domingo, 25 de março de 2007

Dymphne: A Santa Protetora dos Loucos



Este é um livro sobre insanidade, demência e piração. Uma viagem nas pegadas do frenesi e no encalço da loucura, com suas mais variadas descrições populares, clínicas, preconceituosas, negadoras, medievais e até modernas. E não é uma história «formal» que pretendo, pelo contrário, anseio mais bem por uma história vagabunda e doméstica, desde as estradas perigosas de minha memória até o «paraíso» belga de Geel, o velho e quase mitológico shangri-la dos «dementes». Talvez no imaginário de todas as raças, a loucura seja percebida apenas como um berço em chamas, como o passo de caranguejos no interior das artérias ou como a silhueta de uma mãe esplendorosa que se recusa, a silhueta de uma mãe com tetas imensas mas vazias. Talvez apenas como um canyon com bebês berrando, a placenta sendo lançada numa imensa gamela de imbúia, como se tudo estivesse acontecendo num açougue clandestino do Distrito Federal ou numa caverna piauiense iluminada apenas pelos pingentes de estalactites e pelo brilho inocente dos olhos dos morcegos. Loucos, dementes, alucinados, pirados, insensatos... mas e quem não é? Quem não é, quando nem o grande Verlaine conseguiu burlar as suspeitas dos doutores? Quando Nietzsche mofou no hospício de Jena; quando Artaud apodreceu na clínica de Rodez; Nélligan no hospital quebequence de Saint-Jean-de-Dieu; Rawet na solidão de Sobradinho, e quando o Bandido da Luz Vermelha, durante décadas, fez doutrina no interior dos nossos manicômios? Me digam: quem não é, com todas aquelas caravelas chegando? E depois desses 500 anos? Quanto mais pesquisamos e quanto mais abrimos os olhos, mais vamos reconhecendo que o homem, na fantasia de tornar-se «civilizado», acabou construindo tanto interna como externamente, essa disposição mentirosa e esquizóide que faz da vida uma maratona de horrores. E é importante lembrar, neste momento crucial de nossa existência, que as Naves dos Loucos não navegaram apenas pelos rios da Alemanha, da Bélgica e da França, como se pensa. Elas cruzaram também os mares, em todas as direções, com os porões e as suítes repletas e inclusive, com muito mais frequência do que certos «especialistas» gostam de afirmar.

Nos demais contos, os protagonistas são artistas ou intelectuais: a escultora que fabrica gigantes de ferro para se defender da “banalidade do cotidiano”; o crítico de arte que consola seu amigo moribundo lendo para ele trechos do livro de Jó; o macabro ritual do homem que é apaixonado pela literatura russa; o professor de dramaturgia que um dia se vê impedido de deixar seu apartamento; a tragicomédia de um escritor que, para ser lido, aceita o desatinado conselho de seu amigo publicitário; um artesão que vê os bonecos que criou encenando um drama diante dos seus olhos; e, por fim, alguém que se denomina o Narrador nos apresenta um flagrante perturbador do cotidiano de uma grande cidade.

Um comentário:

  1. ibn siinaa, médico filósofo, conhecido pelo ocidente como avicena, amante de bebidas, das mulheres e da música, no século x, escreveu duas grandes obras al-qanuun fil al-tib (o cânon da medicina) e al-shifaa (a cura) que nortearão, do século xii até o século xviii, como as almas dos loucos no mundo árabe deveriam ser curadas: com espetáculos, danças, narrativas de contos fantásticos e música. O vinho ficava apenas para as horas vagas dos médicos. Por que ninguém é de ferro...

    ResponderExcluir