"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

domingo, 25 de março de 2007

Manifesto aberto à estupidez humana


Manifesto aberto à estupidez humana é um livro extremado. Tem a radicalidade da lucidez e da loucura e a contundência das obras que desafiam a expectativa de quem lê com um discurso inesperado e um cenário desconcer-tante. O uso provocativo da segunda pessoa, no inventário de atos, sentimentos, posições exem-plarmente estúpidas, estabelece relação intensa e pessoal entre quem fala e quem lê.

Com grande poder persuasivo, o discurso pode levar o leitor da estupefação à adesão. Convém estar atento a isso. É uma das armadilhas do texto. Se, em suas linhas, você passar a identificar a estupidez de colegas, vizinhos, parentes, amantes, cuidado! Pois desse modo estará negando ao texto sua principal qualidade: o de ser uma superfície refletora. Quando a imagem de tantos conhe-cidos emergirem dessas páginas, não se iluda e não se prive de participar da aventura de Narciso às avessas que o texto propicia. Este livro fala também de você e da vida que está lhe escapando.

Outra cilada se arma, se tentar descobrir quem fala. Não se trata de um censor nem de um mestre moralista. O livro foi composto por um discurso que a cultura – a despeito das religiões organizadas e das famílias, dos saberes e das autoridades constituídas – não conseguiu sufocar.
Em plena época dos relativismos que tudo legitimam, Ezio Flavio Bazzo expõe um modo insolente e apaixonado de pensar, movido pelo questionamento dos valores.

Evocando fragmentos das obras de Nietzsche, Cioran, Tzara, Malatesta, Marinetti e, também, de Tolstoi, Ibsen, Dostoievski, Thoreau, Cocteau e Canetti, uma voz, com arrebatamento e firmeza, deboche e emoção, elegância e desleixo, raiva e ternura, faz uma advertência contra as falácias que perseguimos e a inten-sidade que não conseguimos viver.


Ligia Cademartori

Trailer do Livro:

5 comentários:

  1. ah... a estupidez humana... vilania e traição do coração e do estômago contra personas. nobreza, intelectualidade, arte, matemática, finésse e religião caem com a palpitação e com o frio na barriga. mais cedo ou mais tarde ela emerge imperiosa e triunfante. ah... a estupidez humana... autocontrole humilhante. condição existencial transmitida desvairadamente pela eterna conspiração de fenótipos e genótipos. nem exoscismo, nem o projeto genôma, nem desalienação lhe darão fim.

    ResponderExcluir
  2. Alo Flavio, como vai voce? Meu nome e Daniel, eu sou de Mexico (onde a peste e mas uma paranoia). Eu nao posso ter seus livros, mais eu estuve lendo Manifesto aberto... Onde posso ter seus livros na cidade de Mexico?

    ResponderExcluir
  3. Correo e: jolgorio_bondage@hotmail.com

    Ate logo.

    ResponderExcluir
  4. Flavio Bazzo....quero saber qual é o nome da música que faz a trilha sonora do vídeo.

    lula_lucas@hotmail.com

    ResponderExcluir