"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

O dinheiro é o único Deus e os banqueiros seus profetas!


Nestas três ou quatro semanas de supostas bancarrotas, de encenações e de mise-en-scène melancólica ao redor da economia e das moedas, a cumplicidade velada entre as nações, o humor maníaco-depressivo dos investidores e a ansiedade simplória das massas nos têm esclarecido duas questões transcendentais. Uma de natureza sociológica e outra de ordem metafísica. Descobrimos quem é que manda verdadeiramente no mundo e quem é a divindade preferida dos rebanhos. A partir de agora será mais difícil aos politiqueiros de turno seguir fazendo o teatro hipócrita e benevolente das "igualdades sociais", dos "ideais socialistas" e das "balelas democráticas" da mesma maneira que será quase impossível aos padres e aos pastores seguirem enganando os beatos em nome de um Deus abstrato e fantasioso. Devemos aos larápios e às rameiras internacionais a descoberta de que o grande e único Deus é o dinheiro e de que os senhores banqueiros são seus profetas.


Ezio Flavio Bazzo

Um comentário:

  1. ah... a única liberdade de agir é mesmo a formal. a única possível em qualquer dominação autoritária. em toda a história, os profetas concorreram entre si pela dominação. dominações autorizadas pelas leis divinas. butecos dependendentes da ambev; camelôs dependentes da concessão de um cartel empresarial qualquer; vendedores de chuchasquinhos nas esquinas dependentes do escritório central do sindicato dos distribuidores de carvão. sacro poder do mercado! e quanto aos infiéis devedores, ainda não senteciado, o medo do terrível destino de queimarem no fogo eterno dos agiotas.

    ResponderExcluir