pacientes, de todas as especialidades, que já estavam ali esperando por seus respectivos doutores desde as quatro da madrugada.


Ezio Flavio Bazzo

3 comentários:

  1. Na urbe, há muitas anormalidades por trás da aparente normalidade da maioria dos habitantes...

    ResponderExcluir
  2. há anos, na alemanha, um dos maiores diretores de teatro de lá, resolveu fazer algo pelos politicamante corretos alemães. juntou crianças com o trissomia do cromossomo 21 ou síndrome de down ou (...). bom, a idéia era fazer um jogral onde elas leriam um texto de freud que trata da dislexia. imagine: leitores que, geneticamente, não entendem o que lêem, fazendo leituras para uma platéia intelectualóide que finje entender de arte. resultado: uma tensão sinistra pairava entre os espectadores. até que, um mongoloidizinho, não aguentou aquela hipócrita peça teatral e caiu na gargalhada. hálibi perfeito. logo a tensão da platéia se desfez. implosão completa! o teatro inteiro passou quase uma hora rindo.

    ResponderExcluir
  3. Na urbe, há muitas anormalidades por trás da aparente normalidade da maioria dos habitantes...E o Bazzo é um verdadeiro Mestre em escancarar essas anomalias...

    ResponderExcluir